Transposição do Rio São Francisco deixa impactos socioculturais em comunidades rurais e indígenas do Sertão pernambucano

3
Foto: Divulgação

A transposição das águas do Rio São Francisco é a maior obra de infraestrutura do Brasil, mas depois de 12 anos de trabalho, sendo sete de atraso, a esperança de abastecimento deixou cicatrizes na caatinga e em comunidades rurais e territórios indígenas. Ao todo, 848 famílias foram reassentadas e realocadas em 18 novas comunidades. Para muitos, a readaptação não foi concluída. O G1 abordou os impactos na região de influência do São Francisco, que ao todo tem uma extensão de 2.800 km e abrange diferentes ecossistemas e comunidades. A obra é projeto do Governo Lula e foi lançada por Ciro Gomes – então ministro da Integração Nacional. Quando concluída deve abastecer 11,6 milhões de pessoas (4, 5 milhões vão ser atendidas pelo Eixo Leste e 7,1 milhões pelo Eixo Norte).

Em Sertânia (PE), Sertão Central, lavradoras como Rosilene Pinheiro de Sousa e Edilma Pinheiro dos Santos contam que a perda da ligação com a terra onde nasceram apagou a esperança de ver de perto os benefícios da transposição. Já os relatos do povo indígena Pipipã em Floresta (PE), Sertão de Itaparica, são de lamento pelo corte de árvores e ocupação dos territórios para os quais eles não tinham conseguido obter a demarcação.

Nas reclamações dos afetados e na constatação de pesquisadores aparecem reclamações diversas sobre os efeitos sociais e culturais da transposição. Os principais são rompimento com a identidade sertaneja, escassez de água para a agricultura e animais, perda da terra, impacto psicológico e depressão, desmatamento de árvores sagradas para indígenas e até o abandono de filhos por trabalhadores das obras.

Sertânia e o impacto na vida rural

Atualmente, a água do São Francisco até passa perto de onde a família de Rosilene Pinheiro de Sousa vive em Sertânia, mas está atrás do canal de concreto e não há acesso, como teria em um rio natural, com margens.

Passaram aqui dizendo que a obra iria chegar, que seria muito bom. Foi uma coisa de muita alegria, mas que passou a ser de tristeza. Teve desmatamento, a área devastada é muito grande. Tivemos que nos mudar. Tínhamos um açude, era a praia do sertão da gente, mas a água secou” – Rosilene Pinheiro de Sousa, moradora de Sertânia.

A vizinha Edilma Pinheiro dos Santos sofre com o mesmo dilema, agravado pelo relato da fuga de animais e do impacto das mudanças na história do pai. “Tinha um terreno comprido, onde o canal passou ao meio. A água do canal passa dentro da nossa terra, mas não temos acesso. Usamos a água do poço, e para beber, a gente compra” – Edilma Pinheiro dos Santos , moradora de Sertânia.

Segundo ela, os trabalhadores da obra da transposição abriram a cerca, e não fecharam, o que levou à fuga dos animais. Ela diz que espera uma indenização há mais de 8 anos. “A criação que a gente tinha, desapareceu toda. De 210 animais, 15 foram recuperados”. O pai de Edilma morreu há quase um ano. Para ela, a morte foi acelerada pela obra da transposição. “A gente acaba de uma certa forma acreditando que teve a ver com a obra. Ele nasceu e cresceu aqui, no terreno dele, o terreninho dele era tudo. Quando foi dada esta determinação de passar ali de todo jeito, para ele foi como se tivesse expulsado ele da terra”, afirma.

Ele teve um aperreio muito grande quando viu que não recuperava mais a criação, ficou triste quando viu que não teria o acerto [indenização], e foi ficando no canto dele. Só quem viu antes e vê agora para entender como ficou, como foi danificado o terreno da gente, no qual ele criou seis filhos, tudo com renda própria”, conta

O pesquisador André Monteiro também afirma que a chegada dos trabalhadores à obra de transposição trouxe questões como o estímulo à prostituição infantil. Por outro lado, alguns relacionamentos consentidos também ocorreram nesta época. Há mulheres que relatam terem ficado grávidas destas relações e, depois, foram abandonadas pelos pais das crianças quando a obra foi concluída no trecho em que moravam.

Indígenas e espaço sagrados

O povo indígena Pipipã ocupa um território no município de Floresta, cidade onde começa o canal de transposição do eixo leste do Rio São Francisco. A terra está identificada, mas o processo de demarcação ainda não foi concluído. Para os Pipipã, a maior perda se deu no desmatamento de árvores consideradas sagradas. Em depoimento a André Monteiro Costa, o caboclo Pipipã da aldeia Caraíbas, no município de Floresta (PE), conta que foram derrubadas árvores como imburana, baraúna, pau-ferro, caatinga branca, mororó. Mesmo que as árvores cresçam em outros locais, a perda de cada uma delas é sentida.

De acordo com o Instituto Socioambiental (ISA), a cosmologia do povo Pipipã está ligada aos “espaços sagrados” ocupados por essas árvores. “Para o povo indígena e as comunidades quilombolas – são 5 no eixo norte –, essa dimensão do simbólico é talvez a mais forte, porque tem a cosmologia das crenças, dos encantados [espíritos sagrados], que estão em outra dimensão, e o canal veio, cortou e desmatou”, explica Monteiro.

Segundo o pesquisador, as máquinas da transposição entraram nos territórios indígenas sem que todos fossem avisados. “Eles ouviam só o barulho das máquinas e das árvores caindo, muitos relatam cenário de apocalipse, como se fosse uma invasão de outro mundo”, afirma. (Fonte: G1)

3 COMENTÁRIOS

  1. Esse povo é engraçado quando era Lula ninguém pensou nisto e olhe que passaram quase 14 anos e nunca terminam,hoje com um ano do mandato de Bolsonaro já tá quase 100 porcentos construído vem nego falar mercadoria, isto não quer dizer que o Bozo é santo,mas levou a coisa a sério, não meteu a mão no dinheiro dá nação que daria para irrigação no nordeste todo.

  2. Realmente se formou uma quadrilha de apoio irrestrito ao marginal Lula, eles passaram todos esses anos roubando e se continuasse não iam concluir nunca, políticos e empreiteiras se aproveitando do dinheiro do contribuinte. Porque será que ninguém nunca cobrou indenização ou reclamou que foi prejudicado no governo do marginal petista Lula? Ele usava essa obra interminável, como bandeira do governo corrupto. Outra coisa que parece piada, será que o governo atual é culpado de mulheres da região ter arrumado filhos com operários da obra? Mesmo não tendo atendido o projeto original, é uma obra muito importante pro Nordeste, muitas pessoas só bebiam água boa se fosse de chuvas raras, das “cacimbas, poços” água era salinizada. Impressionante a quadrilha petista estava muito bem estruturada, eles tentam reverter uma obra usada como bandeira deles, em obra maléfica, prejudicial ao Nordestino, depois que o presidente Bolsonaro prometeu concluir em Jan/2021.

  3. Temos certeza que a Transposição como foi idealizada e está sendo feita, será abandonada em menos de 1(dez) anos, a contar de hoje. Dizemos isso porque não foi uma obra planejada tecnicamente. Foi iniciada seguindo uma ordem autoritária, de um mandatário que hoje não se tem dúvidas da sua personalidade. Mesmo que seja concluída na sua totalidade, não vai atender a população que se propala e nem os benefícios tambem propalados. Por que é uma obra fadada ao abandono? simples, basta o Governo Federal deixar de pagar a conta da energia elétrica as concessionária, e, isso vai acontecer, pois o Governo não pode pagar indefinidamente essas despesas, nós até imaginamos que seria justo que o governo continuasse pagando, mas tudo tem que ter um retorno, direto ou indiretamente. Se todo esse dinheiro fosse gasto em pequenas obras que fixasse o homem do campo no seu habitat natural, como Barragens Subterrâneas e Galgáveis, com Poços Amazonas em seus bojos, mais pequenos bombeamentos, o homem do campo teria água suficiente para o consumo humano e animal, mais uma certa quantidade para pequenas irrigações. Também as vazantes seriam aproveitadas para culturas como: batata doce, feijão, cana-de-açucar, beterraba, cenoura, macaxeira etc.etc. Executar uma obra de engenharia como a Transposição, não tem nada de extraordinário, o problema maior maior é que esse tipo de obra, alcance os frutos esperados ao longo dos anos. Essa obra foi iniciada sem se saber, sem se definir quem iria pagar a conta d’água, a conta da energia, foi iniciada na base do vamos ver, o resto é o resto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome