Supervisor nega denúncias sobre IML de Petrolina, mas representante do Sinpol sustenta: “Já vi gato comendo restos mortais no esgoto”

por Carlos Britto // 10 de julho de 2015 às 12:05

Álvaro IMLAs denúncias sobre os problemas no Instituto Médico Legal (IML) de Petrolina, que já eram aterradoras, ficaram ainda piores na manhã de hoje (10), quando o representante local do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Roseno Neto, disse ter presenciado até gatos comendo restos mortais na rede de esgoto da cidade. “A situação lá é muito feia. Quem quiser ir lá ver pode ir. Inclusive eu já vi até gato comendo restos mortais no esgoto” denunciou o líder sindical.

Esta semana, a população ficou chocada com as revelações feitas pelo representante do Sinpol, o qual disse que pedaços de corpos humanos estariam sendo lançados na rede de esgoto da cidade. Mas o supervisor do IML de Petrolina, Álvaro Miranda, decidiu ir à imprensa negar as denúncias. De acordo com o supervisor, a situação do instituto não é das melhores, mas segundo Miranda, as denúncias do Sinpol não seria verídicas.

Isso não corresponde à realidade, não acontece e é uma inverdade. Logicamente que a estrutura do IML está muito aquém  do que deveria ser, mas não chega a isso, não. Já existe um projeto aprovado para uma reforma e só falta liberação”, disse o supervisor, em entrevista à rádio Jornal.

Para embasar suas denúncias, o representante do Sinpol explicou que o IML deveria ter uma rede de esgoto individual com tanques de decantação o que, segundo ele, não acontece. “Ele [Álvaro] está dizendo que é mentira. Então eu pergunto: cadê os tanques de decantação que deveria ter no IML? O IML tinha de ter uma rede de esgoto individual, mas não tem. Queria que alguém me mostrasse estes tanques”, finalizou. Segundo o supervisor do IML, o projeto de reforma na unidade de Petrolina só depende da liberação de recursos por parte do governo do estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *