Victor Flores fala sobre educação ambiental, preservação do São Francisco e música

por Carlos Britto // 23 de março de 2019 às 17:15

Victor Flores, Diretor de Projetos da AMMA. (Foto: Blog do Carlos Britto)

O Carlos Britto Talk Show da sexta-feira (22) recebeu o diretor de Projetos da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA) de Petrolina, Victor Flores. Ele destacou sua atuação na cidade e falou sobre o bioma caatinga, educação ambiental e, principalmente, sobre o Rio São Francisco, em especial a situação envolvendo os rejeitos da barragem de Brumadinho (MG). Durante o bate-papo, ele ainda falou sobre sua carreira de músico.

Ambientalista, Victor disse que faz graduação em Engenharia Agronômica e revelou que já desenvolvia projetos dentro da faculdade, entre eles o ‘Orla Nossa’, iniciativa que agrega uma série de atividades para preservar o Rio São Francisco e envolver a população na defesa do maior patrimônio natural do Vale. “Foi o que fez eu me aproximar do Poder Executivo. Além do professor Zé Batista da Gama (vereador, ex-secretário de Desenvolvimento Agrário e Rural da Prefeitura de Petrolina), Miguel Coelho também foi assistir a algumas palestras e a gente fazia encontros para discutir coisas ambientais do município“, comentou.

Victor lamentou a falta de destaque da caatinga diante dos demais biomas. “A caatinga sofre bastante e não temos muitos livros e trabalhos publicados relacionados a esse bioma, vemos mais sobre a Mata Atlântica e a Amazônia. A gente precisa de coisas da gente. A faculdade não pode ter muros, e uma das maneiras de tirarmos um projeto que veio da faculdade foi vindo para o Poder Executivo”, reforçou.

Perdemos bastante da caatinga, mais de 40% foi dizimada em menos de 20 anos. Isso vem acontecendo frequentemente, desde a expansão agrícola e desmatamento de todas as maneiras“, afirma Victor.

Rio São Francisco

Victor Flores disse que associou a tragédia de Brumadinho com um câncer em metástase. “Essa que já aconteceu eu disse o câncer agora está em metástase. Primeiro, que as informações não saem na mesma velocidade que a gente espera. Essa contaminação vai chegar [ao Rio São Francisco] de forma diluída, mas o que nos preocupa é o que vai chegar de forma diluída. Se a água do rio for contaminada por mercúrio, chumbo, 26% acima do permitido, a gente não pode usar para irrigação, nem para o consumo humano ou animal. Isso dá problemas neurológicos, gástricos. Exemplo disso é em Mariana (MG), que já se passaram três anos e ninguém consome a água“, endossa.

Música

Victor ainda falou sobre sua carreira musical. Ele é baterista da Banda Sanitário Sexy e disse que sua paixão pela música começou quando ele tinha 12 anos, ainda em Campo Formoso, no norte da Bahia, sua cidade-natal. O grupo já fez até turnê internacional. “Fomos a três países e fizemos 12 shows em 15 dias. Gravamos um disco com a participação de Luiz Caldas”, finalizou. A entrevista completa com o diretor de Projetos da AMMA pode ser conferida acessando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.