Depois de 10 anos de pesquisa, frutas de clima frio se adaptam às altas temperaturas de Petrolina

2

Frutas como maçã, caqui e pera estão sendo produzidas no Sertão de Pernambuco, ao lado da manga e da uva, que se tornaram tradicionais nas margens do Rio São Francisco. São fruteiras de clima frio que estão se adaptando às altas temperaturas. Depois de dez anos de pesquisa, os resultados agradam agricultores e cientistas.

Com temperatura que passa de 40ºC durante o dia, o Vale do Rio São Francisco se tornou o principal polo exportador de uva e manga do Brasil. A região movimenta por ano em torno de R$ 1,1 bilhão com essas frutas.

Com o cultivo de manga e uva mais do que consolidado, a região de Petrolina vem inaugurando a produção de frutas ainda mais exigentes em baixas temperaturas. A sensação do momento é a pera. Fora essa fruta, a pesquisa coordenada pelo doutor Paulo Lopes, agrônomo da Embrapa Semiárido, vem comprovando a viabilidade também de outras frutas, como o caqui: “O interessante do caqui é você ter a possibilidade de produzir no segundo semestre, quando não tem a fruta no mercado nacional”.

Das 23 variedades que entraram na pesquisa, a rama forte, a guiombo e a costata são as que vêm apresentando melhor desempenho. “Você consegue colocar as frutas produzidas aqui no Vale do São Francisco com preços até de dez vezes superiores em relação ao caqui comercializado nas regiões Sul e Sudeste no primeiro semestre”, afirma o agrônomo.

Produção pelo Brasil

A grande produção de caqui, maçã e pera no Brasil concentra-se nos estados do Sul e Sudeste. No que se refere ao caqui, São Paulo responde por 58% do total. Quanto à maçã, Santa Catarina está na liderança, com 51%. Na pera, o destaque fica por conta do Rio Grande do Sul, com 55% da colheita nacional. O que se quer nesse momento no Nordeste não é competir com a produção desses Estados, mas aproveitar as janelas deixadas por eles durante o ano. E então, suprir o mercado nos meses de entressafra.

No caso da pera, a oportunidade de mercado é ainda maior, porque o Brasil não dá conta de produzir tudo o que consome e 95% dessa fruta vem de fora. “O intuito desse projeto é de diversificar a produção aqui no Vale do São Francisco e diversificar com culturas que sejam rentáveis, que sejam compatíveis com o rendimento com a uva, com a manga, com essas que já existem”, afirma Paulo Lopes.

A pesquisa teve início há dez anos e atendeu a um pedido da Companhia de Desenvolvimento do Vale do Rio São Francisco (Codevasf). O desafio foi grande para se conseguir uma produção assim. Mesmo assim, a adaptação foi um sucesso e surpreendeu. As informações são do Globo Rural e a reportagem completa pode ser conferida acessando aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. Embrapa, uma das poucas instituições que dão orgulho aos brasileiros.
    Trabalho sério, que resulta no desenvolvimento, não só da região mas de todo país.

    Observação que se faz importante.
    Seria razoável mencionar a fonte da matéria. G1/globorural.
    Reportagem exibida no Globo Rural do dia 17/12

  2. Se eu estiver errada por favor me corrijam: Quem incentivou essa pesquisa quando na época era o Presidente da Codevasf, foi o sr. Clementino Coelho, aquele que foi deputado e destravou o projeto da criação da Univasf que ninguém fala.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

um × três =