Forte crise afeta rede de urgência e emergência de Juazeiro, destaca jornal

2
UPA de Juazeiro-BA. (Foto: Shirley Stolze / Ag. A TARDE)

A reportagem do jornal A Tarde, de Salvador, veio a Juazeiro (BA), na semana passada para fazer matérias sobre os serviços de saúde oferecidos pelo município. Através do projeto ‘Olhar Cidadão’, o jornalista Roberto Aguiar assina os textos registrando que o município passa por uma forte crise em sua rede de urgência e emergência, traduzida no atendimento falho em duas principais unidades – a única UPA 24 horas e o Hospital Materno Infantil, de gestão municipal e referência na região.

Em junho, o Ministério Público do Estado da Bahia (MPBA), por meio de uma ação civil, solicitou uma liminar que determinasse imediata reforma, adaptação e aquisição de equipamentos à maternidade. Esta situação é também acompanhada por falhas no atendimento das unidades básicas de saúde, diz a reportagem.

Desde o último dia 9, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) adotou uma política de redimensionamento e qualificação dos serviços de urgência e emergência. A urgência pediátrica do Hospital Materno-Infantil foi deslocada para UPA. Já os serviços de urgência ortopédica básica e de média complexidade, antes realizados na UPA, passaram a ser prestados pelo Hospital SOTE, através de serviços contratados pela prefeitura.

A secretária de Saúde, Fabíola Ribeiro, avalia que as mudanças estão proporcionando melhor atendimento à população. Mas o que a reportagem encontrou foi muita reclamação dos usuários.

Agora está uma mistura de crianças e adultos. Na urgência do Materno Infantil tinha berço para as crianças. Aqui não tem nada disso. Nossos filhos deveriam seguir sendo atendidos lá”, disse a vendedora Regina Souza, 36 anos, que levou o filho Ricardo, 6 anos, à emergência pediátrica.

Outra reclamação é que os acompanhantes, exceto de crianças e idosos, não entram na UPA. Foi erguido um toldo provisório em frente à unidade. “Somos proibidos de entrar, não sabemos como os pacientes estão lá dentro. Ficamos aqui fora apreensivos, sem cadeiras suficientes para sentar, sem água e sem banheiro. Isso é desumano”, afirmou o motorista Carlos Nascimento, 54 anos.

Direcionamento de pacientes

A Sesau diz entender algumas reclamações dos usuários, mas ressalta que as ações de redimensionamento e qualificação dos serviços tem contribuído para um melhor atendimento, pois permite direcionar os pacientes de forma qualificada e também classificar o perfil dos usuários.

Muitos dos usuários que buscam atendimento na UPA poderiam ser atendidos nas unidades básicas de saúde. Dos 3.617 atendimentos que realizamos este mês na UPA, 2.353 foram classificados na cor verde, ou seja, baixa complexidade. Amarelo e vermelho, considerados como de maior urgência, foram 603 e 31, respectivamente. Isso nos mostra que é importante a qualificação dessa porta de entrada para que o usuário esteja vindo à UPA quando de fato se encaixar no perfil do atendimento da unidade”, destacou a titular da secretária de saúde.

Retaguarda

Fabíola Ribeiro informou que os usuários que não se enquadram no perfil de atendimento na UPA são encaminhados ao Programa Posso Ajudar. “É uma equipe de profissionais que fica na retaguarda para fazer uma contra referência qualificada. Encaminha os pacientes de perfis de atenção básica aos postos de saúde dos bairros”, explicou.

De acordo com a secretária, a reclassificação ajuda a atenção básica assumir o papel de porta de entrada do sistema de saúde. “A UPA não é a entrada do sistema básico de saúde, mas sim a atenção básica, que é estruturada para resolver entre 70% a 80% dos problemas da população”, enfatizou.

Quanto às reclamações do impedimento do acesso dos acompanhantes à UPA, a secretária pontuou que está seguindo a lei. Apenas crianças e idosos têm direito a acompanhantes. E que não há espaço na unidade para que todos os acompanhantes possam entrar. Uma área de acolhimento está sendo planejada para ser construída na entrada.

Atenção básica

Apesar de ser reivindicada por Fabíola Ribeiro como a porta de entrada do sistema público de saúde, a população também reclama do serviço de atenção básica, ofertado em 56 unidades, localizadas nas zonas urbana e rural, executado por 63 equipes de Saúde da Família.

Moradores denunciaram falta de atendimento, de vacinas e de materiais básicos para o trabalho dos profissionais na Unidade Básica de Saúde dos Residenciais Juazeiro I, II, e III. A falta de médico e atendimento regular foi a queixa da população do bairro Alto da Aliança.

A secretária Fabíola Ribeiro frisou que a cobertura da atenção básica atinge 93% do município e a gestão trabalha para que “as unidades básicas de saúde façam o atendimento adequado”,  e que o seu papel como gestora “é fortalecer a atenção básica”.

2 COMENTÁRIOS

  1. Essa secretaria despistou de vez, só tá bom na cabeça dela. Donde se viu misturar crianças com adulto. Esta semana tava um inferno. Chegaram presos algemados e bebados passando no meio das crianças, sem o mínimo de dignidade.
    Capacitação todos podem fazer, mas capacidade são pra poucos.
    A cidade tá um horror, sujas, esgotos, desordem. E a saúde que já não funcionava só piorou.
    SENHOR PREFEITO, SE LASCOU COM ESSES SECRETÁRIOS SEUS…

  2. Se o prefeito reduzisse os cabides de empregos, já dava para amenizar bastante e investir na saúde o tanto que se gasta com emprego cabide para atender vereadores e apadrinhados. preocupação com saúde é pura enganação. Estão pouco se lixando.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome