Volume de água do rio São Francisco diminuiu 35% em 50 anos, diz estudo

por Carlos Britto // 23 de abril de 2009 às 16:00

Uma pesquisa feita por cientistas norte-americanos aponta que o fluxo de água na bacia do rio São Francisco, que nasce em Minas Gerais e deságua no nordeste do Brasil, caiu 35% no último meio século.

O estudo, que será publicado no próximo dia 15 de maio no Journal of Climate, da Sociedade Meteorológica Americana, foi feito por pesquisadores do National Center for Atmospheric Research (NCAR), que fica no Estado americano do Colorado.

Eles analisaram dados coletados entre os anos de 1948 e 2004 nos 925 maiores rios do planeta, e concluíram que vários rios de algumas das regiões mais populosas estão perdendo água.

De acordo com os pesquisadores, a bacia do São Francisco foi a que apresentou o maior declínio no fluxo de águas entre os principais rios que correm em território brasileiro durante o período pesquisado.

Neste mesmo período, o fluxo de águas na bacia do Amazonas caiu 3,1%, enquanto as bacias de outros rios brasileiros apresentaram uma elevação na vazão.

O fluxo de águas no rio Paraná (que termina na Argentina), por exemplo, apresentou um aumento de 60% no período pesquisado, enquanto a bacia do Tocantins registrou um acréscimo de 1,2% em sua vazão.

Segundo o cientista Aiguo Dai, o líder da pesquisa, esta variação está relacionada principalmente a mudanças na quantidade de chuvas nas regiões das bacias.

Estas alterações nos níveis de precipitações, de acordo com o pesquisador, estariam relacionadas, principalmente, ao fenômeno meteorológico El Niño, que consiste em um aquecimento anormal das águas superficiais do Oceano Pacífico e que afeta o clima da região e do planeta. Dai afirma que, entre 1948 e 2004, a região da bacia do rio São Francisco apresentou uma leve queda nos níveis de precipitações e um grande aumento de temperatura.

Estes dois fatores contribuíram para o grande declínio do escoamento do rio. Segundo ele, o aumento das temperaturas eleva a evaporação, e assim, reduz o fluxo de água do rio.

“Eu avalio que algumas destas mudanças na temperatura e nas precipitações estão relacionadas às mudanças nas atividades do El Niño, mas não todas elas”, afirma o cientista.

Água De um modo geral, o estudo aponta que alguns dos rios mais importantes do planeta e que abastecem áreas populosas estão perdendo água.

Um terço dos 925 rios pesquisados apresentaram mudanças significativas nos fluxos de água no período, sendo que aqueles que perderam vazão ultrapassam os que ganharam em uma proporção de 2,5 para 1.

Segundo os pesquisadores, muitos fatores podem afetar a vazão desses rios, incluindo barragens e o desvio de água para a irrigação.Mas, de acordo com os dados da pesquisa, em muitos casos, a redução no fluxo de água pode estar relacionada às mudanças climáticas globais, que alteram os padrões de chuvas e os níveis de evaporação.

“A redução na vazão aumenta a pressão sobre as reservas de água doce em grande parte do mundo, especialmente em um momento em que a demanda por água aumenta por causa do crescimento da população. A água doce é um recurso vital, e a tendência de queda é motivo de preocupação”, diz Aiguo Dai. Pesquisas anteriores feitas em grandes rios, no entanto, apontavam que a vazão global dos cursos de água estaria aumentando.

  1. Feeling disse:

    Daqui ha alguns dias será possivel ir a pé para Juazeiro sem usar a ponte…

  2. Cleiton Araujo. disse:

    Em poucas palavras gostaria de demonstrar a minha opinião sobre esse assunto… Creio que não existam motivos para preocupação, tendo em vista que o nosso Doutor Honoris Causa Luiz Inácio Lula da Silva, já tem todas as resoluções para esse problema, para quem não sabe, estou falando da “grande” e “brilhante” obra do Lula…
    A TRANSPOSIÇÂO DO SÃO FRANCISCO…
    “Como se não bastassem as mudanças climáticas que estão a influenciar essa redução na vazão, o Lula irá dar a sua contribuiçãozinha…”.

  3. Este artigo chegou numa hora, em que as autoridades brasileiras, devem de uma vez por toda, sairem do discurso e priorizarem a interligação das bacias do Tocantins com o São Francisco, tendo em vista que a trasnposição contribuirá para aumentar o percentual indicado pela pesquisa acima, onde o fluxo das águas do Velho Chico diminuiu em 35% nos ultimos 50 anos. Se isto nâo ocorrer, não temos mais dúvidas de que as novas gerações, sofrerão mais ainda com a falta do precioso líquido. José Batista da Gama, Ex-Vereador de Petrolina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *