Tradicional iguaria baiana pode estar com os dias contados em Petrolina e Juazeiro devido à pandemia

8
Foto: A Tarde/UOL reprodução

Vendedores de acarajé em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) estão seriamente ameaçados de ficar sem sua saborosa fonte de renda. O motivo não é à toa. Uma reportagem do Correio da Bahia mostrou que a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19) está fazendo o óleo de dendê – base da tradicional iguaria – sumir das fábricas no Estado. A capital Salvador será a primeira a sentir o problema, mas certamente não vai ficar só por lá.

O Blog soube de um pequeno comerciante que investiu tempo e dinheiro para vender acarajé em Petrolina que seu estoque de dendê só rende, no máximo, de um a dois meses. “Sem dendê, não existe acarajé”, disse ele.

8 COMENTÁRIOS

  1. Para mim não vai fazer a menor diferença, demorou…
    Vamos falar de coisas mais importante,tanta coisa pra falar e vcs vem falar q vai faltar acarajés.
    Da licença!!

    • É importante sim. Pois o acarajé é símbolo e parte forte da gastronomia de uma cidade (s). Onde ainda impacta quem vive de sua venda. Além de cultural é economia TB . Pense melhor. Não é importante pra vc aqui na região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome