MPPE detalha atuação de seis promotores no Caso Beatriz e afirma que Polícia Judiciária está próxima de desvendar autoria do crime

8

promotores caso beatriz

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) se pronunciou nesta quarta-feira (15) sobre a atuação em conjunto de seis promotores de Justiça na investigação do caso da menina Beatriz Angélica Mota, de sete anos, morta a facadas no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no dia 10 de dezembro passado. Com a presença do procurador-geral de Justiça do Estado, Carlos Guerra de Holanda, a coletiva de imprensa foi realizada na sede da Promotoria de Justiça de Petrolina e contou com a participação dos seis promotores que investigarão o caso: Carlan Carlo da Silva, Ana Rúbia Torres, Júlio César Soares Lira, Lauriney Reis Lopes, Bruno de Brito Veiga e Rosane Moreira Cavalcanti.

Em sua fala, o procurador-geral de Pernambuco disse que o intuito da formação do Grupo de Trabalho é dar uma maior assistência e atuar 24 horas por dia. “O Ministério Público de Pernambuco está atento, está aqui, estamos juntos, para que possamos fazer um trabalho, juntamente com os demais órgãos de investigação, no intuito de esclarecer a autoria deste fato criminoso que vitimou a menor Beatriz. O grupo de trabalho se faz necessário, na composição de vários promotores, para que o MP possa dar assistência 24 horas, tendo conhecimento dos fatos. Quero esclarecer que, uma investigação tem hora para começar, mas não tem hora para terminar. Um pequeno detalhe você elucida um crime, aparentemente de difícil elucidação. Todos os promotores têm vasta experiência, que conhecem a cidade. A pedido deles, nós resolvemos criar esse grupo de trabalho. Não é coisa rara dentro do MP, é muito comum a gente unir forças para lograr êxito em determinadas investigações”, explicou Guerra.

O promotor Carlan Carlo agradeceu o apoio e a confiança do procurador-geral e disse que a investigação ganhou fôlego. Ele garantiu que o MP fará seu papel. “Fazer o papel do Ministério Público, neste aspecto, é garantir a legalidade, garantir o respeito aos direitos humanos e às instituições democráticas. Atuar com todo respeito à legalidade, mas com toda força no sentindo de chegar ao resultado, que é desvendar esse crime bárbaro, que chocou toda a sociedade petrolinense. A formação [do grupo] traz esse acréscimo, essa força. O objetivo central é trazer mais fôlego para desvendar esse crime”, comentou Carlan.

Atuação

julio cesar liraJá o promotor Júlio César Soares Lira detalhou os primeiros passos a serem tomados pelo grupo. Entre as ações, ele disse que é necessário, primeiramente, conhecer todos os detalhes do inquérito – que ainda não foi concluído, além de manter contato direto com os pais da menina, Lúcia Mota e Sandro Romilton, que estavam presentes e se reuniram com os promotores logo após o término da coletiva.

O primeiro passo é conhecer as provas até então produzidas pelo delegado, pois é preciso que nós tenhamos um nivelamento a respeito das provas que já foram produzidas. Estamos nessa fase, mas devemos concluir até o final desta semana”, informou.

Perguntado se a atuação do MPPE tinha deixado a desejar, visto que só agora, seis meses após o crime, foi criada a força-tarefa, Júlio César garantiu que não se trata de um reconhecimento de falhas, e sim de simplesmente dar uma resposta à sociedade. Ele ainda garantiu que Carlan Carlo faz parte das investigações desde o início.

Ao comentar sobre a apuração dos fatos pelo Ministério Público, Júlio César esclareceu que o órgão não é o protagonista na busca das provas do crime, mas a Polícia Judiciária está bem próxima de encontrar os autores do crime. “O Ministério Público é receptor da prova produzida pelo delegado de polícia. O papel do Ministério Público não é de protagonismo na busca da prova. O ministério Público é receptor dessa prova, para quando nós encontramos os verdadeiros culpados, dentro dessa barbárie, de nós atuarmos de forma incisiva para alcançar, também, uma eficácia desse processo. Não é só encontrar os culpados, é fazer com que essa prova seja suficiente para que nós levemos esses culpados até o Tribunal do Júri e consigamos a condenação deles lá. Reafirmamos a confiança na Polícia Judiciária, de que eles estão muito próximos de desvendar essa autoria. E agora, juntos, nós podemos contribuir para que tenhamos um final esperado por todos, que é a punição dos culpados”, afirmou o promotor.

Pais de Beatriz

sandro lucia e advogadaApós o término da coletiva, os seis promotores, juntamente com Carlos Guerra de Holanda, se reuniram com os pais da menina, Lúcia Mota e Sandro Romilton. A imprensa, no entanto, não teve acesso ao conteúdo da reunião. A mãe de Beatriz passou mal durante o bate-papo com os promotores e não pôde falar com os jornalistas. Mas, de acordo com sua advogada, Kleane Oliveira, o encontro foi proveitoso.

“[A reunião] Foi muito produtiva, estamos muito confiantes. A gente clama por justiça e acredita que o trabalho vai ser realmente desempenhado da melhor forma possível. Cinco, seis, sete cabeças pensam mais do que uma. Esperamos o melhor resultado. A família procurou o Ministério Público por duas vezes, esse foi o terceiro contato. Agora, com esse grupo de trabalho, tende a ser melhor. Eles [os promotores] vão manter mais contato [com os pais]. Lucinha Mota tem muitas informações, e ela vai colaborar com o Ministério Público. Os promotores deixaram em aberto, dia  e hora, para que eles [os pais] possam entrar em contato”, disse a advogada.

8 COMENTÁRIOS

  1. Esse é o grande passo pra frente, onde a família tem que focar, vamos pedir a Deus pra que esse criminoso seja preso, vamos deixar de espalhar o ódio, porque foi com muito ódio que a Beatriz foi morta

  2. Até que enfim. Espero que quem fez isso com a pequena Beatriz seja realmente descoberto (a) e pague pelo crime monstruoso que fez, pois fazer isso com uma inocente não tem perdão. Deveria pegar prisão perpétua, se no Brasil fosse possível. E peço a Deus que conforte os pais desse anjo que partiu para o céu.

  3. Duvido e muito que eles conseguirão alguma coisa de concreto e real.
    Volto a afirmar: não descobrirão nada pois não quiseram descobrir antes.
    Houve uma demora da família em tomar uma atitude.

  4. Pelo que deu pra entender, a polícia já tem suspeitos fortes, mas precisa de mais provas. Penso o seguinte : se o suspeito fosse um pé-rapado, não precisaria uma força tarefa desse tamanho, tão dedicada. Mais um sinal de que tem “gente grande” no meio; por isso, o caso precisa estar muito bem montado, se não não consegue nem indiciar, muito menos condenar.

  5. É isso que todos têm que fazer: pararem de querer por a culpa no colégio e se unirem para levar o verdadeiro culpado de tudo isso que foi a pessoa que assassinou a menina.

  6. Sherlock, cai na real. Que conversa de doido é essa. Se tivesse gente grande, a conversa já tinha caído à boca miúda. A verdade é que a política não tem informação nenhuma. Estão querendo um bode expiatório para tirar o peso da cabeça, igual ao caso de Maria Maga.

  7. Sinceramente acho que a policia não tem nada. As provas foram desperdiçadas nos primeiros momentos …
    São tantas perguntas sem resposta. Por que os pais ficaram tanto tempo sem investigar? a irmã que estava na festa não viu nem ouviu nada? as impressões digitais deixadas na faca que ficou cravada no corpo da criança pra onde foi?

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

14 + doze =