Máquinas agrícolas roubadas de fazendas em Petrolina “têm mercado fértil”, diz delegado Magno Neves

1

A Polícia Civil de Pernambuco (PCPE) deverá concluir, em uma semana, as investigações da Operação ‘Heavy Machine’ (máquina pesada, em inglês), que desbaratou ontem (27) uma quadrilha acusada de roubar tratores agrícolas e caminhões, além de aparelhos celulares, em duas fazendas da cidade. Esse foi um dos detalhes apresentados na manhã desta sexta-feira (28) pelo delegado Magno Neves, em coletiva de imprensa realizada na sede da Diretoria Integrada do Interior (Dinter 2), Bairro Vila Eduardo, na zona leste da cidade.

Um total de 60 policiais – 40 civis e 20 militares – participou da operação, cujas investigações começaram no último dia 18 de abril, dois dias após a segunda investida da quadrilha. O primeiro roubo aconteceu em março. De acordo com Magno, a polícia chegou aos acusados após detalhes repassados pelas vítimas do roubo.

A operação atuou nos Bairros Cohab VI e São Gonçalo, na zona oeste, e ainda no Residencial Brasil, culminando com a prisão de quatro envolvidos: o líder da quadrilha, José Maria da Silva Brito, o ‘Sargento; Islan Cleiton da Silva Ferreira; André Muniz Dias; e uma mulher, Nazaré da Silva Santos (mãe de Islan). No cerco ao grupo, a polícia também apreendeu um veículo Fiat Strada clonado e quatro celulares.

Como o inquérito ainda está em andamento, o delegado informou que solicitará a prorrogação da prisão ou a preventiva dos investigados. “Estamos analisando tudo o que foi colhido durante a investigação e durante a empreitada de ontem da equipe da Polícia Civil, com o apoio da Polícia Militar”, ressaltou.

Hipótese

Perguntado se haveria alguma ligação de funcionários das fazendas assaltadas com o grupo, Magno afirmou que até o momento as investigações não apontam para isso, mas nenhuma hipótese deve ser descartada por enquanto. O responsável pelo caso explicou que ainda não foi levantando o destino das máquinas roubadas, mas acredita que possam ter sido vendidas no mercado paralelo. “Isso é muito comum. A gente já fez uma pesquisa pelas redes sociais de vendas, e encontrou diversos setores comercializando essas máquinas, aqui na região e fora. É um mercado bastante fértil”, revelou. O delegado aproveitou para sugerir aos proprietários de fazenda a implantação de rastreadores nesses equipamentos, o que facilitaria a localização quando fossem roubados.

O delegado disse ainda que a polícia já tinha conhecimento de ações delituosas desse tipo, antes da prisão do grupo, mas ainda não dá para afirmar se são as mesmas pessoas. Outro delegado da Dinter 2, Marceone Ferreira, reforçou o desfecho positivo de mais uma ação de repressão qualificada em Petrolina. “Esse tipo de operação é importantíssima porque a gente tira de circulação aquelas associações e organizações criminosas por meio de uma investigação mais aprofundada, com o apoio da Inteligência”, reiterou. Segundo Marceone, esta é a terceira operação desse porte realizada em Petrolina, somente em 2017. Ele destacou ainda que outras iniciativas semelhantes devem acontecer na cidade.

1 COMENTÁRIO

  1. parabéns dr Magno e sua equipe mesmo sem o governo do estado oferecer as condições ideais o senhor e sua equipe e a policia militar presta um grande serviço a Pernambuco .

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome