Operação intensifica recolhimento de animais soltos pelas ruas de Juazeiro

por Carlos Britto // 29 de abril de 2021 às 15:30

Em Juazeiro (BA), a Secretaria de Meio Ambiente e Ordenamento Urbano (SEMAURB) está intensificando a operação de recolhimento de animais de grande porte encontrados soltos pelo Centro e bairros da cidade. A ação é educativa e preventiva, e visa a dar mais segurança à população.

As equipes pedem que os donos de cavalos, jumentos, bois, bodes, ovelhas, porcos – entre outros – não criem esses animais soltos porque põem em risco a saúde e a integridade física tanto dos bichos quanto da própria população. A equipe da SEMAURB realiza rondas de segunda a sábado e recolhe animais que estejam perambulando nas vias e logradouros públicos.

Os dados mostram que de 8 a 10 animais são recolhidos por semana (cerca de 40 por mês) – a maioria jumentos e éguas com crias. A SEMAURB explica que os animais que estejam amarrados não são apreendidos. Depois de recolhidos das ruas, os animais são levados para um curral do município localizado no bairro São Geraldo, onde ficam temporariamente por três dias, até que o proprietário seja localizado e retire o animal, após pagar multa no valor de R$ 126,27.

Depois desse prazo, se o dono não for localizado ou não procurar a SEMAURB para regularizar a situação, os animais são encaminhados para um curral localizado no distrito de Carnaíba do Sertão, onde permanecem por noventa dias. Após esse período, de acordo com o artigo 75 da Lei 018/2016, o Código de Polícia Administrativa do Município, a prefeitura tem autorização para encaminhar o animal para instituições ou entidades filantrópicas ou de pesquisa.

 Denúncias

A população pode denunciar a presença de animais de grande porte soltos em via pública entrando em contato pelo telefone (74) 3612-3581 ou indo à SEMAURB, localizada à rua Oscar Ribeiro, s/nº, Centro, das 8h às 14h.

Operação intensifica recolhimento de animais soltos pelas ruas de Juazeiro

  1. Katiane oliveira disse:

    Boa tarde! Voces tb deviam coibir os mal tratos dis carroceiros com os jegues. Colocando peso demais e neles q sinda sao filhote e os cachorro e gatos soltos judiados tb. Ajude as org e se espelhe em Petrolina
    Tem ate castra moveis. Precisamos tb

  2. Terezinha Chaves Cunegundes disse:

    APOIO A DENÚNCIA da Katiane Oliveira. A situação dos animais de ruas, sejam de grande ou pequeno porte como cães e gatos. É doloroso, que os gatinhos e cães, perambulem pela avenida da Orla afora, vindo do Jatobá, e áreas vizinhas, sejam maltratados; outras vezes ( envenenados,) por alguns condomínios desta região, que têm pavor a gatos, muito deles alegando, que estes, representam são riscos à comunidade, face a permanência de tais animais pela área.
    Nesse diapasão, quando os infelizes animais encontram alguém que lhes matam a fome, por caridade, seguindo a máxima do Evangelho de “dar de beber a quem tem sede e comer a quem tem fome”, este é visto pela maioria como um insano.
    Sou idosa, já criei muito gato em Salvador, Aracajú, e nunca tive problemas em minha vida, nem doenças oriunda de criação de gatos e cães. Hoje, idosa residindo em Petrolina à Av Jatobá,31, Condomínio Monte Carmelo, BL B – Apto. 02, ao lado da Loja de Conveniência e Posto de gasolina, após o Yate Clube, tenho dois gatos, um adotado o ano passado em minha porta, de forma que, ante a pandemia, com doenças pré-existentes, alimento mais dois gatos que clama por comer a minha porta, aos quais dou carinho e trato, pois são mansos, totalmente domesticados, os quais têm como teto de sol a chuva, o viver por debaixo dos carros, sujeito a morte por manobras.
    Assim sendo, gostaria que adotasse uma providência no sentido de fazer chegar tal clamor as autoridades que lutam pela preservação da natureza em toda a sua inteireza, pelo bem e saúde do povo e animais.
    Clamo pela indicação de ONGS que pudessem receber um lindo gato para adoção e de uma gatinha prenha, a qual está inquieta porque fez do Condomínio seu lar, mas não tem um local para parir e anda inquieta e miando muito a procura de um dormir seguro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.