Artigo do leitor: Dominguinhos, a simplicidade em pessoa

por Carlos Britto // 24 de julho de 2013 às 21:47

Privilegiado por ter convivido com Dominguinhos, o jornalista Machado Freire sentiu-se na obrigação de homenageá-lo com este belo texto. Um texto recheado de simplicidade, como simples – segundo Machado – era Dominguinhos.

Boa leitura:

dominguinhos-site1/Foto reprodução internetDominguinhos era a simplicidade em pessoa.

Não conheci nenhum artista com tamanha humildade e simplicidade.

Meu último encontro pessoal com Dominguinhos aconteceu em Salgueiro, por acaso.

Eu me deslocava pra roça (duvido que alguém goste mais de roça do que eu) e ao reduzir a velocidade da minha ‘carroça’, enxerguei Dominguinhos em um hotel.

Dei meia volta e fui cumprimentá-lo.

Estava cansado e meio abatido. Tinha motivos de sobra , pois vinha do Sul/Sudeste, passou pela Bahia e se dirigia a Fortaleza.

De carro!

Nós tínhamos essa coisa em comum: não gostar de viajar de avião.

Acho que Dominguinhos foi uma encarnação de Luiz Gonzaga em vida. Ou Deus quis que eles fossem gêmeos e faltou muito pouco para isso acontecer.

Mas houve uma enorme compensação: a cultura nordestina fluiu em dobro, com a existência (infinda/infinita) de dois artistas espetaculares, que dificilmente serão substituídos.

Ora, Gonzagão tinha tanto apreço a Dominguinhos que o considerou precocemente o seu substituto. Pense numa satisfação enorme! mas isso não subiu pra cabeça do filho de Garanhuns. Nada abalava a personalidade de Dominguinhos.

Passou por tremendas dificuldades, inclusive injustiças/perseguições nos meios culturais e políticos, mas não deu o braço a torcer. Dominguinhos foi artista e homem por inteiro.

Chorar a morte de Dominguinhos é fazer justiça a uma alma querida de Deus.

Machado Freire/Jornalista

Artigo do leitor: Dominguinhos, a simplicidade em pessoa

  1. Rosangela disse:

    Arre!!!!
    Precisou morrer o Dominguinhos para que nos brindasse com sua companhia. Outro dia comentávamos numa mesa de bar… repare que à medida que envelhecemos vamos nos encontrando cada vez mais nos velórios do que em festas… e entre copos e risadas… prometemos “de novo” fazer diferente.
    Bom ler você, ainda que nessas circunstâncias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *