Famílias acampadas protestam contra falta d’água

por Carlos Britto // 19 de maio de 2009 às 07:00

Famílias acampadas nas imediações do projeto Pontal Sul, a cerca de 35 quilômetros do centro de Petrolina  devem promover, esta semana, uma mobilização com o objetivo de chamar a atenção para a realidade em que vivem. O alerta foi dado neste domingo pelo dirigente regional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Florisvaldo Araújo. Durante cerca de uma hora e meia na manhã desta segunda(18), cerca de 120 manifestantes provenientes do acampamento bloquearam a BR 428 (que liga Petrolina a Lagoa Grande), na altura do KM 158, como forma de protesto pelo corte do fornecimento de água.

“Estas pessoas estão praticamente sem água para consumo. Já houve diversas tentativas de contato com a prefeitura mas até agora, o prefeito não recebeu o pessoal para nenhuma reunião. Já se procurou a Codevasf, e até agora nem água no canal, nem em pipa. Por isso a manifestação”, enfatizou Araújo. “Essas famílias estavam consumindo água das chuvas, mas muita gente começou a se sentir mal. É bom chamar a atenção também o fato de que o canal está se deteriorando sem água, isso talvez seja uma tentativa de desmobilizar as famílias que estão lá”, acrescentou ainda. Segundo o representante do MST, cerca de 450 famílias moram no local e mais de duas mil estão cadastradas.

De acordo com Florisvaldo Araújo, a próxima movimentação dos acampados terá uma ampla pauta de reivindicações. “Não existe apenas o problema do fornecimento de água. Tem a questão da falta de assistência à saúde das famílias, quando alguém adoece, não há ajuda da prefeitura. Enviamos ofícios ao prefeito mas até agora, ninguém disse se ele ia nos receber ou não. E estas pessoas que estão no acampamento votaram, são cidadãs. Também esperamos o cumprimento de um compromisso com o Incra, firmado há seis meses e até agora não foi garantido. O momento agora é de cobrar”.

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf)- através do setor de Comunicação da 3a superintendência regional, em Petrolina – explica que a prefeitura de Petrolina é que vinha fornecendo a água para os acampados. Segundo a instituição, as famílias não estão em área da Codevasf, mas em um espaço vizinho. Já a assessoria de comunicação da prefeitura adianta que foi firmado um compromisso para que o carro-pipa possa ir ao acampamento do Pontal Sul duas vezes por semana. O carro tem capacidade para 7 mil litros de água.

Com informações JC Online

Famílias acampadas protestam contra falta d’água

  1. epaminondas disse:

    e um absurdo se dar atençao a esse povo do MST.
    elles nao tem nenhum registro legal…
    e gente que ta ai so pra fazer manifestaçao “politica”
    nao tem nada de reforma agraria na cabeça delles…
    e cheio de gente desordeira…
    se fosse pra trabalhar, ninguem queria terra!…
    cai na real… .
    terra e pra quem e do ramo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *