Em congresso, funcionários da Caixa defendem instituição e outros patrimônios 100% públicos

por Carlos Britto // 08 de junho de 2022 às 18:30

Foto: reprodução

Começa no início da noite desta quarta-feira (8) o 38º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal, o maior banco público da América Latina. Trabalhadores de todo o país se reúnem para definições de pautas de interesse da categoria como também de toda a sociedade brasileira, a exemplo da manutenção da Caixa 100% pública e da preservação de outros patrimônios da nação.

Os empregados e empregadas da Caixa precisam estar unidos neste momento em que os direitos de nossa categoria estão sendo retirados e o papel social da Caixa sendo fragilizado”, destaca o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto. Após dois anos de debates e plenárias no formato virtual em virtude da pandemia da Covid-19, o Conecef volta ao presencial [em São Paulo] e em formato híbrido, com o tema ‘Caixa Pública Sim, Social Sempre!’.

A renovação do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e a manutenção de direitos conquistados pelos bancários da Caixa são os eixos principais do congresso, que vai até a próxima sexta-feira (10). Os resultados dos debates no Conecef serão consolidados em pauta de reivindicações específicas dos empregados da Caixa Econômica para a Campanha Nacional do setor.

Dimensão

A abertura do 38º Conecef é realizada de forma conjunta com o 33º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, o 28º Congresso Nacional dos Funcionário do Banco do Nordeste do Brasil, o 14º Congresso dos Funcionários do Banco da Amazônia e o 2º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Este ano, cerca de 200 delegados participarão presencialmente do Conecef e outros 200 de forma online [por plataforma eletrônica de videoconferência e de votação]. Os debates serão divididos em quatro eixos: Defesa dos bancos e empresas públicas/Defesa da Caixa 100% Pública; Saúde e condições de trabalho, incluindo o plano de saúde dos empregados (Saúde Caixa)/Fundo de Previdência dos empregados (Funcef); Manutenção dos direitos atuais e conquistas de novos/mais contratações; e Organização sindical e defesa da democracia.

  1. Paulo disse:

    Funcionários públicos no Brasil e só cumprir horários e tomar cafezinho não se preocupa em atender u públicos por isso deve ser privativar tudo para acabar com mordomias

  2. Marcos disse:

    FALOU Paulo, no mínimo não teve competência para ser aprovado num concurso público, a inveja mata, já dizem por aí.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.