Comissão da Alepe aprova atualização de piso dos professores da rede estadual de ensino

2
Foto: Alepe/divulgação

A atualização no valor do piso dos professores da rede pública estadual foi aprovada nesta terça (1) pela Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe). Previsto no Projeto de Lei (PL) nº 1720/2020, o aumento será de 12,84% para os valores mínimos de salário da categoria, passando de R$ 2.557,74 para R$ 2.886,15 por 200 horas-aula; e de R$ 1.918,36 para R$ 2.164,67 por 150 horas-aula. A medida será retroativa ao dia 1º de janeiro de 2020, conforme a Lei do Piso Nacional. 

O acréscimo aplica-se apenas às faixas salariais da carreira que estavam abaixo do piso de 2020 – as demais seguem com valor inalterado. Em justificativa anexada à matéria, o Governo do Estado afirma que o aumento não poderia contemplar toda a categoria por determinação do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (Lei Complementar nº 173/2020), que proíbe a concessão de qualquer tipo de reajuste ou benefício salarial que não seja fruto de decisão judicial transitada em julgado ou estabelecida em lei anterior.

A deputada Teresa Leitão (PT) propôs uma emenda para que a carreira dos professores seguisse a proporção definida na Lei Estadual nº 11.559/1998, fazendo com que o incremento do piso se refletisse em toda a categoria. Mas o relator da proposição, deputado Tony Gel (MDB), apresentou parecer rejeitando a sugestão da petista por inconstitucionalidade – posicionamento que foi acompanhado pelos demais membros do colegiado. 

Teresa Leitão, por sua vez, apontou que o aumento apenas no piso vai gerar a situação de docentes de nível médio com o mesmo salário daqueles de nível superior. “Essa aberração surge do grande achatamento salarial, que ocorre desde 2008. Desde então, tenta-se negociar uma solução para que os professores das faixas acima do piso não tenham perda como a que está ocorrendo”, registrou. “O piso não é uma coisa aleatória. Está vinculado à formação, carreira e jornada de trabalho, e o Governo Estadual esquece-se disso”. A parlamentar observou que a categoria segue aguardando a proposta de reformulação da carreira e voltou a criticar o fato de a atualização ter sido feita apenas no fim do ano.

Compensação

Os deputados Antonio Fernando (PSC), João Paulo (PCdoB) e Aluísio Lessa (PSB) acompanharam o relator, mas ressaltaram a necessidade de que o Estado negocie a fim de compensar os profissionais de educação que não serão beneficiados pelo reajuste atual. “Os docentes que ganham acima do piso também merecem um aumento salarial. Mas isso só poderá ser feito quando a receita do Estado permitir e as vedações legais previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal e na LC 173 forem superadas”, considerou Lessa.

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite!
    À questão do piso salarial, é uma vergonha, se o professor está com o salário acima do piso não foi porque o Governo foi bonzinho em algum momento do passado, foi porque , o professor fez sua Faculdade, buscou uma Pós-graduação ,entre outros, passou trinta anos na função então não foi de graça, merecem o mesmo tratamento.

  2. Porque o professor que se sacrificou para fazer suas faculdades não tem direito ao piso salarial, eu acho que deveria dá o devido valor áqueles que lutaram com sacrifício para chegar em um patamar melhor e não ser visto desta forma , salário melhor que nível médio é claro e justo que sim , pois não nos acomodados,procuramos crescer , adiquirir melhoria no nosso aprendizado e isso faz mal?

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome