Estudantes da região farão ‘apitaço’ contra novo Enem

por Carlos Britto // 06 de maio de 2009 às 19:55

A substituição do antigo vestibular pelo novo Enem como critério para se ingressar nas universidades brasileiras vai marcar uma grande manifestação de estudantes das redes pública e particular de ensino de Petrolina nesta quinta-feira (07).

O movimento acontecerá em forma de um ‘apitaço’, na Concha Acústica, a partir das 15 horas.

De acordo com um dos líderes estudantis do movimento, Samuel Soares, a idéia é chamar a sociedade da região para debater com mais profundidade sobre o novo modelo, o que até agora não aconteceu.

Ele tece críticas ao reitor da Univasf, José Weber Macedo, que decidiu implantar o novo Enem a partir do vestibular de outubro deste ano. “Nenhuma das grandes universidades do país ainda aderiu ao novo Enem. Elas têm autonomia para isso, e a Univasf aderiu em tempo integral. É preciso que haja uma reciprocidade”, afirma Soares.

 Segundo o estudante, quem estuda na região vai ficar prejudicado com o novo modelo porque terá de sair para prestar o exame no local da universidade que escolher, ao contrário daqueles que moram nos grandes centros urbanos.

“Um aluno que mora no Rio ou em São Paulo vai poder optar pela Univasf em sua cidade, sem precisar se deslocar até aqui. Mas quem é daqui tem de prestar o exame no Rio ou São Paulo”.

Na avaliação do líder estudantil, as mudanças propostas pelo Ministério da Educação requerem um tempo para que sejam adaptadas. “Nós, alunos, e os professores precisamos de um tempo para nos adequarmos a essa nova realidade”.

 

Estudantes da região farão ‘apitaço’ contra novo Enem

  1. Andreia disse:

    Por que um aluno que mora no Rio ou em São Paulo vai poder optar pela Univasf em sua cidade, sem precisar se deslocar até aqui e quem é daqui tem de prestar o exame no Rio ou São Paulo?

    É cada uma viu…

    Mas q tem muita gente lamentando pq vinha se preparando na decoreba e gastando dinheiro, ah isso tem… Que o diga os donos de cursinhos, q vinham fazendo disso praticamente um comercio aqui na regiao.
    E ainda mais agora, q 50% das vagas serao pra oriundos de escola publica. Vai ser disputa feia entre os ricos…
    E vao ter q apitar muito, viu!
    É o fim da Covest. Tomara q as taxas de inscriçao tbm sejam eliminadas, pelo menos pra quem nao pode pagar.

  2. Gilmar Jr. disse:

    BRITTO,
    Com a grande mudança para o vestibular UNIVASF/10, a substituição do antigo vestibular pelo novo Enem como critério para se ingressar nas universidades brasileiras, todos os estudantes da regiao seram prejudicados, ouvindo a entrevista do reitor na TV reitor da Univasf, José Weber Macedo, foram criadas 50% de cotas para escolas públicas de todo o país. Não seria a hora de cria um percentual de cotas regionais como já foi proposto através de movimento entre professores, estudantes e autoridades. Seria benefico para formação na região, ja que a demanda não é suficiente, evitando assim que se busque profissionais de outros estados.

    Britto,
    o que você acha de uma entrevista com o reitor?

    Obrigado!

  3. Rafael Souza disse:

    Eu apoio o movimento.
    E faze das palavras de Samuel Soares minha.

  4. Opara disse:

    Minha cara Andréia… é que as outras federais ainda não aderiram ao ENEM. Só isso. Então quem tem interesse de ingressar em uma universidade que não aderiu ao ENEM terá que prestar vestibular, na cidade em que é sediada a Instituição.
    Quanto ao protesto…. demorou… o leite já foi derramado, pelo menos para esse ano. Há muito tempo vem se falando no novo modelo, e só agora os protestos. Eu também sou contra, pois vai ficar muito mais dificil par aum cidadão de uma região menos desenvolvida. Basta ver as notas do Enem 2008.
    Cota regional!! a Constituição proíbe, mas como existe cota social, racial…. nada é impossível para a cabeça de um juiz.

  5. Jonhdeible Oliveira disse:

    Companheiros…
    este novo modelo irá beneficiar sim todos os estudantes.
    está é uma forma de nivelar o conhecimento, pois como todos sabem
    as provas do ENEM são mais proveitosas pois valorizam a interpretação e não a decoreba incentivada pelas escolas e cursinhos.

    Criar cotas regionais é uma aberração… a universidade é Federal e um bem publico, portanto tem de servir a todo o PAÍS!

    Quanto as cotas sociais… já estavam na hora de acontecer, pois ninguem nunca se manifestou quando os estudantes pobres, negros, indigenas das escolas publicas ficam de fora por não terem um ensino de qualidade.

    já sei que vão falar que tem de se invertir em educação!!!!!
    isso está sendo feito pelo Presidente LULA, porem não será do dia para noite que teremos resultado. isso é um investimento de longo prazo, portanto as cotas se fazem necessarias no momento.

    Jonhdeible Oliveira
    Sec. da Juventude do PT- Petrolina

  6. Pedra Linda disse:

    Lembrando aos “rebeldes sem causa” que as universidades não são obrigadas a permanecer neste tipo de vestibular, quando entender que está prejudicando a região podem voltar a sistema antigo.

  7. Aluno Petrolinense disse:

    Com certeza amiga Pedra Linda, nós estudantes estavamos acostumados com o estilo de provas elaboradas pela covest, e não pelo Inep (Novo Enem), que não tem nada haver com o que era estudado. E nossos gastos até agora?? Esse ano todo mundo vai tentar se adaptar ao novo estilo, mas ano que vem? se voltar tudo como era antes? Quando termina esse vai e vem? Será um ano “perdido”? Até quando os estudantes do vale do são francisco serão prejudicados? O reitor tem que aprender a ser homem e manter a sua palavra, adere de vez, ou não adere, o que não pode acontecer é o reitor pensar que nós somos palhaços!

    E o Srº Jonhdeible Oliveira, acho melhor se informar mais um pouco, pois, o próprio estado natal do reitor da Univasf adere sistema de cotas regionais, e outra, não se trata de aberração nenhuma, quando foi fundada a Univasf, seu intuito era ajudar os alunos do vale do são francisco e não alunos de outras regiões, como é a expectativa!

  8. Feeling disse:

    Esse negócio de mudança não dá certo e ainda mais em cima da hora… lá no Sagres estamos nos desdobrando em relação ao material e a didatica… falta de respeito, as mudanças repentinas são traumáticas!

  9. Pedra Linda disse:

    Meu caro aluno Petrolinense, quero esclarecer que a Univasf não é sócio de nenhum cursinho, para fazer os seus desejos. Os alunos que fazem cursinho são uma minoria. Quanto a mudança de método da covest para o ENEM, os “estudantes” e não os “decorebas” só tem a ganhar.

  10. Aluno Petrolinense disse:

    Amiga Pedra Linda,não é questão de fazer vontade de cursinho não, você acha que os 50% de cotas para colégio público na Univasf vai beneficiar os alunos daqui????Pelo contrário, os alunos de escolas públicas do Sul,Sudeste e da própria capital tem mais conhecimento e um melhor aprendizado; poderão optar p/ nossa federal, e outra, já que não é decoreba, só por curiosidade, tente resolver uma prova da UNICAMP, segundo o ministro vai ser o mesmo estilo, e depois responda se é decoreba ou não! Se fosse para beneficiar a região teriam as cotas regionais!

  11. Jonhdeible Oliveira disse:

    Aluno Petrolinense, saia do anonimato.

    A Universidade é para todos e não para uma minoria que estuda nos melhores colegios, que possuem as melhores casas e o melhores carros…

    50% de vagas para os estudantes de escola publica reverte uma logica excludente e mercadologica que hoje é o vestibular em especial a EDUCAÇÃO.

    Em medicina segundo o Reitor Weber apenas um estudante é da escola publica.

    Vc é contra esse reparo historico, más acredito uqe você mesmo fez coro ano passado pelas cotas regionais. sabe por que ????

    Você queria disputar só com os estudantes da região em especial os das escolas publicas do interior, que devido a situação em que vive não podem se dedicar exclusivamente aos estudos.

    Agora nós veremos de fato quem são os bons!!!

    É particilar contra particular e publico contra publico, vamos ver esses colegios e cursimhos se gabarem pq aprovaram 400, 600 alunos nos vestibulares enquanto nós da escola publica só podiamos ficar lamentando e esperando talvez, um dia quem sabe, entrar na universidade.

  12. Feeling disse:

    Sou contra qualquer tipo de cotas sejam regionais ou sociais, sei que tenho capacidade para conseguir uma boa pontuação e passar no vestibular. Quanto ao tipo de prova; eu gostei até porque odeio aquelas benditas fórmulas de Física e Química, acho que decorar algo passageiro não prova a capacidade de ninguém… outro ponto positivo é mobilidade territorial, da mesma forma que alunos do Sul e Sudeste podem vir para cá -Juazeiro/Petrolina – eu posso muito bem me deslocar também… há muitas vantagens, o problema é que tudo foi muito em cima da hora acarretando na correria dos cursinhos… estamos tentando mudar tudo contra o tempo!

  13. Vivi disse:

    É preciso deixar claro que o movimento Apitaço em momento algum foi combatendo as cotas sociais. Até mesmo porque, todos que estão organizando o movimento – o qual os líderes são, exclusivamente, alunos – têm consciência de que essas cotas são fundamentais diante da defasagem do ensino público e da rede privada. Em momento algum, também, defendeu-se que o sistema de vestibular é uma forma justa de ingresso à faculdade. Todos nós sabemos que não é. A questão é a forma como a Univasf aderiu ao Enem: o aluno de qualquer lugar do país poderá fazer a prova na sua cidade, receber sua nota, e depois escolher a instituição. Dessa forma ficará mais fácil para o aluno de outras regiões ingressar, pois a concorrência será a nível nacional.
    Realmente, a universidade é federal, é para todo o país, mas não podemos esquecer que ela foi criada com o intuito de beneficiar o Vale do São Francisco. Isso, inclusive, está bem claro no site da Univasf.
    Andréria, obviamente, o aluno daqui também fará a prova aqui, mas concorrerá com alunos de todo país, visto que a maioria das grandes faculdade do país não aderiu ao Enem esse ano. Como o próprio ministro da educação disse, é preciso haver adaptação!
    Pedra Linda, talvez use o termo “rebeldes sem causa” porque não é e/ou não tem nenhum filho para ser cobaia desse novo modelo. Realmente, eu espero que as universidades mudem seu estilo de seleção, pois o existente até agora foi muito injusto. Mas eu espero, também, que haja discussão sobre a educação de base no país, pois, independente de qual seja o estilo da prova, terá melhor nota quem souber mais. Também espero que seja dada à todos a oportunidade de concorrer com igualdade, visto que isso não está ocorrendo ainda.
    Feeling, apóio as suas colocações!

  14. Tamy disse:

    Vivi, assino embaixo. Não se trata de rebeldia “sem causa”. Motivos nós temos de sobra pra reivindicar, tanto os que estudam na rede particular como na pública.
    Mas também é importante fazer isso com responsabilidde e seriedade, sabendo onde está pisando. Os “excluídos” de escolas públicas, mesmo depois de já ter sido aprovado o sistema de cotas para escolas públicas, também fizeram seus protestos nas ruas da cidade, mas com certa diferença: reclamavam por algo que já foi dado a eles. E fizeram isso de maneira errônea, pois se comportavam como se estivessem dando uma resposta ao nosso movimento, o Apitaço, e o que é pior ainda, como se estivessem em uma micareta com direito a bebida alcoolica e tudo o mais. Falo isso porque estava em casa e vi quando eles passaram.
    Então é muito bom que o sr. Jonhdeible Oliveira, como secretário da juventude, procure se informar dos fatos e abrir sua visão de mundo para o que realmente está acontecendo. A questão é a maneira como essa nova prova foi imposta a nós. IMPOSTA, sem nenhum tipo de discussão com a sociedade. A Universidade, assim como qualquer órgão público tem o dever de prestar satisfação à comunidade.

  15. Carla disse:

    Concordo plenamente com os argumentos de Vivi.
    Sem falar que é inconstitucional aplicar uma prova no começo de outubro sendo que os colégios não terminaram os assuntos.A esperança que se tinha era que assuntos pudessem ser cortados no Edital que saiu ontem, mas nada disso aconteceu.Os assuntos de Biologia e Química aumentaram.Em física só não vi Física Moderna.
    Fala sério, isso tá jogado demais, uma segunda fase seria o MÍNIMO que o reitor teria que fazer.

  16. Bruno disse:

    “Os alunos só podem ser prejudicados caso a universidade adote o Enem como fase única”,
    O ministro da Educação, Fernando Haddad.

    MAIS UMA VEZ, O REITOR ESTÁ COMPLETAMENTE EQUIVOCADO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *