Projeto prevê que patrão pague 30% dos gastos com home office

1
Foto: Reprodução

Um projeto de lei em tramitação na Câmara dos Deputados estabelece que o empregador dê um “auxílio home office” aos funcionários que estão trabalhando em casa. A proposta é que o patrão pague 30% dos gastos relacionados ao serviço remoto, como internet, energia elétrica, softwares e hardwares, equipamentos tecnológicos e infraestrutura.

Segundo o deputado Márcio Marinho (Republicanos-BA), autor da proposta, o objetivo do projeto não é repassar todo o ônus ao empregador, mas também não deixar que o empregado fique com toda essa despesa relativa ao trabalho. O projeto estabelece que as despesas deverão ser comprovadas e que o auxílio deverá ser pago no mês posterior ao que o empregado comprovou as despesas, preferencialmente com o pagamento do salário.

O texto diz ainda que o auxílio para o home office não tem natureza salarial, nem poderá ser incorporado à remuneração. Também não deve incidir sobre o valor contribuição previdenciária e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), além de não ser considerado rendimento tributável do trabalhador.

O projeto, que foi apresentado em dezembro do ano passado, ainda precisa passar por comissões e votações na Câmara e no Senado para começar a valer. (Com informações da Agência Câmara de Notícias)

1 COMENTÁRIO

  1. A diminuição do custos de manutenção de um funcionário nas dependências da empresa era um dos pontos positivos do home office, agora vem o governo querer acabar com isso.

    Como sempre o Brasil na contramão do desenvolvimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

14 + dez =