Coordenador do MST-PE afirma que trabalhadores agiram em legítima defesa

por Carlos Britto // 24 de fevereiro de 2009 às 18:52

Os coordenadores do Movimento dos Sem Terra (MST) se reuniram nesta segunda-feira (23) em Caruaru, no Agreste pernambucano, para falar sobre o caso dos quatro seguranças assassinados num confronto com integrantes do movimento. O crime foi sábado (21), em São Joaquim do Monte, também no Agreste do Estado.

A defesa dos suspeitos foi um dos assuntos discutidos na reunião, que contou com a presença de advogados e coordenadores do movimento. O coordenador do MST em Pernambuco, Jaime Amorim, afirmou que os sem-terra agiram em legítima defesa.

“Os trabalhadores agiram com intenção de sobrevivência, se não tivessem feito isso, agora não estariam aqui para contar a história”, afirmou.

CASO
Os quatro seguranças assassinados durante o confronto foram enterrados no último domingo (22). João Arnaldo da Silva 40 anos, José Wedson da Silva, 26, Rafael Erasmo da Silva, 20 e Wagner Luiz da Silva, 25 foram vítimas de uma chacina na fazenda Jabuticaba.

A polícia acredita que os autores do crime são integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que invadiram a fazenda e na última quarta-feira (19) foram obrigados pela Justiça a sair do local.

A coordenação estadual do MST divulgou uma nota onde afirma que os sem-terra foram perseguidos por vários homens armados e que teriam reagido em legítima defesa.

INVESTIGAÇÃO
A polícia prendeu dois integrantes do MST suspeitos de participar da chacina. Os agricultores Paulo Alves Cursino, 62 anos, e Aluciano Ferreira dos Santos, 31 anos, foram autuados no sábado na delegacia de Bezerros após o confronto e encaminhados ao Presídio de Caruaru.

A polícia informou que continua à procura de outros suspeitos do crime

Coordenador do MST-PE afirma que trabalhadores agiram em legítima defesa

  1. Watergate disse:

    Sem terra bom, é sem terra morto!
    bando de vagabundo!

  2. nicolas disse:

    bom, petrolina bem como o sertao pernambucuno teve os primeiros assentamentos da reforma agraria no estado, nas terras do ESCANDALO DA MANDIOCA, pois bem passados estes 15 a 20 anos destes assentamentos terem sido feito ta ai abandonados povo passando fome virando uma FAVELA RURAL, tipo, ASSENTAMENTO FEDERAÇAO, ASSENTAMENTO MANGA NOVA E OUTROS aqui em petrolina.
    pergunto ao sr. JAIME AMORIM coordenador do MST em pernambuco cade a reforma agraria??cade a produçao?? sim porque dinheiro voces recebem atraves das coorperativas cca, coptacac e outras tantas, dos persentuais das moradias, dos percentuais do fomento, e outros, dos pivos que sao vendidos como os pivos dos assentamentos agua viva, catalunia e outros,
    QUERO QUE ALGUEM ME MOSTRE EM ALGUM LUGAR EM PERNAMBUCO ONDE SE VENDA UM KILO DE FEIJAO DE MILHO UM KILO DE MANDIOCA OU DE MACAXEIRA PRODUZIDO POR SEM TERRA ME MOSTRE ONDE PRA MIM IR LA COMPRAR.
    mas antes vivem nos orgaos publicos pedindo mendigando.
    sou afavor da reforma agraria mas desta forma como se esta sendo feita.sou contra.
    dinheiro nao falta é so ir em normandia em caruaru caminho pra santa cruz do capibaribe que vc ver o derrame de dinheiro feito pelo mst, de onde veio este dinheiro preste contas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *