Rui Costa diz que Bahia vive “maior desastre natural” de sua história

por Carlos Britto // 28 de dezembro de 2021 às 11:31

Foto: Amanda Perobelli/Reuters

Já são 116 os municípios da Bahia afetados pelas chuvas e o número de cidades que decretaram situação de emergência chega a 100. Segundo a Defesa Civil do Estado, até o momento, 470 mil moradores foram prejudicados de alguma maneira pelos temporais. As enchentes já deixaram 20 mortos e mais de 31 mil desabrigados.

A sensação que nós temos é, pelas imagens que vemos, de um grande bombardeio em todo o Estado“, disse o governador, destacando que este “é o maior desastre natural da Bahia”.

Ele acrescentou que pelo menos 50 cidades têm casas embaixo d’água. “Agora que a água começa a baixar, a gente vê o estrago que foi feito em casas de pessoas simples, que fizeram um esforço danado para erguê-las“, lamentou Rui Costa.

Auxílio

Sem adiantar quanto será dado a cada família, Rui Costa reiterou o apelo feito ontem (27) para que prefeitos façam os cadastros das pessoas afetadas pelas enchentes. “Vamos fazer um valor de auxílio financeiro para essas famílias, mas precisamos primeiro entender quantas pessoas foram prejudicadas“.

O governador está em Ilhéus, onde estão centralizadas as operações para atender a população afetada. Na entrevista, ele agradeceu a ajuda de diversos estados entre eles Maranhão, Ceará, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso e o Distrito Federal, que já anunciaram ajuda com recursos, donativos e até envio de bombeiros para socorrer a população.

Sobrevoo

Na manhã desta terça-feira (28) três ministros – João Roma (Cidadania), Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) e Marcelo Queiroga (Saúde) – ficaram de fazer um sobrevoo sobre as áreas mais afetadas pelas chuvas e enchentes no sul da Bahia. Às 11h, está prevista uma coletiva dos ministros em Ilhéus (BA). O ministro da Cidadania, João Roma, visitou no domingo (26) a cidade de Ilhéus e outras áreas afetadas. No município, Roma afirmou que é crucial retirar as famílias das áreas de risco. (Fonte: Agência Brasil)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *