Em nota, Sintepe repudia retorno das aulas presenciais do Ensino Médio em Pernambuco

4
Foto: Alair Ribeiro/MidiaNews

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) publicou uma nota de repúdio ao anúncio do governo estadual para que as aulas presenciais do Ensino Médio  e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) sejam retomadas em outubro. De acordo com o Sindicato, “a posição unilateral do governo do Estado é, além de contraditória, desrespeitosa. O anúncio feito vai de encontro e atropela documentos do próprio governo”, e que os profissionais não foram consultados. “As comissões (Central, Setoriais e Regionais) deveriam discutir os encaminhamentos e as condições de retorno de servidores para atividades presenciais, o que não aconteceu”.

Outro ponto levantado é com relação à falta de estrutura física das escolas, “que deixam muito a desejar diante das condições necessárias ao retorno seguro para estudantes e profissionais”.  

Por conta da situação, o Sintepe solicitou uma reunião com o secretário estadual de Educação e está convocando a categoria para uma assembleia virtual nesta quinta-feira (24), às 14h30. “É importante retomar e respeitar o diálogo. Não ficaremos parados diante dessa ameaça à vida”, finaliza a nota.

Confira a nota na íntegra:

O Sintepe repudia o pronunciamento do Secretário de Educação do Estado de Pernambuco, no qual anunciou o retorno dos estudantes do Ensino Médio e da Educação de Jovens e Adultos às atividades presenciais no próximo mês de outubro.

A posição unilateral do Governo do Estado é, além de contraditória, desrespeitosa. O anúncio feito vai de encontro e atropela documentos do próprio Governo. A Portaria 1340 de 29.7.2020 (publicada no Diário Oficial do Estado) instituiu comissões paritárias entre o governo e os servidores, incluindo os da Educação, que não foram consideradas. As comissões (Central, Setoriais e Regionais) deveriam discutir os encaminhamentos e as condições de retorno de servidores para atividades presenciais, o que não aconteceu. Nesta condição, seriam também contemplados os servidores das gerências regionais de educação e o prédio sede da Secretaria.

A Secretaria de Educação ignorou o canal de negociação que vinha sendo mantido entre a representação da categoria e a própria Secretaria, um importante instrumento de diálogo, apesar das divergências e discordâncias postas na Mesa de Negociação. Outro fato a ser considerado são as estruturas físicas das escolas, que deixam muito a desejar diante das condições necessárias ao retorno seguro para estudantes e profissionais.

A categoria, que já conhece a realidade da maioria das escolas públicas estaduais e as condições de trabalho, está receosa do que vai encontrar no retorno aos locais de trabalho, ou melhor, o que não vai encontrar em termos de segurança.

O Sindicato considera que a posição do governo está equivocada e cobra respeito a professores/as, funcionários/as, analistas educacionais, contratados/as temporariamente, terceirizados/as e aos estudantes.

O Sintepe já solicitou, em caráter de urgência, reunião com o Secretário de Educação e está convocando a categoria para uma Assembleia Virtual na próxima quinta-feira (24/9), às 14h30. É importante retomar e respeitar o diálogo. Não ficaremos parados diante dessa ameaça à vida.

 A direção do Sintepe

4 COMENTÁRIOS

  1. Queria saber se o pessoal que trabalha no sindicato e os professores que querem que continuem assim, estão frequentando supermercados, bancos e outros locias que tem um certo movimento?

    Salario caindo na conta todo mês certinho, a ultima preocupação deles vai ser com a volta as aulas.

  2. kkk. Tudo que eles menos querem é trabalhar. Estão amando receber sem fazer nada. Não adianta vir com agressões. Conheço vários nesse patamar. Fale de volta às aulas que enlouquecem. Êta Brasil véi sem porteira!

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome