Se não chover nos próximos meses, Usina Hidrelétrica de Sobradinho vai perder a capacidade de gerar energia

por Carlos Britto // 16 de junho de 2015 às 06:40

lago de sobradinhoA seca no Rio São Francisco atingiu a situação mais crítica da história. Se não chover nos próximos meses, a Usina Hidrelétrica de Sobradinho, norte da Bahia, vai perder a capacidade de gerar energia. O reservatório de Sobradinho está com 20% da capacidade de armazenamento, que é de 34 bilhões de metros cúbicos. Desde a semana passada, a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) mantém a vazão entre 900 e mil metros cúbicos por segundo.

Para o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF) – organização com representantes da sociedade civil e dos governos federal, estaduais e municipais-, a culpa não é só da falta de chuvas. “Vez ou outra se pede a redução da vazão e não se trabalha num planejamento mais eficaz para que o sistema interligado nacional de energia possa garantir a energia para o país e deixar o rio São Francisco um pouco mais ameno“, diz Maciel Oliveira, Comitê Bacia do São Francisco.

Porto de Petrolina

Embarcações que antes transportavam quatro mil toneladas de grãos por viagem estão paradas no Porto de Petrolina há mais de um ano. Quase cem trabalhadores foram demitidos. “A última viagem que foi feita, em abril de 2014, foi uma viagem que demorou 42 dias. Isso aí é terrível, não tem condições de suportar“, lamenta Francisco Emício dos Santos, diretor do porto.

Redução da vazão

A Companhia Hidrelétrica do São Francisco, Chesf, diz que recebeu autorização especial do Ibama e da Agência Nacional de Águas, ANA, para diminuir a vazão e evitar que o rio seque. “Felizmente temos um sistema de barragem. Porque se ele não existisse, as vazões eram até menores. Chegariam vazões de 400 metros cúbicos por segundo, 300 metros cúbicos por segundo. E um sistema de barragem, além de propiciar a geração de energia elétrica, ele regulariza o rio propiciando vazões importantes durante todo o ciclo“, afirma Mozart Arnaud, diretor de operação da Chesf.

A Agência Nacional de Águas (ANA) declarou que o Operador Nacional do Sistema (ONS) pediu a diminuição de vazão do Rio São Francisco para preservar o volume de água dos reservatórios de Sobradinho e de Xingó. A agência declarou também que está avaliando com a Chesf e com o Ibama as consequências da manutenção da vazão mínima do rio. O Ibama não quis se pronunciar. (fonte: G1/foto: reprodução TV Globo)

Se não chover nos próximos meses, Usina Hidrelétrica de Sobradinho vai perder a capacidade de gerar energia

  1. Diego disse:

    o interessante é q o investimento no transposição do rio vai de vento em popa! agora p recuperação do rio n fazem nada! para que serve a transposição se nao tiver RIO?

    1. Rejane disse:

      Concordo plenamente com você, em gênero, número e grau.

  2. Luis Fernando disse:

    Enquanto isso os recursos para a transposição do São Francisco estão garantidos. Enquanto isso as usinas eólicas são construídas sem que haja linhas de transmissão para levar sua energia. Estamos assistindo de camarote a uma classe de políticos acabar com o Brasil, tornando-o um país preparado para nunca dar certo e viver de eternas promessas. E não falo de PT, PMDB, PSDB ou qualquer outro partido. Enquanto tivermos deputados com 40 anos de mandato e políticos que elegem seus filhos, sobrinhos, primos, netos e bisnetos o que vai mudar?

  3. idalina Santos da cunha disse:

    Concordo com você Luiz. O povo tem o poder na mão e não faz nada. Se todo brasileiro no dia da eleição ficasse em sua casa e não tivesse os votos necessários para eleger esses políticos corruptos que só pensam em si próprios e em sua familia ai sim a coisa poderia mudar. Mas enquanto a gente povo brasileiro continuar votando neles nada vai mudar.

  4. SUPER VERDADE CARO LUIZ! UM PAIS A BEIRA DO ABISMO, PROVOCADO POR POLÍTICOS SEM COMPROMISSO COM A NAÇÃO, COMO DIZIA A MÚSICA GRANDE PÁTRIA DESIMPORTANTE! TANTA SAFADEZA DOS POLÍTICOS DESSE PAIS. TUDO FARINHA DA MESMA SAFRA!

  5. André disse:

    Para que a transposição de um rio seco?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *