Diploma de jornalista. Para que?

por Carlos Britto // 19 de junho de 2009 às 06:26

Quarta-feira,17 de junho de 2009. Esta data vai entrar para a história do jornalismo brasileiro como o dia em que o Supremo Tribunal Federal sepultou de vez a ética que movia nossa profissão. A depender dos comentários da maioria dos leitores no Blog, creio que este seja mesmo o sentimento compartilhado pelos profissionais de comunicação sérios diante deste fato melancólico.

Ao derrubar a obrigatoriade do diploma, o senhor Gilmar Mendes, presidente do STF, e seus paladinos da verdade absoluta menosprezaram um requisito imprescindível a qualquer área: a qualificação profissional. Se para clinicar ou advogar é preciso ter diploma, por que para ser jornalista não?

Tudo bem que a lei que regulamenta a profissão remete-se à epoca do regime militar (decreto-lei nº 972/69). Porém isso não pode se confundir com a Lei de Imprensa, conhecida como a Lei da Mordaça,que restringia violentamente a atividade de jornalista, também datada dessa época.

Qualificar significa aliar teoria e prática. Não tem nada a ver com liberdade de expressão – esta sim, violentada pela Lei da Mordaça durante muito tempo na nossa história. Mas o déspota Gilmar Mendes não entendeu assim. A formação específica em cursos de jornalismo não é meio idôneo para evitar eventuais riscos à coletividade ou danos a terceiros, argumentou ele para derrubar a obrigatoriade do diploma de jornalista.

Só que riscos, mesmo, quem impõe ao país são esses paladinos, quando acatam habeas corpus de colarinhos brancos descarados e inescrupulosos como o banqueiro Daniel Dantas. Apenas para ficar nesse exemplo.

Vez por outra alguém sugere que seria melhor fechar o Congresso, diante do lamaçal de denúncias as quais já nos habituamos a ver nos noticiários quase diariamente. Mas eu acho que não.

Bem ou mal, o Congresso Brasileiro tem importantes serviços prestados à nação. Ao contrário do STF. Este,sim, deveria sofrer algum tipo de intervenção, deixar de ter luz própria e passar a ser controlado pelo Estado. Nenhum cidadão brasileiro suporta mais os (des)serviços desse órgão de justiça,que atua com dois pesos e duas medidas e envergonha a nação.   

Certa feita, por ocasião da visita do general francês Charles de Gaulle, foi-lhe atribuída a célebre frase de que teria dito sobre o Brasil: “Este não é um país sério”. A afirmação nunca foi comprovada de ter sido de fato proferida por de Gaulle. Mas assumo esta frase no lugar dele: “Este, realmente, não é um país sério”. Estamos todos de luto.   

Por Antonio Carlos Miranda          

Diploma de jornalista. Para que?

  1. Elena Alencar disse:

    Parabenizo o editorial desse blog pela coragem de assumir essa critica contudente ao todo poderoso STFederal que numa atitude de desmedita incensatez, derrubou por terra a imprescindivel profissão de jornalista igualando-a a de qualquer charlatão de terceira categoria que é com o que mais se conta hoje em dia . Pra que passar 4 anos cursando uma faculdade de jornalismo ? essa atitude do STF merece todo o despreszo da sociedade brasileira ,

  2. Vitorio Rodrgues disse:

    Prezado Antonio Carlos

    Parabens pelo seu comentério.

  3. Paula Theotonio disse:

    Acabei de terminar meu curso de jornalismo. Valeu pela troca de experiências, pelo acesso ao conhecimento e pelos contatos. A vivência acadêmica é insubstituível. Porém conheci vários jovens com menos de 18 anos que já atuavam como jornalistas antes mesmo de entrar na faculdade. Estagiários talentosíssimos que quando não encantavam, amedrontavam seus chefes. Feeling jornalístico não se aprende na faculdade, mas é nesses quatro anos de estudo que surgue a oportunidade de desenvolver a malícia necessária à profissão e ter quem te guie, caso você erre.

    Creio que agora que não há exigência do diploma, pessoas com talento nato pra coisa terão a chance de entrar no mercado mais cedo. Ou melhor: poderão entrar na área já como especialistas em outros temas, como economia, política, cultura, etc.

    Na minha opinião, o golpe do STF foi duro porque desqualificou nossa profissão a longo prazo. Daqui a alguns anos, creio que vão imperar cursos rápidos e só vai estudar teoria em comunicação social quem deseja ser pesquisador na área. Mas será que vai ter onde encaixar esses pesquisadores? Ficamos no meio de uma névoa, sem nenhuma perspectiva.

  4. Penso que o diploma é dispensável para locutor ou apresentador. Noticiar um fato é algo que qualquer um pode fazer (apesar de que um curso superior treina também dicção, entonação, etc.).
    Mas no que tange a fazer editoriais ou algo que envolva a opinião pública ou algo que possa causar danos morais à terceiros, então o diploma deveria ser obrigatório. Assim fica mais fácil responsabilisar juridicamente, caso necessário.
    Veja o absurdo (ao meu ver) que são certos programas de rádio aqui da região. Quando noticiam denúncias (as vezes infundadas) dão uma enfase enorme. Quando vem a outra parte para “dar sua versão” a enfase não é a mesma.
    A única rádio que ouço aqui é a Rádio Jornal, pois trabalha com seriedade e competência.
    aluilce@spfc.com.br

  5. estevão disse:

    Se pra presidente, deputado e senador nao precisa de Diploma, prá que vai precisar para ser jornalista?

  6. Kelly disse:

    Gostaria de ver como o país reagiria a um blackout de notícias, um dia inteiro de redações fechadas, sem noticiarios de tidpo algum, seria o caos, mas só assim as pessoas entendereiam o significado e a importancia do jornalismo. Parabéns ao amigo ACM pelo lindo e profunto artigo, que sirva para reflexão de todos nós.
    Um Abraços a todos os jornalistas Diplomados!!!!
    E que fique registrado aqui a minha indignação!!!
    Jucianna Kelly Terto
    Assessora de Impresa -Jornalista
    DRT/PB:2354

  7. Kelly disse:

    Dr. Aluilce Vasconcelos, só para registrar a Rádio Jornal tem uma jornalista formada a sua frente que trabalha com seriedade e respeito a informação. Parabéns a Roseanne Albuquerque

  8. Sim, claro. Eu disse justamente isto: A ÚNICA RÁDIO QUE EU OUÇO É A RÁDIO JORNAL. Inclusive eu já dei entrevista em estúdio para a Roseane. Ela é ótima profissional.
    Para o “jornalismo” das demais emissoras eu não “perco meu tempo”.
    aluilce@spfc.com.br

  9. Caline disse:

    Gostei desse Dr.Aluilce, realmente é muito claro a diferença de nivel e de qualidade do jornalismo da rádio jornal do comercio e aí a Kelly matou a charada . É a experiencia academica falando mais alto. Inclusive, vi num jornal local a jornalista Roseanne sendo homenageada pelo seu relevante trabalho na area de comunicação. UM ABRAÇO.

  10. Diogo Amador disse:

    Engrosso o caldo junto com o comentário de “estevão”…. temos um presidente (assim, com letras minúsculas mesmo) semi-analfabeto que se gaba de assim o ser… “nunca antes na história desse país….”

  11. Petrônio Barradas disse:

    Veja que em várias partes do mundo existem cursos NU de jornalismo, comunicação, marketing e outros nas mais famosas universidades do planeta. Aqui da Bahia está em Harvard, Boston, EUA, a jornalista Rosane Santana, concluindo sua tese. Quando retornar ao Brasil ou vai ser professora de história ou vai vender bananas em Salvador na feira de são joaquim.

  12. francisco antonio ramos disse:

    Essa decisão do STF só vem evidenciar a pouca importância que se dá à educação nesse país. A exigência do diploma é uma estratégia de incentivo a continuidade dos estudos. O garoto que tem talento nato para exercer a profissão, não irá fazer faculdade.

  13. estevão disse:

    Caros(as) Jornalistas diplomados:
    Peguem seus diplomas e entreguem na praça do peixe ou em qualquer outra feira da cidade. Lá, eles terão uma nova utilidade.
    P.S: O supremo vai lançar edital pra concurso para Jornalista, o salário é de R$ 6.651,52. Vai exigir Diploma?

  14. Josival disse:

    Britto,
    A minha indignação eu já declarei em outros comentários anteriores. Volto a repetir, nada contra os competentes radialistas sem diploma. Eles comeram o pão que o diabo amassou pra chegarem aonde chegaram. Os melhores deles já fazem faculdade, lutam para fazer vestibular ou planejam iniciar cursinho. Esta é uma prova contudente da necessidade deste curso.
    Por que somente o jornalista deve ter dispensa de diploma?
    Você não acha sintomático esta conduta?
    De onde partiu a iniciativa desta desvalorização do jornalista?
    O fato do diploma para jornalismo ter origem no período revolucionário é suficiente para considerá-lo abominável pela sociedade brasileira?
    Aquele período somente nos trouxe coisa ruim?
    A quem interessa esta medica segregacionista?
    A mudança ou avanço entre o jornalista sem diploma para o diplomado não está acontecendo progressivamente de forma sincronizada, no mercado de trabalho?
    Não foi assim que aconteceu com o advogado rábula?
    Por que então esta violencia com o jornalista?
    Eu me limito agora em simplesmente deixar estas perguntas no ar.
    Assim a minha solidariedade aos jornalista, estudantes e pais destes estudantes que sacrificam suas finanças para formar seu filho, crentes que estamos num estado de direito.
    Eu acho que esta questão não deveria ficar assim.
    Os profissionais e estudantes devem fazer algum movimento.
    E os nossos políticos o que fazem para que nós não os considerem cúmpleces desta medida.
    Os jornalistas são organizados em sindicatos?
    Então?

  15. Maria disse:

    É muito triste!
    Então também não precisa de diploma para ser advogado e ministro do supremo, pois fazer o que o Sr. Gilmar Mendes faz, qualquer um PODE!
    Ser médico, qualquer um PODE!, não precisa de diploma.
    Ser professor sem diploma, PODE!
    Qualquer um outro profissional sem diploma, PODE!
    Agora falando sério: Não tem nenhuma forma jurídica de fazer um bota-fora desse Sr. Gilmar Mendes não? Agora, tem que ser um bota-fora federal! Para ver se ele cria vergonha pelo menos uma vez na vida.

  16. estevão disse:

    De um jornalista amigo meu para o seu diploma: você não vale nada mas eu gosto de você….

  17. Sr. Palhacinho Estevão,
    no mínimo você deve estar revoltado com o Jornalismo Brasileiro, pois ter atidudes como as suas, só me leva a crer que você deve ter prestado vestibular para a área jornalística inúmeras vezes e com certeza deve ter sido o último lugar em todos… Estou certo Sr. Palhacinho????

  18. Maria disse:

    Sr. Estevão,
    As suas palavras/piadinhas, são de um desrespeito muito grande àqueles profissionais do jornalismo que se dedicaram nos estudos, sacrificaram anos de sua vida estudando para obter o diploma, pois não é só quem é formado em medicina que estudou e perdeu os melhores anos de sua vida não, para vir um Sr. Gilmar Mendes de não sei das quantas, literalmente, rasgar os diplomas dos jornalistas, imagine se elerasgar seu se tem um, ou rasgar os diplomas dos médicos, pois para cuidar da saúde não precisa ser formado, com diploma não, os chazinhos e remédios caseiros de nossas mães e avós tem muito mais efeito e cura do que os formados em medicina receitam, e muitas vezes receitam errado. Porém tem uns raríssimos profissionais da medicina que honram o seu diploma, é justo rasgar os desses também? É justo rasgar o diploma de todos os advogados, só porque tem alguns em que seus clientes é quem resolve tudo e ele só faz assinar a papelada, e os que trabalham direito é justo rasgar o desses? Então assim também são com os jornalistas que merecem todo o nosso respeito, que saiam do mercado os maus profissionais, mas daí desqualificar toda uma categoria, aí é demais.

  19. Sofia disse:

    Não me surpreendo com tal atitude do STF, em um país onde p ser vereador só necessita não ser analfabeto, que para ser presidente só precisa saber ler e escrever, exigir diploma de profissional para que?
    Em uma classe onde a função é manter a população informada, é criticar os erros dos políticos e das classes sem éticas, que vivem mostrando a população os erros e o que deveriam ser acertos… Para que informar com ética a população? Para que ele perceba seus erros e se revolte com a corrupção, com o abuso de poder??

    A teoria sempre se faz necessário, é preciso redações bem escritas, falas bem pronunciadas, críticas bem fundamentadas, notícias com responsabilidades, o jornalismo sério e coerente alerta as pessoas. Só lamento por existir pessoas que agente julga esta no cargo para tomadas de decisões séria e que leve o Brasil p Frente, aí oh o calibre que agente tem…

    CONTINUAMOS MUITO BEM REPRESENTADOS!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *