Vereadores impõem derrota ao governo, mas Miguel manda recado: “Hora não é de separação”

por Carlos Britto // 01 de outubro de 2021 às 08:59

Ascom CMP/divulgação

Por 11 votos a oito, os vereadores de Petrolina aprovaram na sessão plenária de ontem (30/09), na Casa Plínio Amorim, o Projeto de Lei nº 118/21, de autoria do vereador oposicionista Professor Gilmar Santos (PT), que prevê o fornecimento de cópias de solicitações de consultas e exames para usuários do SUS na rede municipal de saúde. Na prática, segundo o próprio Gilmar, sua proposta tem como um dos principais objetivos evitar práticas de ‘fura-filas’ já denunciados na cidade, assegurando aos usuários uma comprovação de que têm a prioridade de serem atendidos.

O vereador já tinha solicitado à presidência da Mesa Diretora, na sessão plenária da última terça (28), que seu projeto fosse incluído na pauta de votação de ontem, uma vez que o líder do Governo, Ronaldo Silva (DEM), tinha feito um pedido de vistas à matéria, há mais de duas semanas. Gilmar justificou que não havia nada de ilegal no projeto.

Durante a votação, a sessão foi paralisada por mais de 40 minutos para que o secretário de Governo, Orlando Tolentino, se reunisse com a bancada do prefeito Miguel Coelho (MDB) sobre o projeto de Gilmar. A orientação era para que a bancada derrubasse a proposta. Porém, com a sessão retomada, boa parte dos vereadores governistas decidiu ignorar o pedido e votou favorável.

Foram eles: Samara da Visão (PSD), Rodrigo Araújo (Republicanos), Capitão Alencar (Patriota), Gaturiano Cigano (DEM), Elismar Gonçalves (Podemos), Marquinhos do N-4 (Podemos), Josivaldo Barros (PSC), Alex de Jesus (PSC), Osório Siqueira (MDB) e Ruy Wanderley (PSC) – além do autor do projeto.

Wenderson Batista Pé de Galo (DEM) e Marquinhos Amorim (Republicanos) não compareceram à sessão. Já Diogo Hoffmann (PSC) decidiu se abster de votar sob a justificativa dada pelos colegas Cesar Durando (DEM) e Manoel da Acosap (DEM), os quais justificaram que a prefeitura já está trabalhando para modernizar o sistema, por meio de comprovantes eletrônicos.

Pendenga com Magnilde

A ‘rebeldia’ dos governistas veio à tona na sessão de ontem, mas já vinha se desenhando. Não é de hoje que vereadores batem de frente com a secretária de Saúde, Magnilde Albuquerque. Sem falar nos recentes desabafos públicos do Pastor Alex e de Gaturiano contra outros integrantes da equipe do prefeito.

Recado velado

Por sua vez, Miguel já deixou um recado sutil e velado aos aliados insatisfeitos, após a derrota do governo na Casa. Na solenidade de inauguração do primeiro Centro de Referência em Alfabetização do município, na noite de ontem no Perímetro de Irrigação Maria Tereza, o prefeito afirmou “que não é hora de separação, mas de andar juntos”.

Nos bastidores, os comentários são de que Miguel pode vetar o projeto do Professor Gilmar, o que deve deixar alguns da base governista numa grande ‘sinuca de bico’. Caso Miguel não sancione o projeto, o veto retorna à Câmara de Petrolina para ser analisado. As expectativas, caso isso ocorra, se voltam sobre os aliados que respaldaram a proposta de Gilmar, uma vez que, se derrubarem o veto, estarão assinando publicamente uma declaração contra o gestor, que trabalha para construir uma candidatura a governador de Pernambuco nas eleições 2022. Resta saber se os vereadores também entregarão os diversos cargos que mantêm no governo, caso a corda se estique.

Vereadores impõem derrota ao governo, mas Miguel manda recado: “Hora não é de separação”

  1. Pedro Pedreiro disse:

    até que Gilmar fez um coisa em benefico da população destat vez.

  2. Josefa Maria disse:

    Muito vem vereador Gilmar! Tenho exames que tem mais de três até perdidas. E sei de gene que consegue numa rapidez. Vete não Miguel, isso é mais que justo. Acabar com esse fura fila que é grande no município. Quanto a Secretário, essa vive numa redoma, pouca gente a conhece, de tanto que é sumida e sem compromisso com a população tão necessitada de atenção.

  3. Josefa Maria disse:

    Tenho exames que tem mais de três anos sem resposta e consultas com requisições até perdidas de tanto tempo de espera.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *