Em artigo, leitora juazeirense parabeniza pelos 134 anos de sua cidade sem deixar de chamar a atenção dos governantes

por Carlos Britto // 15 de julho de 2012 às 22:17

Para homenagear os 134 anos de juazeiro, a leitora Suely Almeida nos enviou uma bela foto, registrada por ela no último dia 09, seguida de um texto que, ao mesmo tempo enaltece e cobra mais atençãos dos governantes com a cidade.

Confiram:

“Mãe Canastra conta história para rio-menino. – Dizem que lá muito longe onde se chama litoral, tem água grande. Rio-menino fica curioso, desce a serra manso, põe seus pés de água no chão de barro e entra pelo Sertão” – Pedro Raimundo Rego “Lenda da Aguas Barrentas”. Pelo Sertão, no Estado da Bahia, o rio-menino encontra Juazeiro à sua margem direita, Terra boa em que se plantando, tudo dá. A cidade dos poetas, das carrancas, de meus antepassados, a minha cidade. É também a cidade das grotas, de cachoeiras, de embarcações, de pescadores, de ilhas, da fruticultura irrigada.

De nossa Juazeiro surgiram vários nomes que se destacaram no cenário nacional e ainda internacional, como João Gilberto, Ivete Sangalo, Daniel Alves, Luiz Galvão, Manuca Almeida, entre outros.

A nossa cidade respira Poesia. Juazeiro é a terra das artes em seus mais diversos aspectos. Tenho orgulho desse povo que canta e encanta, dando um brilho maior ao que a natureza já abençoou com a sua geografia.

No entanto, vejo a nossa cidade esquecida por aqueles que mais deveriam projetá-la economicamente, culturalmente e politicamente, esta última entendida no sentido mais genuíno da palavra. Estou cansada dos projetos inacabados, que ficam apenas no papel. A falta de incentivo à arte e à cultura é de doer.

Sei que hoje é teu aniversário, e por isso quero abraçá-la. Agradecer por nascer à beira do Velho Chico, de morar na Praça mais linda, que é a da Catedral, da Bandeira ou Imaculada Conceição, onde vivi minha infância brincando e estudando na escola de Tia Vivinha, vendo e ouvindo o canto dos pássaros, o revoo das andorinhas, saboreando os oitis que caíam madurinhos e que têm o cheiro da minha infância.

Feriram a tua carne, quando uma destas árvores centenárias foi mortalmente atropelada, deixando um vazio em nossa alma. Mas irei replantá-la, se concederem a licença para isto. Mas, muito mais tristeza do que esta, é que feriram a tua estima, as tuas potencialidades, o teu encanto e até a tua simplicidade.

E assim, Juazeiro, vou lutando, cobrando, divulgando, para que teu nome, tua imagem e teu esplendor, sejam refletidos positivamente no cenário nacional.

Parabéns pelos seus 134 anos!!!

Suely Almeida/Historiadora, Pós Graduanda em Direito Penal e Processo Penal e Servidora Pública do TJPE

Em artigo, leitora juazeirense parabeniza pelos 134 anos de sua cidade sem deixar de chamar a atenção dos governantes

  1. souza disse:

    O bla bla bla é sempre o mesmo terra de Ivete sangalo de Luiz Galvão de João Gilberto e por ai vai, mas progresso que é bom essa terrinha não tem, só no imaginário e na base da pedra fundamental. ô lugarzinho pra não ter vergonha juazeiro.

    1. falador disse:

      pois é souza,os investimentos que é bom para a cidade,nada.só buracos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *