Manifestantes ocupam prédio da Cerb em Senhor do Bonfim

por Carlos Britto // 22 de maio de 2009 às 17:30

Cerca de 250 integrantes do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA) ocupam desde quinta-feira, 21, a sede da Companhia de Engenharia Rural da Bahia (Cerb), em Senhor do Bonfim. Eles reclamam do abastecimento de água nas comunidades da região norte da Bahia. Antes de ocuparam a Cerb, os manifestantes estiveram no Distrito de Irrigação de Ponto Novo.

Eles se reuniram com a direção da companhia nesta sexta, 22. De acordo com o diretor de operação da Cerb em Salvador, Jorge Farias, a empresa acordou com os integrantes do MPA que vai montar a partir da próxima semana um cronograma de visitas de técnicos da Cerb às comunidades. O objetivo é detectar problemas e levantar soluções. Ele afirmou que vai resolver as questões que podem ser atendidas pelo Programa Água Para Todos do Governo do Estado.

Cristina Laura/A Tarde

Manifestantes ocupam prédio da Cerb em Senhor do Bonfim

  1. Alerta disse:

    Será que todos os setores da sociedade Baiana terão que agir e reagir desta forma para ser atendida por seus direitos mais elementares: água. O MST e CETA ocupam Secretaria de Agricultura e INCRA, estudantes interditam ruas e estradas para pedirem Professores na salas de aulas e por ai vai… O Estado e seus governantes não se tocam que nos orçamentos públicos destinam o que pode e o que não pode ser feitos para os trabalhadores deste País e também na Bahia. Acorda Wagner saia da sombra de Lula, por onde se anda neste Estado só se observa placas de obras do Governo Federal luz para todos, PSF, Territórios da Cidadania e suas ações, etc enquanto o Estado parou, a referência da Educação o TOPA, programa de alfabetização que paga 250,00 a um Professor. Apoio e parabenizo MPA, assim deveriam fazer os Professores acupando as DIREC e a Secretaria de Educação, os Policiais ocupando a Secretaria de Segurança Pública para ver se um monte de incompetente e preguiçosos reagem em benefícios destas classes e pagam saládios dignos e condições de trabalho mínima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *