Liminar impede reprovação de 15 vestibulandos da UFES prejudicados por sistema de cotas sociais

por Carlos Britto // 26 de maio de 2009 às 12:15

É melhor criar bolsas de estudo para que os alunos carentes possam se preparar para o vestibular do que instituir cotas sociais nas universidades públicas, prejudicando estudantes que, por circunstâncias da vida, tiveram oportunidade de estudar em uma instituição de ensino particular. A conclusão consta do voto que concedeu liminar a 15 candidatos a vagas na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), que foram reprovados no vestibular em razão do sistema de cotas sociais.

A Ufes reserva 40% das carteiras a alunos oriundos de escolas públicas, que tenham renda familiar de até sete salários mínimos. A liminar foi expedida pela 5ª Turma Especializada do TRF2 e suspende o ato de reprovação dos vestibulandos.

A relatora do processo, desembargadora federal Vera Lúcia Lima, destacou, em seu voto, que a qualidade do ensino nas escolas públicas é, via de regra, inferior à das particulares e que isso se reflete nos resultados dos vestibulares: Trata-se de distorção cuja supressão exige pronta atuação dos Poderes Públicos Federal, Estadual e Municipal, mediante a adoção de políticas públicas adequadas ao estabelecimento de ambiente propício à concorrência igualitária de todos aqueles que almejam uma vaga nas universidades públicas do país, afirmou.

Mas, no entendimento da magistrada, a criação de cotas é uma medida imediatista, e o investimento em um ensino fundamental e médio de qualidade, apesar de não produzir efeitos a curto prazo, atende a uma determinação da Constituição e não configura solução paliativa, posto atacar as raízes do problema.

Liminar impede reprovação de 15 vestibulandos da UFES prejudicados por sistema de cotas sociais

  1. Opara disse:

    Um absurdo o entendimento desta Desembargadora. Engraçado que quando se trata de cota racial dificilmente o juiz é contra, mas em relação à cota social, a maioria se mostra contrário.

  2. O.O disse:

    Salvo engano, essa universidade dispõe de cotas para filhos de policiais… isso sim que é um absurdo!

    É muito fácil um “riquinho” ser opositor às cotas, pois nunca estudou em escola pública e tem dinheiro para pagar cursinho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *