Polícia fecha fábrica clandestina de vinho que funcionava no Agreste

por Carlos Britto // 16 de abril de 2009 às 18:36

Uma fábrica clandestina de vinho de gengibre foi fechada pela polícia, nesta quinta-feira (16), em Lajedo, no Agreste pernambucano. Sessenta e quatro grades de garrafas de vinho com o rótulo Quentinho foram apreendidas e José Pedro da Silva, 49 anos, apontado como gerente, foi preso.

Segundo o delegado Paulo Rameh, responsável pela ação, a fábrica funcionava no sítio Olhinho d’Água, na zona rural de Lajedo, sem autorização da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária. O dono da propriedade, José Dílson da Silva, não foi encontrado pela polícia.

Ainda de acordo com Rameh, a verdadeira fábrica Gengibre Quentinho, que existe desde 1962, está estabelecida no município vizinho de Cachoeirinha. O dono dessa fábrica não tinha conhecimento da clandestina.

José Pedro da Silva foi autuado em flagrante por crime contra a saúde pública e encaminhado à cadeia de Lajedo.

Os policiais da Delegacia Especializada no Combate aos Crimes contra a Propriedade Imaterial continuam procurando o dono do sítio Olhinho d’Água, para prestar esclarecimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *