Presidente da Cubape quer audiência pública para debater segurança no trânsito da Avenida Sete de Setembro

11

O presidente da Central Única de Bairros de Petrolina (Cubape), Pedro Caldas, vai oficializar nesta terça-feira (25) na Câmara de Vereadores pedido de realização de uma audiência pública para debater a segurança no trânsito da Avenida Sete de Setembro. Como este Blog já mostrou, após as obras de duplicação, o local ainda não dispõe de um trecho seguro para pedestres e ciclistas.

Na noite de ontem (24), uma mulher veio a óbito na avenida, após ser atropelada por um carro de passeio. Ela estava de bicicleta e tentava atravessar para o outro lado da pista.

Para a audiência deverão ser convidados representantes do DNIT, prefeitura municipal, PRF, Ministério Público Federal (MPF), AMMPLA, Secretaria de Infraestrutura, Associação dos Ciclistas de Petrolina e líderes comunitários. Um dos principais assuntos a serem abordados é que as autoridades apresentem medidas que assegurem o cumprimento do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o qual afirma que “é dever do Estado assegurar a todos um trânsito seguro”. “Precisamos o mais rápido possível unir forças para que outras vidas não venham ser ceifadas na nova Avenida Sete de Setembro”, pondera Caldas.

11 COMENTÁRIOS

  1. Quem inventou essa obra não pensou nos pedestres nem nos ciclistas…..esse não tem conhecimento em trânsito….espera acontecer várias trágedias para tomar providência….tem era pra ser igual à Avenida Monsenhor Angêlo Sampaio…duas vias indo e duas voltando …..via para pedestre e ciclista…não esse absurdo de dinheiro perdido na avenida sete de setembro….onde será que esse estudou?

  2. Na hora de fazerem esta mercadoria não teve audiência ,depois que não tem mas jeito vem como mais uma conversa mole,o povo não quer nem uma audiência eles querem providência .

  3. Esse aí foi um dos defensores dessa imbecilidade, que agora conta com vítima fatal. Agora vem com essa de audiência pública. Ora onde estava a cúbape quando houve a elaboração do projeto dessa coisa aí, se é que houve sequer um estudo técnico do tráfego na área para basear essa obra? Não é possível que uma obra que custou quase 10 milhões tenha tantos erros grotescos, como a ausência de acostamento, passarelas e ciclovias numa via que deveria ser de trânsito rápido.

  4. Fosse eu familiar da vítima processava o DNIT e a Prefeitura (querem o bônus, tem que arcar com o ônus também), está claro que essa obra está repleta de erros de planejamento. O MP tem que tomar alguma atitude.

  5. tem que ver pra onde foi o dinheiro que era pra ser feito as passarelas. nao sei como faz uma duplicaçao sem espaco pra pedestres e ciclistas e pra complicar mais ainda com aquele concreto no meio que eu vejo com muito sacrifico o povo pulando. isso só acontece aqui na terra dos impossiveis.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome