Psicóloga denuncia: Tem crianças de apenas 9 anos viciadas em crack em Petrolina

por Carlos Britto // 13 de maio de 2015 às 06:25

Raisa Figueiredo psicólocaO consumo de crack tem tido um efeito devastador que começa a roubar a infância de crianças cada vez mais cedo em Petrolina. Segundo a psicóloga do Centro de Atenção Psicossocial Infantil (Capsi), Raiza Figueiredo, não há dados precisos sobre o assunto, mas já se tem conhecimento de crianças de apenas nove anos entregues ao vício da droga.

Acompanhamos mesmo um número pequeno de crianças, mas tivemos casos recentes de crianças num estágio crítico do vício, com apenas nove anos de idade. Infelizmente o vício está atingindo algumas crianças cada vez mais cedo”, lamenta a psicóloga.

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, as vítimas da dependência nem sempre são crianças em situação de rua. Segundo a psicóloga, algumas acabam caindo no vício mesmo dentro do ambiente familiar.

A maioria dos casos são de crianças que realmente vivem em situação de rua, mas também há casos que mesmo envolvidas no ambiente familiar, as crianças ainda se envolvem com as drogas ilícitas e álcool”, disse.

Em entrevista ao Blog, uma mãe que pediu para não ser identificada contou seu drama ao descobrir que seu filho, de apenas 13 anos, estava envolvido com drogas. A mãe contou que já procurou tratamento, mas diz sentir-se impotente diante do vício do filho.

Eu comecei a desconfiar porque ele estava muito malcriado. Fui investigar no Facebook dele, fui vendo as coisas até que pressionei e ele confessou. A gente fica só se perguntando onde foi que errou, porque nenhuma mãe quer uma coisa dessas. O pior é que eu nem sei o que fazer, porque já levei ele ao psicólogo e não posso interná-lo à força. Ela [psicóloga] disse que a gente tem que conversar e ver o que está o levando para esta vida, mas conversa parece que não resolve. Não sei o que fazer, só rezo por ele”, desabafou a mãe.

Tratamento

De acordo com a psicóloga, a depender do caso o tratamento é feito com medicamentos e acompanhamento psicoterapêutico, no qual a família do viciado também precisa estar envolvida.

Geralmente o tratamento dura cerca de seis meses. Mas é um momento que precisamos muito da ajuda da família. Isso também pode envolver Conselho Tutelar, Defensoria Pública ou o Centro de Referência de Assistência Social. É um trabalho delicado que envolve muita gente”, disse.

O CAPS fica localizado na Rua da Canafístula, número 225, bairro  Areia Branca. Quem deseja buscar atendimento deve comparecer à unidade das 8h às 12h e das 14h às 18h. O telefone para contato é (87) 8817- 0679.

Psicóloga denuncia: Tem crianças de apenas 9 anos viciadas em crack em Petrolina

  1. Maria disse:

    Aonde errou Mãe? Quando deu liberdade demais, quando deixou seu filho fazer tudo o que queria desde pequenininho achando bonito e engraçado, quando fazia todas as vontades dele para que ele não fizesse escândalo. Foi aí que começou a errar, quando passou a sair de casa, não se preocupou aonde ia, com quem ia e o que ia fazer, sem dar disciplina e ordem. Agora é tarde, agora é só chorar e contar com a Misericórdia Divina, pois como Mãe falhou na educação.
    Que essas palavras não sirvam para irritar as mães, mas que sirvam para que elas reflitam e revejam sua posição na educação de suas crianças ainda pequenininha, pois é melhor ver a criança chorar porque não tem a sua vontade atendida agora, do que vê-la sofrendo nas mãos dos traficantes e não poder fazer mais nada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *