Éramos assim…

por Carlos Britto // 11 de novembro de 2021 às 22:15

O ano era 1988 e Guilherme Coelho, votando ainda na cédula de papel, no tempo que as cervejarias patrocinavam as urnas de papelão, votou nele mesmo para virar prefeito de Petrolina aos 26 anos de idade, pelo PFL.

Naquele tempo a apuração demorava dias e tinha emoção de dia e de noite. Guilherme teve depois o seu segundo mandato.

Éramos assim…

  1. Cícero disse:

    Guilherme se tornou prefeito e se reelegeu graças ao carisma do pai , hoje a família Coelho politicamente falando se resume por enquanto a Fernando Bezerra Coelho, que coloca os filhos na politica, um a um, sem qualquer abertura para os primos

  2. Higor disse:

    Aos Bolzoloídes que não se lembram ou se esqueceram de como era a apuração de votos no passado, está ai.

  3. ELEITOR CONSCIENTE disse:

    Nessa época já havia fraudes, claro,mas o voto era auditável, era conferível. É simplesmente uma enorme contradição a justiça eleitoral não querer transparência. Isso é justiça ou é o que? Se fosse os esquerdistas não quererem transparência é perfeitamente entendível, posto que eles fazem pacto até com o narcotráfico. Para quem não sabe, o Ministro Barroso bem como outros nove nunca passaram em um concurso para juiz, são simplesmente advogados, aqueles que aprenderam a provar que a verdade é mentira e que a mentira é verdade.

  4. Amorim disse:

    Perfeitíssima sua colocação, “ELEITOR CONSCIENTE”!
    “O povo sofre por falta de consciência”. Bem como, por ser imediatista e vender seu voto por míseros R$ 100,00 para depois ficar sofrendo nas filas dos hospitais!
    Quem contenta-se com migalhas, votando em políticos desonestos, não passa de um mendigo que desvaloriza sua cidadania! Aliás, não sabe nem o que significa isso!
    “Povo analfabeto politicamente, povo facilmente manipulável”. Por isso mesmo, que todo povo tem o governo que merece!

  5. Por um Brasil melhor disse:

    Petistas não saber o que é um voto auditável é compreensível. Não vamos exigir muita inteligência deles. Se você explicar mil vezes, ainda não irão saber a diferença entre um voto impresso e um voto auditável. Até hoje eles pensam que é a mesma coisa. Existe um aplicativo “cérebro”. Deveriam usar, é muito bom.

  6. Brasil melhor disse:

    Petistas não saber o que é um voto auditável é compreensível. Não vamos exigir muita inteligência deles. Se você explicar mil vezes, ainda não irão saber a diferença entre um voto impresso e um voto auditável. Até hoje eles pensam que é a mesma coisa. Existe um aplicativo “cérebro”. Deveriam usar, é muito bom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *