Pernambuco cresce mais do que Brasil e Nordeste tem pior desempenho entre as regiões

0
Foto: Patrícia Monteiro / Esp.DP Foto

Em tempo de retomada lenta e gradual do crescimento econômico no país, o Nordeste é onde ela ocorre de modo mais desacelerado (0,7%). Pernambuco, por sua vez, está mais próximo dos índices nacionais do que dos da região onde está inserido, crescendo, inclusive acima da média do Brasil.

Enquanto a performance brasileira no último trimestre foi de + 0,9%, a pernambucana alcançou os índices de 1,1%. A atividade econômica do estado acelerou no trimestre encerrado em novembro, alcançando, inclusive, a maior taxa de crescimento dos últimos cinco trimestres. A perspectiva, para 2020 é a repetição dos resultados positivos. Os dados são do Boletim Regional do Banco Central e significam uma prévia do PIB, a ser divulgado pelo IBGE em março. O documento analisa as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul e os estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul.

O Índice de Atividade Econômica Regional – Nordeste (IBCR-NE) variou 0,2% no trimestre encerrado em novembro de 2019 em relação ao finalizado em agosto. Em doze meses o IBCR-NE registrou alta de 0,6%. De acordo com Túlio Maciel, chefe do departamento de desenvolvimento econômico (Depec) do Banco Central, durante 11 anos, a região cresceu mais do que a média nacional, mas os dois anos anteriores ilustram a reversão do quadro.

Se a indústria foi protagonista no baixo desempenho do Nordeste, o contrário aconteceu em Pernambuco onde houve a retomada de derivados de petróleo e do setor químico – aliada a indicadores favoráveis da demanda por bens e serviços.

O IBCR-PE alcançou 1,3% no trimestre encerrado em novembro, após 0,1% no mesmo intervalo precedente. No comércio, também houve crescimento: 2% no trimestre, em relação ao finalizado em agosto, quando havia crescido 0,6%, na mesma base de comparação. Destaquem-se os resultados de móveis e eletrodoméstico (7,3%); combustíveis e lubrificantes (4,8%) e veículos e motocicletas (4,3%). Quanto à safra agrícola, a participação da cana-de-açúcar na economia do estado ainda é alta (30%).

Para 2020, a expectativa é de estabilidade/manutenção, embora o nível de produção esteja deslocando-se para Centro-Oeste e São Paulo.

Fonte: Diário de Pernambuco

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome