Cícero Freire tenta minimizar divergência no PR de Petrolina, mas acaba admitindo estar sendo expulso da legenda

1
Foto: Blog do Carlos Britto

O vereador Cícero Freire tentou despistar sobre um possível conflito interno acerca do comando do PR em Petrolina. À imprensa, ele afirmou nesta quinta-feira (7), na Casa Plínio Amorim, que tanto ele quanto seu colega de legenda, Gilberto Melo, na verdade querem a mesma coisa: salvaguardar a liderança do partido. Demonstrou otimismo em chegar a um consenso para encerrar essa discussão, mas não conseguiu esconder o processo conturbado de mudanças pelas quais o PR atravessa, sobretudo na cidade.

Cícero assegurou que na reunião da próxima segunda (11), participará, na condição de líder do partido, da reunião para indicar os representantes das comissões permanentes da Casa. Ele afirmou ainda que, pelo regimento do PR, o período para liderar a bancada da legenda é de quatro anos. Como já cumpriu dois, ainda teria mais dois anos pela frente. “Agora, se eles quiserem me expulsar do partido, aí é um problema deles”, declarou.

O vereador – que a exemplo de Gilberto, também integra a base do prefeito Miguel Coelho (PSB) na Casa – revelou que seu companheiro de partido já deixou claro que ele (Cícero) já não faz mais parte do PR. “Eu ainda faço parte, sabe por que? porque não recebi nenhuma documentação do partido dizendo que não sou mais (filiado)”, afirmou.

Cícero afirmou ainda que pode, sim, deixar o PR, mas não nesse momento, já que teria esses dois anos para cumprir. Caso saísse, segundo ele, o PR ficaria sem liderança na Casa. O vereador argumentou também não ter receio de perder o mandato, caso saia do partido. “Eu não estou saindo do partido, eu estou sendo expulso, e de maneira truculenta”. Cicero adiantou ainda que pode seguir com o deputado federal Sebastião Oliveira, que também foi destituído do PR. “Estamos conversando para que possamos ser parceiros dele, como sempre fomos”, finalizou.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome