Comércio de Petrolina deve receber injeção de ânimo para Dias das Mães, acredita presidente da CDL

Mesmo com o cenário ainda delicado de crise econômica, os filhos deverão ser generosos e irem às compras para presentear suas mães, no próximo dia 14 de maio. É o que revela uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). O comércio de Petrolina segue essa expectativa de aumentar as vendas na segunda data comemorativa mais importante do ano para o varejo, só perdendo para o Natal.

Segundo a Confederação, o Dia das Mães de 2017 deve fazer com o que 73% dos brasileiros realizem pelo menos uma compra no período. Nas estimativas do SPC Brasil e da CNDL, aproximadamente 109 milhões de brasileiros devem presentear nesta data, o que deve injetar quase 14 bilhões de reais nos setores do comércio e serviços em todo país.

O presidente da CDL Petrolina, Manoel Vilmar, acredita que, com a liberação dos saques das contas inativas do Fundo de Garantia Por Tempo de Serviço (FGTS), os consumidores deverão deixar um bom lucro ao comércio, em relação a essa data. “O consumidor não deixará de ir às compras. Houve uma mudança de comportamento, mas acredito que a liberação do FGTS leve os consumidores ao comércio, e garanta um aumento no fluxo de vendas em Petrolina”, disse Vilmar.

Tendência

Segundo o presidente da CDL, as vendas do varejo em Petrolina devem registrar crescimento em comparação ao ano passado, seguindo a tendência do país.  A entidade ainda ressalta que os setores de vestuário, calçados e artigos de decoração devem ter o maior fluxo de vendas nesta data, baseando-se em acompanhamentos realizados nos últimos anos. Ainda segundo a CDL, esta data servirá como termômetro para a situação econômica. As informações são da assessoria. (Foto/divulgação)

Após críticas contra aumento de taxa do Enem, Inep se defende: “Não cobre nem um terço do custo”

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini, justificou o aumento da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que passou de R$ 68 para R$ 82. Segundo ela, o dinheiro arrecadado não cobre “nem um terço do custo do exame”.

“O MEC [Ministério da Educação] subsidia grande parte do exame e continuará fazendo isso. A taxa deste ano foi apenas corrigida em 14% de IPCA de anos anteriores que não foram aplicados e 6% deste ano”, diz Maria Inês.

Ela também menciona que “pouca gente que paga [a taxa de inscrição], a maioria se beneficia da isenção”. De acordo com o edital do Enem 2017, não precisarão pagar a taxa: estudantes de escolas públicas concluintes do ensino médio em 2017, candidatos com renda familiar per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio e pessoas que cursaram o ensino médio completo em escola da rede pública ou como bolsista integral de escola privada.

Neste ano, também passar a ser isentos aqueles que tiverem cadastro no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal), que reúne famílias em situação de pobreza e pobreza extrema. Para comprovar o dado, o candidato deverá informar, no ato da inscrição, o NIS (número de identificação social) – o sistema permitirá a busca automática.

Custo por aluno

No Enem 2016, o custo por aluno foi de R$ 92. Não há ainda estimativa sobre a atual edição do exame. “Estamos esperando propostas dos correios, dos consórcios e das gráficas”, diz a presidente do Inep. (fonte/arte: G1-RJ)

 

Gás de cozinha fica 9,8% mais caro

A Petrobras aumentou em 9,8%, em média, os preços dos botijões de até 13 kg de gás liquefeito de petróleo para uso residencial (GLP P-13). O reajuste entrará em vigor às 0h de terça-feira (21). O último reajuste realizado pela companhia foi em 1º de setembro de 2015. A empresa alertou que a correção divulgada hoje (17) não se aplica ao GLP de uso industrial.

A Petrobras destacou ainda que as revisões dos preços feitas para as refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor, uma vez que, de acordo com a legislação, há liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados. “Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, apontou a empresa na nota de informação do aumento.

Pelos cálculos da companhia, se o reajuste for repassado, integralmente, aos consumidores, o preço do botijão de GLP P-13 pode ter alta de 3,1% ou cerca de R$ 1,76. “Isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos”. Ainda conforme a nota, o ajuste foi aplicado sobre os preços praticados pela Petrobras sem incidência de tributos. (Com informações da Agência Brasil)

Compesa prepara reajuste na conta de água

A água falta, mas a conta não. E deve ter reajuste. O consumidor pernambucano já pode ir se preparando para mais um aumento neste início de ano. A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) encaminhou solicitação de aumento tarifário anual para análise e aprovação pela Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe).

Se forem levados em consideração apenas os índices de correção da inflação (IPCA e IGPM), a conta de água vai subir entre 6% e 8%. Mas a companhia apresentou outras planilhas de custos, que podem fazer o reajuste da Compesa ultrapassar os 10%.

O pedido de reajuste foi entregue à Arpe na última sexta-feira, 27, e a expectativa é concluir a avaliação este mês para que entre em vigor a partir de março. O valor integral só será sentido nas contas de água a partir de maio. Pelas regras do reajuste, a Compesa pode aplicar 88% do acumulado anual do IPCA e 11,4% do IGPM.

Além dessa correção da inflação, a companhia inclui despesas que fizeram o custo da operação subir. O diretor de Regulação Econômico-Financeira da Arpe, Ricardo Fiorenzano, adianta que a Compesa apresentou justificativas como a crise hídrica para apontar o aumento nos custos.

A empresa incluiu planilhas de meses em que a conta de energia elétrica teve acréscimo de bandeira vermelha e amarela por conta do baixo nível de água nos reservatórios das hidrelétricas. Mas vamos precisar de tempo para avaliar esses números”, observa. A conta de energia elétrica responde pelo principal custo da Compesa que deve anunciar os novos valores da tarifa em abril.  (fonte: JC Online)

O aumento de salários e a falta de coerência

Embora o ano esteja apenas começando, as sessões da Câmara de Vereadores de Petrolina, mesmo que extraordinárias, já registram embates duros. A legislatura é nova, mas a acidez nos remete a um passado muito próximo.

Na oposição os vereadores Paulo Valgueiro (PMDB), Cristina Costa e professor Gilmar (ambos PT) já deram o tom: vão marcar em cima. E eles estão certíssimos.

Foram eleitos pela oposição e precisam mesmo fiscalizar o governo e as ações do prefeito Miguel Coelho (PSB). Aliás, fiscalizar e elaborar leis é papel de todo legislador, mas é preciso responsabilidade e coerência.

Cristina Costa e Paulo Valgueiro criticaram duramente o aumento dos salários do prefeito e dos secretários. A própria Cristina enviou nota pública dizendo que não concordou e nem votou no aumento dos salários dos vereadores.

Mas não se viu uma linha dos dois vereadores abrindo mão do próprio salário. Sim, mesmo quem não votou no aumento pode, sim, abrir mão desse ajuste. Espera-se do legislador e de toda autoridade política fiscalização, crítica, oposição ou qualquer item inerente a sua natureza política, mas se espera também que pratique o que cobra: coerência. De outra forma é apenas falácia, discurso e proselitismo político. Apenas isso.

Humberto Costa lamenta previsão da OIT de mais desemprego no Brasil em 2017

O  líder do PT no Senado, senador Humberto Costa, disse que a economia brasileira continua sofrendo com as medidas do Governo Temer, e uma delas diz respeito à falta de ocupação formal. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o desemprego vai aumentar ainda mais em 2017, ultrapassando a casa do 13 milhões de pessoas que estarão à procura de um trabalho este ano. Conforme o senador, esse número é resultado de uma política econômica que arrocha o trabalhador.

“Não se pode achar que a economia vai melhorar e novos empregos surgirão com o tipo de gestão que a equipe deste governo está realizando no País. Sem dinheiro o povo não consome, e sem o consumo não existe uma demanda que gere novos empregos. É realmente uma política que vai acabar com a nossa economia”, lamentou.

O próprio ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, já admitiu que o desemprego vai crescer ainda mais este ano. Segundo o senador, o Governo Temer ainda tenta “maquiar” os dados afirmando que a economia já estava em queda e que o número de empregos vai aumentar, mas defasadamente em relação ao crescimento econômico. “É uma matemática simples: se a economia está em baixa, os empregos desaparecem e o número de desempregados aumenta. Não precisa ser um grande economista para saber disso”, afirmou o líder petista.

Piso nacional dos professores teve aumento acima do anunciado pelo governo na rede municipal de Juazeiro

Juazeiro-BA comemora avanços na Educação em oito anos do governo Isaac Cavalho (PC do B) e um dos destaques foram os aumentos do piso nacional do professor que mais uma vez ficou acima do valor anunciado pelo governo de pouco acima de 7%. A Secretaria de Educação e Juventude – SEDUC –  anunciou um reajuste de de 11,36% em 2016.

O piso salarial do professor juazeirense passou de R$ 950, em 2009, para R$ 1.046,42, em 2010, e R$ 1.161,22, em 2011; em 2012, o valor vigente era R$ 1.461.78; em 2013, passou para R$ 1.578,72; e, em 2014, foi reajustado para R$ 1.710,08; em 2015, passou para 1.932,56 e em 2016 o reajuste foi de 11,36%, no valor de R$ 2.152,10.

Além dos 153% de reajuste salarial para os professores, eles receberam também auxílio à formação e um Plano de Carreira e Remuneração/PCCR para o magistério e demais trabalhadores da educação.

Vereadores de Lagoa Grande teriam aumentado salários em segredo

Vereadores de Lagoa Grande (PE), no Sertão do São Francisco, assumiram suas vagas no último domingo, 1, mas já com novos salários. Os subsídios das excelências passaram de R$ 5 mil para R$ 7 mil – um aumento de quase 40%.

O projeto de mudança salarial dos 11 vereadores da Câmara Municipal foi votado e aprovado ainda no ano passado. Detalhe: a votação teria sido secreta, sem conhecimento nenhum da população.

Número de homicídios aumenta 9,8% em Pernambuco no ano passado em relação a 2015

Pernambuco registrou crescimento de mais de 13% de crimes contra a vida em 2016, contrariando a meta estabelecida pelo Pacto Pela Vida, que é de reduzir, anualmente, em 12%, o número de homicídios no Estado. Segundo a Polícia Civil de Pernambuco (PCPE), de janeiro a novembro de 2015 foram 3.541 homicídios. Em 2016, esse número subiu para 4.007, levando em conta o mesmo período do ano. A última vez que o estado havia registrado mais de 4 mil assassinatos foi no ano de 2009, quando o número chegou a 4.018 mortes em Pernambuco.

A PCPE divulgou ontem (3) que realizou 44 Operações de Repressão Qualificada (ORQ) e prendeu 580 envolvidos durante o ano de 2016. As investigações de inteligência da PCPE são o principal meio de combater quadrilhas e associações criminosas no estado. O principal delito de 2016 foi homicídio, com aumento de 9,8% em relação a 2015, além de tráfico de drogas e crimes contra a administração púbica. Entre os presos, 110 pessoas tiveram envolvimento em ações criminosas contra bancos e instituições financeiras.

O balanço das Operações de Repressão Qualificada foi apresentado pelo chefe da PCPE, Antônio Barros. O número de homicídios é, entre todos os crimes, o maior, equivalente a 32% das investigações. De janeiro a novembro de 2016, foram registrados 4.007 homicídios (relacionados a ações de quadrilhas) – 466 a mais, se comparado com o mesmo período de 2015, quando foram registrados 3541 homicídios. Já o tráfico de drogas representa 23% das operações. “Os homicídios, em sua maioria, estão também relacionados ao tráfico de drogas, são crimes interligados”, destacou Antônio Barros. (Fonte: Diário de PE)

Vereadora afirma não ter votado em projeto que reajustou subsídios do prefeito, vice e secretários de Petrolina

Diante da forte repercussão de um projeto de lei (089/2016), de autoria do Legislativo de Petrolina, aumentando os subsídios do prefeito, vice e dos secretários municipais, que foi aprovado na última sessão da Casa Plínio Amorim este ano, terça-feira (27), a vereadora Cristina Costa (PT) fez questão de se posicionar sobre o assunto.

A este Blog, por meio de sua assessoria, Cristina disse que no momento da votação não estava no plenário porque se encontrava na Sala de Comissões da casa legislativa, tratando dos precatórios do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério) com representantes dos educadores e do Sindsemp. “Desta forma, a vereadora não participou da referida sessão plenária, não sendo computado para tanto o seu voto de apreciação”, frisa a assessoria da petista.

(c) 2015 Blog do Carlos Britto | produzido por proximavenda.com.br