Com comércio fechado devido ao coronavírus, lojistas de Petrolina recorrem às redes sociais e a serviços de entrega para manter seus negócios

0
Foto: Arquivo/Blog do Carlos Britto

Com todo o comércio fechado por força de decreto estadual devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), lojistas de Petrolina buscam alternativas e estimulam a criatividade para manter contato com clientes e manterem suas atividades – mesmo que em ritmo diferente do cotidiano. A utilização de redes sociais, grupos de troca de mensagens e serviços de entrega (delivery) dão a tônica neste momento atual.

Nós já utilizávamos as redes sociais com frequência. Neste momento que atravessamos hoje, elas se tornam importantes ferramentas, junto com o WhatsApp, para estarmos perto de nossos clientes e fornecedores”, enfatiza a comerciante Virlânia Nobre, dona de uma loja de variedades no Centro da cidade. A empresária detalha que atende os clientes por aplicativo de troca de mensagens, encaminha fotos e valores dos produtos requisitados e, em seguida, faz a entrega. “Claro que isso não reflete o nosso volume de vendas das épocas sem pandemia, mas é uma maneira de nos mantermos na ativa. Vamos ter fé e acreditar que todo esse momento vai passar o quanto antes, e voltaremos com mais garra e força para tudo”.

O empresário Manoel Nonato Ribeiro, do segmento de informática, também recorre à troca de mensagens como forma de manter contato e prestação de serviço junto aos clientes. “Os atendimentos de manutenção são feitos por agendamento, ou seja, o cliente liga, marca o horário, o colaborador recebe o equipamento e faz a manutenção. No nosso site temos um help desk para os clientes de sistemas. Temos negociado via internet e quando o atendimento presencial se torna necessário, redobramos a atenção com relação aos cuidados de higiene”.

Nonato acredita que, após esse período de pandemia, haverá uma mudança significativa nas relações entre empresas e clientes. “Acredito que teremos um modelo de operação diferente. Iremos nos adaptar a este modelo que estamos vivenciando e criaremos novas formas de trabalhar. Ajustadas, claro, as necessidades dos clientes e a dos nossos negócios”, opina.

Delivery

Instalada desde novembro do ano passado em Petrolina, uma franquia de delivery  – que atende ainda a Juazeiro (BA) e o entorno das duas cidades – viu a procura pelos serviços de entrega crescerem consideravelmente. Para ter ideia, antes da pandemia a procura estava na casa dos 30%. Já o percentual neste período de estabelecimentos fechados é de 56,35%. “Desde que as medidas de combate à epidemia entraram em vigor e muitas empresas tiveram que manter suas portas fechadas, percebemos um aumento na procura pelos nossos serviços. Hoje temos em nossa plataforma  um maior número tanto de empresas cadastradas  quanto de entregadores”, enfatiza o proprietário da franquia, Acácio Pinheiro.

Para o presidente do Sindilojas Petrolina, Joaquim de Castro, apesar do momento ser de indefinições e dificuldades causadas pela pandemia, o empreendedor deve buscar alternativas para manter sua empresa. “Institucionalmente, estamos buscando viabilizar junto aos governos estadual e municipal, maneiras do comércio gradativamente retornar ao seu ritmo de funcionamento, resguardando claro, todas as regras de segurança e higiene junto a colaboradores e clientes. Mas é muito importante que, neste contexto, o lojista busque analisar as alternativas que melhor se adequem ao perfil de sua empresa, e possam dar continuidade- de alguma maneira, às suas atividades”, analisa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome