Ruy Amorim: “Jarbas fala o que não pratica, não apurou corrupção e fui demitido por denunciar”

por Carlos Britto // 22 de abril de 2009 às 11:00

Com a recente visita do senador Jarbas Vasconcelos a Petrolina nós resolvemos abrir o baú e trazer à tona uma história que a cidade nunca entendeu por completo: A demissão de Ruy Amorim do Ciretran quando era aliado histórico do então governador Jarbas Vasconcelos.

Nós convidamos  o ex-presidente do PMDB em Petrolina, e  em uma visita ao Blog ele conversou conosco sobre esse período e sobre as irregularidades que denunciou na 8ª Ciretran, na época que ele era diretor do órgão, e como sua vida política se transformou após esse episódio.

Em uma conversa franca, Ruy falou da decepção que sofreu com a falta de solidariedade dos companheiros do PMDB e como a impunidade resultou em sua exoneração do cargo público e na perda dos cargos que ocupava no partido.

Segundo Ruy, durante sua gestão na diretoria da 8ª Ciretran foram constatadas por ele irregularidades na emissão de habilitações, assim como na emissão de registros de veículos e na vistoria de roubos e furtos.

“Os servidores do Recife costumavam levar as planilhas um dia antes da realização dos exames para o hotel dizendo que era para separar as classificações das habilitações, mas esse trabalho já era realizado pelo sistema, os funcionários das auto-escolas iam ao hotel e lá eles faziam a negociação. Custava 50 Reais uma habilitação”, declarou.

Ruy alega que fez as denúncias dessas irregularidades ao Ministério Público após alguns candidatos confirmarem que haviam pago por suas habilitações.

“Eu já havia feito essas denúncias diversas vezes à diretoria e não foi tomada nenhuma providência. Então com essas informações recorri ao Ministério Público e o promotor colheu meu depoimento. Para minha surpresa, dois dias depois encontrei o promotor em um jantar e ele me disse que duas pessoas confirmaram que deram dinheiro e assim eu fiquei tranqüilo”.

O ex-presidente conta que alguns meses após a denúncia, ele foi exonerado do cargo sem nenhuma explicação e foi aconselhado a retirar a denúncia e pedir desculpas ao diretor geral do Detran, além de não ter tido mais nenhuma atitude do MP em relação ao caso.
Por não ceder às pressões o ex-presidente do PMDB alega que foi punido e perdeu suas funções no partido.

“Eu era o presidente do PMDB em Petrolina, cargo que ocupei por 19 anos, era membro do diretório regional há mais de dez e membro da executiva do diretório regional a mais de seis anos. Tiraram-me tudo politicamente, agora sou apenas um filiado do PMDB”.

Em relação à postura do então governador do estado na época, Jarbas Vasconcelos, ele diz também nunca teve nenhum apoio.

“Infelizmente de lá para cá não falei com ele, mas ainda pretendo procurá-lo, mostra a ele os relatórios que fiz na época. No primeiro momento até pensei que ele não sabia por que um cargo de Detran está muito distante do cargo de governador, é possível que no momento que ele assinou minha exoneração ele não estivesse sabendo, mas como foi um caso muito divulgado na mídia local e estadual ele deve ter tomado conhecimento, hoje com certeza ele sabe”.

Ele se mostrou magoado por não ser lembrado:

“Hoje ele vem a Petrolina e eu estou aqui esquecido, eu nem soube o dia que ele esteve aqui. Vou esperar o momento certo para procurá-lo, vou marcar uma conversa e esclarecer essa história, mostrar a ele o quanto ele perdeu politicamente na região porque a imagem dele saiu arranhada”, desabafou.

Amorim também se diz decepcionado com os membros da executiva do partido.

“Nenhum companheiro se prestou ao papel de fazer a intermediação entre mim e Jarbas, nenhum. Em política nada é irreconciliável, eu tenho umas história, sempre participei ativamente, sou filiado há 34 anos, mas eu tinha que ser punido pelo governo porque denunciei a corrupção e tinha que ser punido pelo partido, em função disso não houve nenhuma solidariedade”.

Sobre as recentes denúncias de Jarbas Vasconcelos afirmando que o PMDB é um partido corrupto, Amorim diz que no âmbito nacional concorda com o senador, porém ficar somente no discurso não adianta.

“É difícil aceitar que alguém fale e não pratique e deixe que no seu governo alguma coisa aconteça. Ao invés de punir quem errou, puniu quem denunciou”.

Ele afirma ainda que um dos maiores de erros de Jarbas foi “envelhecer” o PMDB de Pernambuco.

“Hoje todas as lideranças políticas do PMDB têm mais de 50 anos. O antigo setor jovem do partido está compondo o governo de Eduardo Campos, são pessoas com 45, 50 anos. Não se fez nenhum trabalho para agregar jovens ao partido, não vejo nenhum jovem se filiando ao PMDB em Petrolina”, criticou.

Apesar dos dissabores, Amorim afirma que não pretende se desligar do partido.
“Acredito que o partido está cima das pessoas , as pessoas passam, envelhecem, morrem e o ideal do partido fica”, finaliza.

Ruy Amorim: “Jarbas fala o que não pratica, não apurou corrupção e fui demitido por denunciar”

  1. ........ disse:

    É MUITO FACIL CUSPIR NO PRATO QUE CUMEU………………………

  2. Pascal disse:

    Conheço Rui Amorim há muito tempo e sei da história dele: é confiável no que fala ! Quanto a estratégia de ir a hotel para “aprovar” candidatos não sei se é a mesma…

  3. RICARDO BANANA disse:

    Britto, Rui Amorim é um exemplo da ética. Sempre foi um progressista……..

  4. Tontonho disse:

    O SR. RUI AMORIM TEM RAZAO…
    PENA QUE NADA FOI FEITO….
    TUDO NA MESMA…
    O MESMO PARTIDO HOJE ABRIGA O PREFEITO DE PETROLINA, E NAO VAI PRA LUGAR NEMHUM.
    SERIA MUITO INTERESSANTE QUE O DR JULIO, VERIFICASSE IMEDIATAMENTE A POSSIBILIDADE DE SE COLIGAR COM OUTRAS FORÇAS POLITICAS PORQUE SE NAO O FIZER ESTARA PREJUDICANDO SERIAMENTE O DESEMPENHO DA SUA ADMINISTRAÇAO E O BEM ESTAR DO PETROLINENSE.
    O BARCO QUE ELE ESTA É FURADISSIMO!!! NAO TEM APOIO POLITICO PARA LEVAR A ADMINISTRAÇAO DA CIDADE A FRENTE, TAMPOUCO TEM EQUIPE DE COMPETENCIA PARA TAL!
    ESTAMOS FRITOS!!
    BURACOS, SAUDE, EDUCAÇAO, TUDO PELO RALO!!

  5. Humberto Filho disse:

    Quem disse que essa prática acabou. Se a policia, o MP ou qualquer orgão de impresa quiser fazer um flagrante é so pegar uma camara escondida e pode constatar que até hoje isso é feito da maneira mais natural possivel. Em todas as auto-escolas de Petrolina, antes do candidato ir fazer o teste prático pergunta ao candidato se ele quer garantir a carteira porque na hora H pode ficar nervoso e faz a proposta de pagamento tranquilamente. Tem que se parar de fingir ou fazer de conta que está tudo certo, pois todo mundo que tira carteira de motorista aqui em Petrolina sabe disso.

  6. ATENTO disse:

    Jarbas, quando denunciou que no PMDB havia corrupto, sabia muito bem do que estava falando…

  7. Paulo disse:

    Blogueiro,

    Rui Amorim é uma personalidade de reconhecida ética e responsabilidade.
    Um militante político exemplar.
    Mais uma vez, Ele vem comprovar a sua dignidade. É membro nato do PMDB, porém tem compromisso com a verdade. Jarbas Vasconcelos é mais um político cheio de retórica e maus exemplos.
    Parabéns Rui! Continue sendo exemplo.

  8. Sydbarret disse:

    Meus parabéns Carlos Brito por mais essa entrevista. Esse seu espaço é o mais democrático e imparcial de Petrolina.

    Sugiro que continue a sua série de entrevistas com políticos e personalidades de Petrolina e Região.

    Quanto ao Rui Amorim é um cidadão que agiu de boa fé no Detran.
    A sua queixa contra Jarbas papa-miss é mais do que justa.

    É triste ver o encolhimento do PMDB no nosso estado.

  9. AERO disse:

    valeu Rui Amorim voçê é uma referencia na politica de Petrolina,pena que jarbas decolou e não lembre de tantas vezes que viajava com voçê de fusquinjha e comendo kitute frio no interior de Petrolina , foi assim que Rui amorim apresentou jarbas vasconcelo a nossa petrolina. parabens Rui o povo de Petrolina lhe conhece…

  10. Francisco disse:

    Essa pratica é recorrente.
    Por R$ 50,00 qualquer mortal tira sua carteira sem precisar fazer os testes.
    É super fácil montar um flagrante.
    Todo mundo na cidade sabe disso, menos o MP e a polícia.

  11. ................... disse:

    Francisco isso é verdade. era com Jarbas é com Eduardo tudo calça 40

  12. Rui Amorim, mais uma vez, você corajosamente mostra a sua lealdade aos princípios da moral e da ética, ensinando a todos nós, que o Carater e a Lealdade não tem sido atributos de todo Homem e sobretudo de muitos Políticos travestidos de paladinos da verdade. O Grande exemplo é o JARBAS VASCONCELOS que você apresentou a muitos Petrolinenses e Sertanejos e na hora que mais você precisou dele, recebeu uma punhalhada nas costas. Mas, a verdade sobropõe a mentira e nós somos testemunhas de sua HONESTIDADE, ZELO PELA CAUSA PUBLICA, DO SEU CARATER INABALAVEL E DA LEALDADE QUE VOCÊ TEM PARA COM OS AMIGOS. Um dia a história ser-lhe-á testemunha de todos os seus atos. Um abraço, José Batista da Gama, Professor do IFET.

  13. genivaldopetro@hotmail.com disse:

    ATÉ HOJE É ASSIM,NEM JARBAS NEM A BELEZA DO EDUARDO DÃO JEITO.POR ISSO QUE NOSSO PAÍS NAO PROGRIDE

  14. Danilo disse:

    Carlos Britto,

    Gostaria de entender a mente humana, Ruy Amorim na época em que foi demitido do CIRETRAN, recebeu de todos a solidariedade por seu justo, por ser competente, inclusive na Câmara de Vereadores onde trabalhar por 6 anos ele recebeu uma moção de aplausos, indicada pelo então vereador Ademar Nonato Barbosa, eu inclusive passei a ter uma grande admiração por ele. As pessoas falavam da conduta que ele tem, do caráter, etc. Porém Britto, o que me choca é que ele nunca teve atitude pra se afastar do mau, ou seja, quando agente sabe que algo nos faz mal, a nossa primeira atitude é se afastar, Rui ao contrário agiu, continua no PMDB, apoiou Julio Lóssio, e o pior, votou em Jarbas Vasconcelos para Senador.. Pode uma coisa destas.. Por isso ele eu entendo que ele está na situação em que está porque ele mesmo quer… Ao contrário dele, que frizou : “Acredito que o partido está cima das pessoas , as pessoas passam, envelhecem, morrem e o ideal do partido fica”, eu acredito que as pessoas estão acima dos partidos, são as pessoas que compoem os partidos, que criam as normas, os partidos abrigam idéias de pessoas, e quando não mais nos encaixamos na filosofia de um partido, ainda mais por tal motivo, que ele mesmo citou, acho que ele deveria se afastar do partido….

  15. Pe. Antonio disse:

    A propósito do que denuncia Ruy sobre corrupção, vejam o retrato da grande maioria dos politicos inclusive dos que exercem altos cargos no na Câmara e no Senado.

    Excelências sem fronteiras
    Dora Kramer, dora.kramer@grupoestado.com.br
    Não há boa vontade ou espírito de tolerância democrática que considere aceitável a nota oficial do presidente da Câmara, Michel Temer, confessando malfeitorias, admitindo mentiras, reconhecendo que os parlamentares brasileiros não têm noção de limite nem conseguem distinguir entre o certo e o errado.

    Tampouco é possível crer que possa haver reforma administrativa ou política que resolva o problema se o agente público – do servidor mais humilde ao presidente da República, passando pelo juiz, o deputado, o senador – não mudar seu modo de agir e de pensar.

    A crise vai muito além do Poder Legislativo e suas condutas erráticas, quando não criminosas. A crise é moral, de valores, de ausência de espírito público, de dissolução de princípios, de descaramento absoluto.

    Doze dias depois de atribuir as agruras do Congresso a uma campanha da imprensa e defender o repúdio às denúncias em defesa da democracia, Michel Temer assinou o seguinte texto: “Em razão da ampla utilização de passagens aéreas nos gabinetes parlamentares, o presidente da Câmara reconhece que deputados, inclusive ele próprio, destinaram parte dessa cota a familiares e terceiros não envolvidos diretamente com a atividade do Parlamento. Tudo porque o crédito era do parlamentar, inexistindo regras claras definindo os limites de sua utilização. Por outro lado, surgem às vezes equívocos na utilização da verba indenizatória, na de postagem, na de impressos e no auxílio-moradia.

    Daí porque o presidente da Câmara dos Deputados determinou estudos para a readequação e reestruturação geral e definitiva de todos os pagamentos feitos pela Casa. As diretrizes dessa readequação serão a transparência absoluta (já definida nas verbas indenizatórias), a redução dos gastos e a sua publicidade para que todos a elas tenham acesso. Marcos legais claros e definitivos serão colocados à disposição dos parlamentares e de todos os interessados ainda nos próximos dias”.

    Dizendo de maneira clara: as denúncias tinham fundamento, os parlamentares entendem que se o erro não é proibido é permitido, há abusos no uso de outros benefícios, a direção da Câmara mentiu quando anunciou medidas moralizadoras, não há regra de transparência, a Casa é, pois, uma caixa-preta.

    Presidida por um professor de Direito Constitucional que já foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, pretendeu por diversas vezes ser ministro da Justiça, considera-se preparado para pleitear a Vice-Presidência da República, mas não sabe que as passagens aéreas pagas com o dinheiro público não são bem de uso privativo do parlamentar, destinam-se ao exercício do mandato que, delegado pelo cidadão nas urnas, não é extensivo à família nem aos amigos.

    Da mesma forma o Senado. É presidido por um ex-presidente da República, por duas vezes ex-presidente do Senado, ex-governador, 50 anos de vida pública e a condução da transição democrática nas costas, mas acha normal usar agentes de segurança do Senado (pagos com o dinheiro público tal e qual os funcionários domésticos contratados com verbas da Câmara por deputados) para vigiar suas propriedades no Maranhão.

    O antecessor e atual parceiro, Renan Calheiros, também achava natural ter despesas pessoais pagas por um lobista e apresentar notas fiscais frias como documentação de defesa no Senado. Concepção compartilhada pelos “nobres colegas” que o absolveram na acusação de quebra de decoro parlamentar.

    Visão esta, disseminada pela Esplanada dos Três Poderes afora. Alcança o presidente da República, que, entre outros maus costumes, joga papel no chão, fuma no gabinete a despeito da proibição legal porque considera o espaço como “seu”, zomba dos outros e acha a contabilidade paralela em campanhas eleitorais uma prática tão aceitável que não se constrange em usá-la como argumento de defesa de seu partido.

    E o que dizer de ministros do Tribunal de Contas da União que moram indevidamente em imóveis funcionais do Congresso? Falar o que de funcionários que se aproveitam de qualquer oportunidade para patrocinar, emprestar seus serviços para oficializar e também usufruir dos abusos?

    E dos ministros que se licenciam do Parlamento e levam junto a cota de passagens achando tudo muito ético porque supostamente não há veto na lei? Só supostamente, porque o Ministério Público vem reiterando que há, sim, ilegalidade.

    Alertou inclusive à Câmara recentemente. Na semana passada mais precisamente. Aconselhou o corte de passagens para os Estados de origem a deputados e senadores residentes em Brasília, no Distrito Federal, seu Estado de origem. Fez mais duas ou três sugestões, solenemente ignoradas por um colegiado de dirigentes que preferiu desafiar a tudo e a todos com a oficialização das viagens financiadas pelo Legislativo.

    Como solução, o presidente da Câmara determina a realização de “estudos” para “readequação” de procedimentos, numa demonstração de que a desfaçatez não tem fronteiras.
    (Matéria veiculada no Jornal O Estado de São Paulo, do dia 22 de abril na coluna da Jornalista Dora Krame)

  16. Robson disse:

    Istó é uma verdade, quando fui tirar a habilitação fui perguntado se queria entrar neste esquema pois estava inseguro no teste da moto, o esquema é tão facil de pegar: ” os cabeças são instrutores dos CFCs e funcionários do detran de (RICIFI).”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *