Provocado, vereador Paraíba parte para cima de líder comunitário, que devolve: “Ele anda com jagunço”

5

paraíba se desentende com líder comunitário

O desentendimento entre o líder governista Ednaldo Lima (PMDB) e o presidente da Casa Plínio Amorim, Osório Siqueira (PSB), não foi o único envolvendo vereadores durante a longa audiência pública desta terça-feira (16), sobre a questão fundiária de Petrolina. Integrante da base aliada na Câmara Municipal, Paraíba perdeu a paciência com o líder comunitário do Perímetro Irrigado Maria Tereza, conhecido por Sebastião ‘Zuada’, que o teria mandado “calar a boca”.

Revoltado, Paraíba deixou seu assento no plenário e partiu para cima do líder comunitário, sendo contido pelos demais colegas. Com os ânimos mais calmos, um contestou a versão do outro.

Sebastião Zuada garantiu não ter mandado o vereador calar a boca, como justificou Paraíba. O que aconteceu, segundo ele, é que a bancada governista teria tentado “tumultuar” o discurso do vereador oposicionista Dr.Pérsio Antunes, quando este tentava justificar o porquê de ainda não ter respaldado o projeto de regularização fundiária proposto pelo Executivo.

“Ele (Paraíba) e outros da bancada queriam confundir a fala do vereador para a gente, que estava na plateia, não entender. Mas Dr.Pérsio estava falando a verdade”, disse. “Quando eu tava pedindo paciência no plenário, um jagunço de Paraíba partiu para me agredir. Se eu visse antes, eu tinha pedido ao segurança retirar ele”, disse o líder, acrescentando que tem todo direito de se manifestar como cidadão na Casa do Povo.

Vereador

Paraíba justificou que tentava contribuir com o debate, ao conversar com o colega de bancada Alvorlande Cruz (PRTB), quando Sebastião Zuada o mandou calar a boca. “Ele partiu para mim, dizendo para que eu ficasse calado por estava atrapalhando a audiência”, explicou. “Minha intenção era de ajudar a aprovar a regularização fundiária das comunidades. Mas não vou aceitar que uma pessoa que não faz parte de nenhuma dessas comunidades, porque ele é do interior, me mande calar a boca”, defendeu-se.

O vereador alegou também que saiu em direção ao líder comunitário porque por temer que seu pai – que estava sentado ao lado de Sebastião Zuada na plateia – pudesse sofrer algum tipo de agressão. “Mas ainda vou cobrar dele o respeito, porque não estou aqui nem para agredir, nem para levar grito de ninguém”, finalizou.

5 COMENTÁRIOS

  1. Esse paraiba é um descontrolado não merece ser vereador nem falar sabe petrolinense não vote nesse cara esse vereador sem projeto só sabe brigar ,não fez nada por petrolina e nem no bairro que mora pega a mala vereador e saia de petrolina e junto esses assessores de meia tigela

  2. está comprovado que esse cara não tem equilíbrio mental para ser vereador paraiba você está sendo mal assessorado eu te avisei você não ligou agora perdeu você não ganha nem para presidente de associação já vai tarde arruma mala ai e se manda

  3. Esta história de casa do povo não significa casa de mãe Joana. O respeito e a ordem tem que prevalecer no ambiente legislativo. Este Sebastião zuada é famoso como perturbador. Em todo lugar ele apronta. Ele precisa ser enquadrado pela postura desrespeitosa e desarmonia que lhe caracteriza.

  4. Tudo isso que está acontecendo é culpa desse prefeito que paga a líderes comunitários para perturbar a câmara e os vereadores oposicionistas igual os bandidos do PT.
    PT e prefeito seus dias estão CHEGANDO!

Deixe uma resposta para morador do seu bairro Cancelar resposta

Comentar
Seu nome

7 − um =