No primeiro compromisso como presidente do TSE, Moraes reúne TREs

por Carlos Britto // 18 de agosto de 2022 às 09:11

Foto: TSE/reprodução

No primeiro compromisso como presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Alexandre de Moraes se reuniu na manhã desta quarta-feira (17) com o os representantes dos 27 Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) do país. Apresentando as ações desenvolvidas em Pernambuco, o presidente do TRE-PE, desembargador André Guimarães, defendeu o papel da Justiça Eleitoral na defesa da democracia. “Vou citar um provérbio bem conhecido: ‘Só se percebe o valor da água quando a água seca’. Nós todos, juntos, não vamos deixar que a fonte da democracia seque”, disse.

Moraes reforçou no encontro a união da Justiça Eleitoral para a realização das Eleições 2022 com paz, segurança e transparência. “Estamos absolutamente de portas abertas para todas e todos. O TSE sozinho não faz nada. O TSE atua junto com os Tribunais Regionais Eleitorais e com todos os juízes eleitorais”, disse.

Segundo o ministro, é importante que a Justiça Eleitoral tome algumas medidas preventivas em conjunto, e de forma padronizada, antes e, principalmente, no dia da eleição, antecipando alguns procedimentos.

A importância do firme combate à desinformação, da articulação com as instâncias locais de segurança, do treinamento das mesárias e dos mesários, e as mudanças na divulgação dos Boletins de Urna (BU) também foram debatidos durante a reunião. Os presidentes dos TREs parabenizaram o ministro Alexandre pelo firme discurso em defesa da democracia e das urnas eletrônicas, realizado na cerimônia de posse, nesta terça-feira (16).

Na reunião, as desembargadoras e desembargadores apresentaram um breve panorama das principais ações em andamento para a realização das eleições em cada local, com foco nos temas segurança, mesários e combate à desinformação.

Retidão e coerência

A presidente do TRE do Maranhão, Ângela Maria Salazar, fez questão de reforçar que a Justiça Eleitoral sempre atuou com retidão e coerência durante esses 90 anos de história. “Toda eleição tem seus desafios, mas a Justiça Eleitoral sempre atuou, e continuará atuando, com coerência e transparência, respeitando a soberania popular”, afirmou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.