Presidente da Casa Aprígio Duarte Filho rebate críticas de vereadores sobre antecipação de sessão plenária

0

pedro filho_640x428A antecipação da sessão plenária da Casa Aprígio Duarte Filho, que aconteceria segunda-feira (16) e foi realizada ontem (12), mereceu uma resposta do presidente da Mesa Diretora, Pedro Filho (PR), a alguns vereadores que o criticaram pela decisão.

Da tribuna, Pedro Filho direcionou as palavras em especial aos vereadores Nalvinho (PTB), Mitonho Vargas (PT) e Zé Carlos Medeiros (PV). O presidente leu as solicitações de antecipação da sessão encaminhadas por três blocos partidários, representando 15 dos 21 vereadores da Câmara.

Então nós temos aqui a representação de 15 vereadores. Se há problemas dentro do bloco, não é problema da Mesa Diretora, resolvam entre vocês”, alfinetou Pedro, rebatendo um aparte de Mitonho.

Dirigindo-se a Nalvinho, o presidente afirmou: “Quero chamar a atenção do vereador Nalvinho, que é um amigo que eu tenho, com todo respeito do mundo. Quero dizer que houve uma reunião na minha sala, então se foi na minha sala não foi às escondidas”.

Quanto a Zé Carlos Medeiros, Pedro Filho usou de ironia para responder às declarações do líder oposicionista. “Nós fizemos aqui a convocação de uma sessão extraordinária da última vez e eu chamei vereador por vereador, e ele (Zé Carlos) reclamou, dizendo que eu não chamei pela imprensa. Agora a convocação foi feita pela imprensa e o vereador reclama que não o chamei individualmente. Então eu vou ter de espalhar outdoor na cidade inteira para convocar o vereador Zé Carlos Medeiros para alguma sessão extraordinária, porque se chamo pela imprensa, reclama; se chamo individualmente, reclama. Infelizmente, não sei o que é que atende ao vereador”.

Justificativa

O presidente ainda utilizou o tempo na tribuna para esclarecer que a convocação e a súbita antecipação da sessão plenária seria para votar a suplementação, que servirá para repassar as contrapartidas de projetos importantes para Juazeiro, com prazo determinado. E se não colocasse o projeto em votação, o município perderia investimentos do governo federal. (Fonte/foto: Ascom CMJ)

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome