Estações elevatórias de esgoto em Petrolina viram alvo de vândalos

0

medidor energia 5Uma prática criminosa vem causando sérios prejuízos ao esgotamento sanitário de Petrolina. Os vândalos e ladrões – que muitas vezes são as duas coisas ao mesmo tempo – já atuaram em 13 das 30 Estações Elevatórias de Esgoto (EEE) existentes na cidade, de abril até agora. Paredes arrebentadas, fios e cabos expostos e equipamentos depredados são os sinais mais evidentes dos marginais.

O sistema tem como objetivo recolher o esgoto produzido nas comunidades e encaminhá-lo para a Estação de Tratamento, o que mostra como o fato pode trazer grandes transtornos à cidade.

Os alvos mais recentes dos vândalos são as unidades dos bairros Pedra Linda, Porto Fluvial e Cohab Massangano, entre os dias 5 e 15 deste mês. As EEE’s da Cohab e do Porto Fluvial, que já tinham passado pelo mesmo problema no dia 16 de junho, tiveram mais uma vez suas estruturas depredadas e os cabos elétricos roubados.

As estações elevatórias do Jardim Amazonas e Nova Vida 1, também foram atingidas, assim como a unidade do Distrito Industrial, de onde foi levado um medidor de energia que alimenta o conversor de vazão. No bairro Vila Eulália, foram registradas três ocorrências – nos dias 4, 7 de junho e 1º de julho. Do local, que ficou depredado, foram furtados cabos e medidor de energia.

No dia 19 de junho, foi a vez da estação elevatória do bairro Rio Corrente ser roubada. A ação se repetiu no local no dia 2 de julho, de onde foram levados cabos de alimentação dos circuitos de tomadas e iluminação e os cabos de descida dos para-raios. As elevatórias do bairro São Gonçalo e João de Deus também foram furtadas entre os dias 8 de junho e 1º de julho, prejudicando o funcionamento do sistema. Mais três ocorrências foram registradas nos dias 3 e 10 de julho, quando os vândalos invadiram, por duas vezes, a estação do Cosme Damião, além da unidade da Cohab VI e arrancaram as boias do poço de sucção, cabos, tampas da caixa de passagem e levaram todos os cabos de iluminação dos postes.

quadro medicao celpeInvestimentos

Tamanha destruição tem afetado diretamente o sistema de esgoto dos bairros, que necessitam das elevatórias para lançar os resíduos coletados para a estação de tratamento.  “Este tipo de ocorrência acarreta prejuízos para todos, pois estamos tratando com um sistema essencial, de saúde pública”, informou o gerente regional, João Raphael de Queiroz, ressaltando que os casos estão sendo investigados pela polícia.

Diante de atitudes suspeitas, a Compesa orienta a população que denuncie e chame a polícia. Segundo o gerente, é possível que o descarte destes materiais seja em ferros velhos, onde os cabos são derretidos e o cobre vendido no peso. Além do prejuízo para a população, que sofre com o refluxo para dentro das casas, a Companhia estima um prejuízo de mais de R$ 100 mil com os custos da manutenção, mão de obra e reposição de material.

Para impedir novas ações de vandalismo a Compesa vai investir ainda cerca de R$ 430 mil em obras e equipamentos de segurança nas unidades. Entre as intervenções estão o aumento/recuperação dos muros das EEEs, implantação de concertinas (cerca em forma de espiral) no topo dos muros e implantação de câmeras. “Também iniciaremos um processo de contratação de monitoramento através de segurança eletrônica nas unidades para ampliar este reforço”, revelou João Raphael. (fontes/fotos: Ascom Compesa)

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome