Artigo do leitor: “Espera castiga a esperança”

5

Neste artigo, o leitor Thiago Fonseca Nunes destaca que a morosidade no atendimento ainda é o maior inimigo dos pacientes com câncer, mesmo a lei determinando que o prazo para esses pacientes se submeterem a tratamento pelo Sistema Único de Saúde é de até 60 dias.

Confiram:

Cento e vinte dias. Pode até parecer pouco para quem aguarda o dia do casamento, a viagem programada ou até mesmo o dia da sua formatura. Contudo, para quem espera pelo tratamento do câncer é uma eternidade. No Brasil, em média, pacientes diagnosticadas com câncer de mama, através do sistema público, sofrem todo esse tempo para conseguir iniciar a quimioterapia, por exemplo.

Tristemente, cerca da metade das pacientes recebem a confirmação de câncer de mama em estágios já avançados. Associa-se a esse número que 40% têm atendimento em até um ano para obter o diagnóstico, de acordo com dados do TCU (Tribunal de Contas da União). Havendo a necessidade de cirurgia, a angústia da espera chega a oito meses para realizar o procedimento, desde que não ocorra cancelamento nesse intervalo e a data seja protelada.

A lei 12.732/2012 preconiza que o paciente com neoplasia maligna – câncer – tem direito de se submeter ao tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), no prazo de até 60 dias, contado do dia que recebeu o diagnóstico. Porém, estatística do Sistema de informações do Câncer (SISCAN) evidencia que apenas 26,6% do total registrado em 2015 iniciaram tratamento dentro do prazo determinado. Entretanto, em contrapartida ao imbróglio da morosidade encontram-se os pacientes, que não têm um minuto sequer a perder.

Um dos mais importantes centros de estudo e tratamento da doença no país, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) vive atualmente uma triste realidade, pela qual problemas estruturais atingem diretamente os pacientes que usam os seus serviços. Filas quilométricas para atendimento, macas improvisadas, deficiência nos suprimentos hospitalares e até mesmo falta de manutenção. Atente-se ao fato de que estamos falando da maior referência nacional em oncologia e, desse modo, temos a oportunidade de fazer uma reflexão de como andam os demais serviços Brasil afora. Infelizmente, ao passo que o número de leitos destinados a esses pacientes seguem limitados, com crescimento pífio, o número de diagnosticados cresce exponencialmente.

A rapidez na detecção e no tratamento do câncer é decisiva para a cura do paciente. À medida que o tempo avança, reduzem-se as chances e, por isso, não estamos diante de uma discussão banal. Ajustar a realidade ao que é tido como ideal, há de ser sentido em curto prazo. Uma regulação mais eficiente, pela qual disponha de dados precisos quanto ao estágio da doença; ampliação dos serviços oncológicos, gerando descentralização, são alguns dos exemplos. Assim sendo, a otimização melhora o planejamento, promove um gerenciamento eficaz dos gastos públicos e, principalmente, gera menor tempo para início do tratamento.

O câncer não espera! Tampouco aceita medidas casuísticas para resolver o problema. A responsabilidade sobrecai a toda a sociedade, pois devemos ter clareza de posição e reconhecimento da gravidade. Portanto, usemos até mesmo do ativismo da mídia para expor rotineiramente essas necessidades, de modo que o ser humano seja respeitado e a luta pela vida contra o câncer possa ser de fato a realidade. Enfim, o tempo tem duas caras: se bem aproveitado é um grande aliado, mas do contrário é um grande inimigo.

Tiago A. Fonseca Nunes/Leitor

5 COMENTÁRIOS

  1. Serviço público de saúde é um crime contra a humanidade. Hospitais superlotados, falta de remédios, profissionais e equipamentos hospitalares atormentam os dependentes do serviço público. Está na hora de abandonar os delírios e dar uma solução definitiva para este problema, que é acabar com o SUS, desestatizar, desregulamentar e desonerar ao máximo o setor privado de saúde, para que estes serviços se tornem mais baratos e mais acessíveis para a população.

  2. Está doido Cego às avessas? Aonde o setor privado vai atender o pobre que não tem dinheiro para custear o caríssimo tratamento? Nem aqui e nem em lugar nenhum do mundo isso acontece.
    Temos é que cobrar o fortalecimento do SUS, pois dinheiro há, se não tivesse não haveria tantos desvios.

    • O meu comentário foi bem claro, basta que o governo reduza as pesadas regulamentações e controle sobre a concorrência que oneram o serviço privado de saúde, para que estes serviços se tornem mais baratos e mais acessíveis para a população.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome