Artigo do leitor: “A complexidade investigativa sobre a chacina do DF”

por Carlos Britto // 23 de janeiro de 2023 às 08:40

Foto: divulgação

Neste artigo, o perito criminal especial aposentado Cleomacio Miguel da Silva comenta os procedimentos acerca do mais recente crime que está abalando o país: a chacina do Distrito Federal.

Confiram:

Certa vez, Jesus disse: “….o mundo está entregue ao poder do maligno” (1 João 5:19).

Como Perito Criminal da ativa pude presenciar tais palavras na prática, em diversas ocorrências periciais, onde a atuação do maligno através dos seres humanos causaram-me assombros e perplexidades, como ainda hoje. Mais uma vez, deparo-me com a notícia divulgada pela mídia, do desaparecimento da cabeleireira Elizamar Silva, de 39 anos, juntamente com seus três filhos pequenos, que desapareceram no dia 12-01-2023. Porém, o pior aconteceu.

Ela e os filhos foram brutalmente assassinados, e no dia 13-01 seus corpos foram encontrados carbonizados dentro do veículo de Elizamar, em Cristalina, Goiás. Depois desses fatos, surgiu um encadeamento de assassinatos e desaparecimentos de familiares e parentes intrinsecamente relacionados com Elizamar. Na verdade, tal situação descreve um “framework” criminal bastante complexo que envolve a Força Tarefa das Polícias do Distrito Federal, Goiás e Minas Gerais. Mais uma vez, a Polícia Científica será de grande valia para ajudar na elucidação desse encadeamento criminal que gerou tantas vítimas.

A motivação do crime é o primeiro ponto que deve ser levado em consideração na investigação criminal. Isso é importante, pois qualquer fato criminoso vai sempre envolver os aspectos psicológico, psiquiátrico e social. Pelas características do crime, certamente envolve a ganância e a cobiça pelo “vil metal”, o “elemento misterioso”, o famigerado dinheiro. Depois, deve-se fazer um “desenho criminal” do evento.

Nesse caso, devido à complexidade, cada “framework” criminal deve interagir entre si para formar um “empreendimento único” capaz de fornecer respostas apropriadas para esclarecimentos à Justiça. É exatamente aí que entra a Polícia Científica com seus vários métodos científicos para fornecer respostas adequadas.

O uso da tecnologia é primordial para a construção e a interpretação dos “frameworks” dos locais de crime, analisando e avaliando suas interações. A Inteligência Artificial (IA) é uma excelente ferramenta para a construção desses “frameworks”. Além de todos os exames necessários, tais como: análise química, teste de DNA, exames tanatoscópicos, exames ondontolegais e talvez entomologia forense (pois houve local de cativeiro). Os Peritos Criminais devem se debruçar nas minúcias da dinâmica do evento criminoso propriamente dito, visando sempre a buscar provas técnicas verazes que ajudarão a identificar os verdadeiros culpados.

Todo local de crime é um sistema complexo. E isso não é diferente do caso da morte de Elizamar Silva e suas diferentes facetas de complexidade. Na Física-Matemática, um sistema complexo não significa que ele nunca fornecerá resultados robustos. Sistemas complexos podem ser “facilmente” estudados pela Teoria do Caos. Diferentemente do que pensa o senso comum, Caos não significa desordem, bagunça ou destruição geral, mas apenas mudanças nas condições iniciais de um sistema e criação de novos “produtos”, gerando padrões e estabelecendo uma releitura da nova situação gerada.

Muitas vezes caracterizam-se mudanças nas condições de contorno do sistema.  Enquanto “desordem” é a mudança abrupta de um sistema, a entropia fornece informações da evolução dessa mudança no decorrer do tempo (não vou aqui entrar em detalhes sobre o conceito físico de entropia!). Quero ressaltar aqui que o Perito Criminal expert deve estar atento às informações fornecidas pela “Entropia Criminal”. Sem isso, não será possível estabelecer uma dinâmica robusta de um local de crime que envolve alta complexidade. A “Entropia Criminal” deixa padrões especificamente e irredutivelmente estabelecidos. Cabe ao Perito Criminal identificá-los e interpretá-los.

Em decorrência da sua elevada complexidade, para melhor entendimento da “Chacina do Distrito Federal”, deve haver a realização de Reprodução Simulada dos Fatos. Isso é importante para os esclarecimentos técnicos periciais. Seria interessante usar a Técnica de Análise de Conteúdo de Bardin, para entender a dinâmica da oralidade nas entrevistas dos envolvidos no ato criminoso.

Assim, será possível construir uma nuvem de palavras, cuja composição dos “clusters” irá auxiliar na “detecção” de mentiras. Isso pode ajudar na condução de novos procedimentos investigativos. Uma outra alternativa técnica, porém bem mais complexa, seria a utilização de estudos psicométricos realizados em entrevistas com os envolvidos no crime. Isso vai requerer um elevado conhecimento de análise estatística multivariada de dados. Porém, haverá mais robustez nos resultados obtidos. Nesse caso, seria de fundamental importância, a participação ativa do Perito Médico Legal Psiquiatra, Psicólogo Forense e um Perito Criminal expert em Análise Criminal de dados gerais, com exímio conhecimento em Estatística.

Finalmente, para estabelecer uma dinâmica que ofereça respostas robustas à Justiça, sobre a “Chacina do Distrito Federal”, a Polícia Científica deve envolver diversos profissionais em diferentes áreas do conhecimento. Dentro do princípio matemático da existência e unicidade, mais uma vez a Polícia Científica será a única entidade capaz de fornecer provas técnicas necessárias e suficientes para esclarecer o sequenciamento desse evento criminoso tão medonho que está abalando o Brasil em cada novo desdobramento investigativo.

Cleomacio Miguel da Silva/Perito Criminal Especial Aposentado da Polícia Científica de Pernambuco     

Artigo do leitor: “A complexidade investigativa sobre a chacina do DF”

  1. Gilberto Pacheco disse:

    Artigo objetivo e de linguagem acessível.
    Parabens Dr. Cleomacio

  2. VANJA COELHO disse:

    EXCELENTE. E AINDA DIRIA QUE A R.S. DEVE SER FEITA PASSO A PASSO, INDIVIDUALMENTE COM CADA SUSPEITO/ACUSADO E POSTERIORMENTE, UMA R. S. GERAL E CONCLUSIVA. PARABÉNS AMIGO. PELO SEU RESUMO DESTE FATIDICO CASO, ONDE AS VITIMAS TIVERAM CEIFADAS SUAS VIDAS COM TODOS OS SEUS DIREITOS VILIIPENDIADOS DE FORMA ESTARRECEDORA ATRAVÉS DE MEIOS, REALMENTE, “MALIGNOS”.

  3. Edvaldo Uchôa Cavalcanti disse:

    Nobre Carlos Brito, fico feliz em saber que estamos evoluindo tecnico/cientificamente. Não só nesses casos, mas em todos devemos estar, trabalhando concomitantemente com a investigação em tempo real, e com isso facilita a chegar nos criminosos mais rapido. Eu sou Uchôa, Perito Criminal Especial ainda na ativa, 40 anos de policia, 20 anos no GOE, e aqui funciona assim: Perícia e investigação trabalham em conjunto, num só intuito elucidar os crimes de Extorsão Mediante Sequestro, e outros qua,do determinado pela chefia de policia. Portanto é muito importante que trabalhemos juntos com a investigação na troca de informações.

  4. Edvaldo Uchôa Cavalcanti disse:

    Nobre Carlos Brito, fico feliz em saber que estamos evoluindo tecnico/cientificamente. Não só nesses casos, mas em todos devemos estar, trabalhando concomitantemente com a investigação em tempo real, e com isso facilita a chegar nos criminosos mais rapido. Eu sou Uchôa, Perito Criminal Especial ainda na ativa, 40 anos de policia, 20 anos no GOE, e aqui funciona assim: Perícia e investigação trabalham em conjunto, num só intuito elucidar os crimes de Extorsão Mediante Sequestro, e outros qua,do determinado pela chefia de policia. Portanto é muito importante que trabalhemos juntos com a investigação na troca de informações. É muito importante trabalarmos juntos.

  5. Mauro Paulo disse:

    Matéria de um grau de complexidade muito elevada que só os profissionais bem capacitados são capazes de fazer aflorar uma realidade concreta que o agente ativo (praticante do ato delituoso) empenhou-se esmeradamente em oculta-lo.

  6. Framework Entropia da Teoria do Caos disse:

    Tão objetivo e coeso quanto o site https://lerolero.com/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.