Em artigo, Simão manda recado: “Petrolina não ficará refém de carros-pipas”

por Carlos Britto // 10 de outubro de 2022 às 08:10

Foto: Ascom PMP/divulgação

A falta d’água voltou a ser um dos assuntos mais comentados em Petrolina (se não for o principal assunto), após moradores de várias comunidades denunciarem que estão há semanas, e até mesmo meses, sem o líquido em suas residências. O fato levou o prefeito Simão Durando Filho a se posicionar, por meio de um artigo, afirmando que não aceitará que a principal cidade do Sertão “fique refém de carros-pipas”. O recado é direto para a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), gestora do serviço em Petrolina.

Confiram a íntegra do artigo:

Petrolina, às margens do Rio São Francisco, passa por um momento muito difícil, faltando água em diversos bairros da nossa cidade há várias semanas. São 350 mil pessoas sofrendo com rodízio e falta de água. Enquanto somos modelo de gestão para Pernambuco em diversas áreas, a Compesa vem na contramão. Não podemos e não ficaremos calados vendo o descaso dessa empresa matando a nossa gente de sede e afetando serviços essenciais como escolas, creches e postos de saúde. Está claro que Petrolina não é prioridade para essa empresa, serve apenas para arrecadar milhões.

A prefeitura já tentou fazer a concessão do abastecimento de água há mais de três anos, e o Estado sempre atrapalhou esse processo. Hoje, a população paga o preço. Estamos sendo rigorosos nessa luta. A Agência Reguladora de Serviços Públicos de Petrolina (Armup) multou a Compesa em mais de R$ 200 mil por tamanha incompetência. Mesmo assim, continuamos com o problema e sem nenhum retorno da empresa.

Acionamos o Ministério Público, houve uma reunião com o representante da Compesa em Petrolina, MP e Armup e ficou definido que seria assinado um TAC, Termo de Ajustamento de Conduta, em que a Compesa iria se comprometer em definir um prazo para resolver a situação e disponibilizar a água por um meio alternativo para a população, até que o serviço fosse resolvido. Mais uma vez a Compesa não enviou a documentação necessária para a formulação do TAC, ou seja, não respeita o povo de Petrolina.

Não cruzaremos os braços. Continuamos conversando com o Ministério Público e outras instâncias do poder público. Vamos seguir em frente, ao lado de nossa gente. Queremos água nas torneiras e não vamos aceitar que Petrolina fique refém de carros-pipas.

Simão Durando/Prefeito de Petrolina  

Em artigo, Simão manda recado: “Petrolina não ficará refém de carros-pipas”

  1. otavio disse:

    O Prefeito tem toda razão no que se refere a incompetência da COMPESA. É simplesmente um absurdo você estar as margens do Rio São Francisco, na maior cidade do interior de Pernambuco, pagar a água mais cara, porque Petrolina tem que sustentar os Sistemas de Abastecimento D’água de outras cidades que são deficitários, e mesmo assim não ter água nas torneiras. Quanto a ser refém de carros pipas, o interior do Município sempre ficará, pois tem muitas localidades sem ser abastecidas pela COMPESA, Projetos de Irrigação, ou Sistemas Simplificados de Abastecimento D’água locais São Regiões cuja solução é a construção de Barragens Subterrâneas nos córregos e ou riachos, mais a construção de Poços Amazonas dentro de seus bojos, mais pequenos bombeamentos para reservatórios elevados. Com esse tipo de obras, onde forem implantados, o pessoal pode até pensar em irrigar uma área de meio hectare, além de aproveitarem as vazantes durante o ano inteiro.

  2. Maria disse:

    Blá, blá, blá…… É só o que esses políticos sabem falar aqui em Petrolina.
    Fernando Bezerra que é forte não resolveu, esse Simão vai resolver?
    A questão é única: eles tem medo de mexer no bolso dos acionistas da compesa.

  3. Jonas disse:

    Se existe alguma empresa que manda em Petrolina, essa empresa se chama COMPESA. Pense num poder que essa famigerada empresa tem! Entra prefeito, sai prefeito, entra senador, sai senador, e ninguém consegue tirar essa enpresa daqui! Detalhe, a concessão do serviço pertence à prefeitura e mesmo assim ela não possui qualquer capacidade de fazer valer seu direito. Não adianta, a Compesa “toca o terror” mesmo, sabe disso, mas tá pouco se lixando para a opinião, reclamação, ou artigos na mídia como o que o prefeito divulgou. Nem mesmo o Ministério Público de Pernambuco, que até pouco tempo atrás, todo valentão, queria arrancar os filhos dos pais, porque estes, para prevenção de eventuais efeitos colaterais, recusavam-se a ministrar uma vacina experimental naqueles; frente à Compesa não vão além de apenas fazerem recomendações, como se isso fosse suficiente para a solução do problema. Os gestores dessa empresa publica devem estar morrendo de rir dessas “recomendações”, porque sabem que não vão cumprir, e sabem que nada vai acontecer com eles e nem com a empresa. Aguardando ansiosamente pelo dia em que alguém trará um fim para tantos desmandos, e não esperem por nenhum governador ou político da capital, se não aparecer alguém de coragem da nossa terra, pode esquecer qualquer solução.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.