Datafolha: Bolsonaro vai a 39% e Haddad tem 25%

4
Foto: reprodução

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) ampliou sua vantagem sobre os concorrentes na disputa pelo Palácio do Planalto, aponta pesquisa do Datafolha. Ele tem agora 39% dos votos válidos, que excluem brancos, nulos e indecisos, estando a 11 pontos percentuais do patamar para a vitória no primeiro turno, faltando três dias para o primeiro turno da eleição.

O petista Fernando Haddad manteve-se estável na segunda posição isolada, com 25% dos votos válidos. Ele está empatado com Bolsonaro na simulação de segundo turno. No pelotão inferior, se mantiveram estáveis Ciro Gomes (PDT), com 13% dos válidos, e Geraldo Alckmin (PSDB), que registrou 9%.

O Datafolha ouviu 10.930 eleitores em 389 cidades do país na quarta e nesta quinta (4).

A margem de erro do levantamento, contratado pela Folha de S.Paulo e pela TV Globo, é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Quando analisada a evolução em votos totais, Bolsonaro foi o único que oscilou acima da margem de erro, confirmando o espraiamento de seu voto em diversos segmentos -se a onda será suficiente para os 50% mais um voto necessários para a vitória no domingo, é incerto.

Ele subiu de 32% para 35% desde o levantamento divulgado na terça (2). A curva já vinha ascendente: na semana passada, ele tinha 28% dos votos totais entre 26 e 28 de novembro.

A pesquisa anterior havia registrado um aumento de sete pontos na sua intenção de voto entre mulheres, ocorrido após as manifestações de cunho feminista do EleNão do fim de semana. Agora, oscilou um ponto para cima, atingindo 28% dos votos totais no segmento feminino. Entre homens, cresceu quatro pontos de terça para cá, atingindo 42%.

Seu melhor desempenho foi entre os mais ricos, onde subiu nove pontos e chegou a 53% dos votos totais. Aqui, Alckmin teve uma sangria de quatro pontos, sugerindo uma adesão dos tucanos a um voto antipetista. Nos outros estratos de renda, houve estabilidade.

Região

Regionalmente, Bolsonaro subiu três pontos no populoso Sudeste, chegando a 39% totais, contra 16% de Haddad. Cresceu mais ainda no Norte (cinco pontos) e Centro-Oeste (quatro pontos).

Ciro e Alckmin mantiveram suas posições da terça. O pedetista segue com 11% dos votos totais e o tucano, mesmo dispondo da maior artilharia de tempo no horário gratuito, segue estagnado: oscilou negativamente de 9% para 8%.

Marina Silva (Rede) encabeça o bloco final com 4%, empatada tecnicamente com João Amoêdo (Novo, 3%), Alvaro Dias (Podemos, 2%), Henrique Meirelles (MDB, 2%) e Cabo Daciolo (Patriota, 1%).

Nas simulações de segundo turno, o fator rejeição é central. Aqui, tanto Bolsonaro quanto Haddad, os candidatos mais competitivos para chegar lá, mantiveram altos índices estáveis nesta semana.

O deputado segue rejeitado por 45% e o ex-prefeito paulistano oscilou de 41% para 40% o índice daqueles que não votam nele de jeito nenhum. Exemplificando a polarização da disputa, seus eleitores são os mais convictos hoje: 86% dos bolsonaristas e 83% dos pró-Haddad dizem estar certos do voto.

Num hipotético segundo turno com Haddad, Bolsonaro empata tecnicamente com o petista. Manteve os 44% que tinha na terça, enquanto o adversário oscilou positivamente um ponto, para 43%. Segue perdendo para Ciro (42% a 48%) e empata na margem com Alckmin (42% a 43%).

Bolsonaro tem sua maior rejeição entre mulheres (50%), mais jovens (50%) e mais pobres (52%). Haddad, entre mais ricos (acima de 10 salários mínimos mensais, 66%, e entre 5 e 10 salários, 58%) e escolarizados (57%). A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR- 02581/2018. O nível de confiança é de 95%. As informações são da Folhapress.

Debate

Na noite de ontem (4), os seis presidenciáveis – à exceção de Jair Bolsonaro – participaram do último debate, realizado pela Rede Globo. Ciro fazia críticas à gestão petista, porém evitava bater forte. Já Guilherme Boulos (PSOL) fez uma parceria quase explicita com Haddad, que por sua vez foi criticado por Marina Silva (Rede) e Álvaro Dias (Podemos). Líder nas pesquisas, Bolsonaro também foi cutucado por ter “amarelado” do debate. As críticas ao militar ficaram por conta de Ciro, Haddad e Marina.

4 COMENTÁRIOS

  1. Se o Messias das Trevas prometer que vai tentar aprovar a PEC106/2015 e o PL480/2007, votarei nele no segundo turno.Se bem que eu acho que esse imbecil e seus eleitores odientos não fazem a menor idéia do que se tratam estes dois projetos.É angustiante ,para um liberal como eu ,ter que votar nesse idiota funcional só por causa do Paulo Guedes,mas pelo menos tem o Amoêdo para votar no domingo próximo.

  2. Os institutos de pesquisa tão abertamente “fazendo propaganda” pró o candidato da extrema direita. Juntaram-se ao judiciário, legislativo, imprensa, executivo, militares e ministério público na onda antipetista. Estão “alimentando” uma fera, depois não reclamem se o país sair do controle deles e se transformar numa ditadura. Vejam o exemplo da Alemanha de 1933. A direita apoiou o bigodudo pensando que ia manipulá-lo e deu no que deu. Se não querem o PT, votem domingo no Alckmim (45) ou no Ciro (12).

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome