Material orgânico acumulado em terreno particular é alvo de reclamações no Ipsep II

por Carlos Britto // 30 de julho de 2015 às 19:30

20150720_140558Uma grande quantidade de material orgânico que deveria ser utilizada para fazer o aterramento de um terreno particular no bairro Ipsep II, na zona oeste de Petrolina, tem tirado o sossego da comunidade. Isso porque, segundo moradores, a terra acumulada tem causado grandes transtornos às donas de casa, além de servir de esconderijo para bandidos.

A comunitária Geovana Batista diz que a terra está no local há vários dias, na Rua Cruz de Malta, e que os moradores estão incomodados pelo clima de insegurança.  “A gente fica com medo porque a violência aqui no bairro já é grande, e agora com aquela terra ali dá até para algum bandido se esconder, porque a gente não vê nada”, afirmou.

Já a dona de casa Lucélia Santos pede providências às autoridades e diz que a situação tem causado grandes transtornos aos moradores. “Estamos precisando de ajuda porque este terreno particular está com muito entulho, que acaba tirando a visão total do lugar. A gente arruma a casa e nada fica limpo. Estamos sendo muito prejudicados porque este monte de terra já está quase da altura de um muro”, reclamou a moradora.

Sobre a denúncia das moradoras, a assessoria de comunicação da Secretaria de Ordem Pública de Petrolina informou que fará uma fiscalização no local e posteriormente notificará o proprietário do terreno para que sejam tomadas as devidas providências.

Material orgânico acumulado em terreno particular é alvo de reclamações no Ipsep II

  1. Demente disse:

    No centro da cidade encontram-se calçadas impedidas por meteria de limpeza e de codtrução que de tão velhos o mato vegeta em bom tamanho. Não cabe na cabeça de inteligência mínima, como a minha, que nenhum fiscal da Prefeitura ainda não tenha notificado, e se sim, porque na ainda não se procedeu a retirada. Vejam aquela rua Crispim de Amorim Coelho e suas adijacentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *