Em visita a Petrolina e Juazeiro, presidenciável Manuela D’Ávila fala em “radicalização da democracia” e afirma que “não é possível governar para todos”

9
Manuela D'Ávila concede entrevista coletiva em Petrolina/Foto: reprodução Facebook

A pré-candidata do PCdoB à presidência da República, Manuela D’Ávila, esteve em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA) neste domingo (10), onde apresentou o manifesto da pré-campanha em defesa da liberdade. Na cidade pernambucana, ela concedeu entrevista coletiva e respondeu perguntas de vários jornalistas, blogueiros e radialistas. A coletiva aconteceu no Petrolina Palace Hotel, na Orla, com atraso de cerca de duas horas – a entrevista estava marcada para começar às 8h30.

Entre outras coisas, Manuela reafirmou sua pré-candidatura e disse que é a hora de radicalizar a democracia. “Nós manteremos a minha pré-candidatura porque achamos que é extremamente importante debater um projeto de desenvolvimento para o Brasil do século XXI. É a disputa de falar com o povo, é a hora de o povo ocupar o poder. Somos aqueles que queremos fazer com que o povo perceba que é possível radicalizar a democracia, e que essa radicalidade democrática é o povo ocupar o poder“, declarou.

Manuela disse que é possível desenvolver o Brasil através da valorização do trabalhador, mas sabe que “não é possível governar para todos“.

Eu acredito, em primeiro lugar, que a gente tenha a necessidade de unir a maior parte do povo brasileiro, mas também sei que é impossível governar para todos. Portanto, nós defendemos um projeto nacional de desenvolvimento e defendemos que ele seja sustentado pela maior parte do povo, baseado na ideia de que é possível desenvolver o Brasil valorizando o trabalho. Isso, necessariamente, neste momento da história, exigirá que nós enfrentemos determinados interesses. Esses interesses passam por aqueles que ganham com juros exacerbados no nosso país, impedindo a indústria brasileira de ter competitividade, portanto, tira empregos e boa remuneração do nosso país. Enfrentar esses interesses significa enfrentar os interesses daqueles que não pagam impostos no país”, afirmou.

Manuela D’Ávila discursa em ato público realizado em Juazeiro-BA. (Foto: Reprodução Facebook)

Durante a coletiva, Manuel D’Ávila também falou sobre o Rio São Francisco e criticou o Governo Temer, em especial sobre a greve dos caminhoneiros e seus efeitos. “Nosso compromisso com o rio é um compromisso com o povo do Nordeste”, resumiu. “Não conseguir negociar [com os caminhoneiros], é a prova da ausência de autoridade que decorre da ausência de legitimidade desse governo”, provocou.

Juazeiro

Já em Juazeiro, o evento aconteceu na quadra do Colégio Dr. Edson Ribeiro, próximo à Prefeitura, no Centro da cidade. Durante o ato, um grupo de vaqueiros presenteou Manuela com a imagem de Nossa Senhora das Grotas, padroeira da cidade.

Manuela D’Ávila recebe imagem de Nossa Senhora das Grotas, padroeira de Juazeiro-BA. (Foto: Reprodução Facebook)

Além de tecer elogios a Isaac Carvalho e a Paulo Bomfim, Manuela disse que a cidade foi transformada pela gestão do PCdoB. “Para nós, militantes do PCdoB, conhecer Juazeiro é também estar numa cidade que nós ajudamos a transformar. Eu quero agradecer essa acolhida. Vir aqui é uma forma de mergulhar na certeza que é possível transformar. Eu sou uma mulher apaixonada pelo nosso país. São 20 anos que eu viajo esse país inteiro, e em cada canto eu encontro homens e mulheres que acreditam que esse sonho de país melhor pode ser um sonho realizado”, finalizou.

Além de Isaac Carvalho e Paulo Bomfim, acompanharam Manuela os deputados federais Daniel Almeida e Alice Portugal, o deputado estadual Zó, a pré-candidata à deputada estadual por Petrolina, Socorro Lacerda, além de lideranças comunistas da região.

9 COMENTÁRIOS

  1. É preciso acabar com essa hipocrisia de achar que somos todos um bando de idiotas, esse pessoal do partido comunista e outros comunistas do PT como Lula e seus comparsas. Quando vejo comunista falar em democracia, acho que ‘estão querendo tirar onda com nossa cara’, como é dito no popular. Não conheço no Planeta nenhum regime COMUNISTA DEMOCRÁTICO, todo regime comunista tem um Ditador tirano ou uma cúpula de ditadores como na China. Na China o cidadão é forçado a trabalhar mais de 12 hs por dia pra ganhar $ 100 dólares, esse é só um exemplo entre diversos.

  2. Esse cara não larga o osso. Gerência o público como se fosse o seu privado Juagro, postos de gasolina, e central do adubo, v Manda e obedecem. Só que o voto do pico de Juazeiro, esse falso vaqueiro vai levar uma chibata tamanha sua prpotencia e arrogância

  3. As “comunistas” hoje estão de preto? Preto que eu saiba é cor da campanha de outro candidato a presidente. Será que elas vão votar nele? Quando a “Manu” fala em “radicalizar a democracia” você já sabe o que isso quer dizer, não é? Significa transformar uma país numa democracia plena, igual à da Coreia do Norte.

  4. As “comunistas” hoje estão de preto? Preto que eu saiba é cor da campanha de outro candidato a presidente. Será que elas vão votar nele? Quando a “Manu” fala em “radicalizar a democracia” você já sabe o que isso quer dizer, não é? Significa transformar uma país numa democracia plena, igual à da Coreia do Norte.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome