Empreendedores de Petrolina usam criatividade para incrementar vendas no São João do ‘novo normal’

0
Foto: Sindilojas/divulgação

Um dos períodos mais festejados e aguardados pelo nordestino, apesar da pandemia do novo coronavírus (Covid 19), não deve passar em branco. Pelo menos não no que depender da criatividade e do esforço dos empreendedores de Petrolina. Será um São João diferente, no ‘novo normal’, mas isso não significa que a tradição não seja mantida.

É o que aposta o empresário Sebastião Costa. Nesta época do ano, seu estabelecimento comercializa bandeirolas, decorações com a temática junina, chapéus matutos , enfeites de cabeça, arranjos diversos. Apesar do momento atual, de cuidados para evitar a disseminação da Covid 19, as vendas tem sido positivas. “As pessoas não estão deixando de comprar . Elas estão se adaptando ao novo normal. A festa junina será mais reservada, em família, mas a tradição se mantém. E o consumidor quer se enfeitar, quer entrar no clima, quer decorar a casa“, pontua o lojista.

Com expectativas promissoras para a data, outra empresária, Marileide Nascimento, acredita na adaptação e reinvenção nas comemorações juninas. Para o período, ela está disponibilizando  o ‘Arraiá na Caixa’, com várias guloseimas típicas da época, em caixas personalizadas. “O momento pede inovação , não é? Creio que ninguém tenha passado anteriormente por um desafio como esse. Resolvi apostar nesta produção nas caixas, porque em outras datas comemorativas a saída foi muito boa”, destaca.

A empreendedora personaliza as caixas e disponibiliza aos clientes, de início, quatro opções já pré-montadas. “O cliente pode sugerir algum produto, aumentar a quantidade de acordo com o número de pessoas. Tudo isso a gente vai ajustando. O que importa mesmo é celebrarmos, em casa junto aos nossos, evitando aglomerações , mas mantendo as tradições”, pontua. O ‘Arraiá na Caixa’ custa a partir de R$ 100 e a entrega é feira por delivery, respeitando todas as normas de higienização previstas pelas autoridades sanitárias.

Memória afetiva

Entre os meses de maio a julho, a radialista Cimarh Athaíde investe na produção de licores que, segundo ela, são resultados de sua memória afetiva. Quando pequena, via a avó Josepha produzindo e isso ficou gravado em sua memória. Há dez anos, Cimarh resolveu colocar em prática o que aprendeu com as receitas de família, e o resultado não poderia ser melhor. “O maior segredo deste licor é que ele é feito com muito amor, cheio de boas lembranças. Quando comecei, fazia só uns dois tipos. Hoje já são vinte sabores disponíveis para os clientes. As vendas são muito boas, e posso afirmar que estou vendendo mais esse ano do que nos anteriores“, comemora. Os licores são comercializados por R$ 30 (a unidade) e, neste período, a empreendedora chega a vender até 150 unidades.

Foto: Sindilojas/divulgação

Para o presidente do Sindilojas, Joaquim de Castro, o ‘novo normal’ pede adaptações e um olhar diferenciado por parte de todos. “Tem sido um ano atípico, mas nós temos duas opções: ou paramos e nos lamentamos ou vamos encarar os desafios e aprendermos uma nova forma de nos relacionarmos em família, no trabalho, socialmente. Eu acredito que o empresariado de Petrolina está no segundo grupo, se reinventando, vendo maneiras de chegar ao seu público. Sabemos que neste período junino, assim como as outras datas que aconteceram já durante a pandemia, teremos resultados abaixo do esperado. Mas isso não significa que não devamos comemorar cada passo que estamos avançando dentro deste novo normal“. As informações são da assessoria do Sindilojas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome