Polêmica envolvendo consulta para escolha de reitores chega à Univasf

1
Campus Sede da Univasf, no Centro de Petrolina. (Foto: Blog do Carlos Britto)

Manoel Messias Alves de Sousa, conselheiro e coordenador do Colegiado de Ciências da Natureza da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) em Senhor do Bonfim, no norte da Bahia, concedeu entrevista ao Programa Carlos Britto, na Rural FM, e falou sobre a eleição para reitoria da universidade. Contrário ao processo feito por consulta informal, ele diz que o Conselho Universitário sempre defendeu eleição paritária, quando os votos são contados individualmente, sem diferença de peso entre as três categorias da instituição (professores, técnicos e alunos).

Defendemos uma eleição paritária, que cada segmento represente um terço do voto total. E que, posteriormente, como historicamente foi feito, o Conselho Universitário simplesmente ratifique o resultado dessa consulta informal, que são duas coisas diferentes“, declarou Manoel Messias.

Vale destacar que essa polêmica envolvendo a eleição de novos reitores ocorre em todo o país. A nomeação é de atribuição do presidente da República, que recebe uma lista tríplice das instituições de ensino superior.

Atual gestão

Sobre a atual gestão, ele diz que Julianeli Tolentino faz uma “ingerência” e tem medo de discutir sobre os problemas administrativos. “Todos nós defendemos uma universidade pública, gratuita e de qualidade, por caminhos diferentes“, diz o Conselheiro, afirmando que o reitor não é capaz de se articular com os governantes. “Ele não conseguiu se articular, não conseguiu chegar aos governadores da Bahia, Pernambuco e Piauí para pedir apoio“, disparou.

Manoel Messias citou a situação do Campus em Senhor do Bonfim, que segundo ele, está “sucateado“. O Blog pediu um posicionamento da reitoria da Univasf sobre as declarações do professor e conselheiro. O áudio completo da entrevista está disponível abaixo.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome