Eleição da Mesa Diretora da Casa Plínio Amorim descamba para farpas pesadas entre Gilmar e governistas Cancão e Osinaldo

3

A polêmica em torno da eleição da Mesa Diretora da Casa Plínio Amorim para o biênio 2019/20 rendeu uma dura troca de farpas, na sessão plenária de ontem (21), entre o vereador oposicionista Professor Gilmar Santos (PT) e os governistas Ronaldo Cancão (PTB) e Osinaldo Souza (PTB).

A gota d’água foi um documento assinado na quarta-feira (20) por cinco vereadores da Casa, os quais solicitaram o adiamento da eleição da mesa para janeiro de 2018. Mais uma vez candidato ao cargo, Osório havia lançado o edital de convocação do pleito no mesmo dia, determinando a eleição para a próxima terça-feira (26).

O detalhe é que no mesmo documento dos vereadores havia a assinatura do líder do PSC na Casa, Rodrigo Araújo. No entanto o nome de Rodrigo foi assinado pelo vice-líder, Ruy Wanderley, que se aborreceu com as insinuações de uma suposta falsidade ideológica. “Isso não condiz com a minha postura. Assinei em nome de Rodrigo porque sou o vice-líder do partido”, declarou.

Mas o vereador Gilmar não deixou barato o processo eleitoral da Casa. Segundo ele, o edital de convocação “cheira a mutreta, engodo e embuste”. O petista afirmou ainda faltar transparência à Casa e, embora reconhecendo a legalidade do pleito, sentenciou: “nem tudo que é legal é moral, e essa atitude é imoral. Tenham respeito junto ao povo de Petrolina”, alfinetou. Osório também se pronunciou em relação às críticas não só de Gilmar, como dos demais que pediram o adiamento da eleição. Calmo, ele afirmou que, por lei, teria a prerrogativa de convocar o edital até o ano que vem. Além disso, sobre o fato de disputar o cargo novamente, o presidente deixou claro: “O projeto de lei foi aprovado este ano por 20 dos 23 vereadores”.

Contra-ataque

Os comentários de Gilmar provocaram a ira dos governistas Ronaldo Cancão e Osinaldo, que devolveram as críticas no mesmo tom. Cancão, inclusive, insurgiu-se contra o petista ainda no plenário, afirmando que Gilmar “não era o paladino” da moralidade. O governista ressaltou que enquadrará o colega de legislativo no Código de Ética da Casa. Afirmando que, ao longo de três mandatos, ele não teve até hoje nenhuma conduta condenável, Cancão lamentou o fato de Gilmar incluir todos os vereadores em suas críticas. “Se fala sem analisar, sem pensar, jogando a metralhadora em todos, como se todos fossem corruptos”, alfinetou.

Osinaldo também manteve a mesma linha contra o colega. Ele explicou que ao justificar seu apoio a Osório, foi mal compreendido pro Gilmar, sendo tachado de “vagabundo” pelo vereador. E devolveu dizendo que o petista “fica de molecagem”.

Osinaldo voltou a trazer uma recente polêmica referente a um evento artístico em São Paulo para cutucar o petista. “A pessoa que diz que é normal uma criança alisar homem pelado, ou um homem nu urinar sobre uma mulher pelada? vagabundagem, mau caratismo pra mim é isso”, disparou. Ele disse ainda que não deixará sem resposta, a partir de agora, qualquer crítica mais contundente de Gilmar à Casa.

3 COMENTÁRIOS

  1. Não sei como uma pessoa faz uma eleição,pra tomar posse um ano depois,ele é um Deus pra saber se vai estar vivo ou se vai pegar uma doença maligna e ficar prostrado em uma cama,garanto com esta briga do senhor paladino da moral Ronaldo Canção e o Osinaldo devem fazer parte desta nova mesa,eles só brigam quando tem algo de bom pra eles.

  2. Essa Câmara é um verdadeiro clube de comadres de ponta de rua que quando se encontram é só para ficar brigando por nada.
    Já passou da hora de passar o cadeado na porta dessa Câmara, pois para continuar com essa baixaria não é importante para Petrolina, ou será que Petrolina gosta disso?

  3. Entendo que uma cidade como Petrolina e o seu povo não merecia ser representada por estes Edis, que mostra não ter nenhum preparo para representá-los. Muito lamentável ouvir nas rádios os brados dessas figuras sem nenhum pudor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

cinco + oito =