Coluna da Folha: A renúncia inesperada da vice-prefeita

por Carlos Britto // 02 de novembro de 2022 às 09:07

Foto: reprodução

Quando pensamos que já vimos de tudo na política e ouvimos opiniões de que a palavra empenhada é coisa do passado, eis que surge uma novidade inesperada.

Repercutiu muito ontem a notícia de que Girlene Cardoso (PP), vice-prefeita do município de Cumaru, no Agreste pernambucano, anunciou que vai deixar o cargo para cumprir a promessa.

Durante a campanha eleitoral, Girlene anunciou que renunciaria ao cargo para o qual foi eleita e trocaria o domicílio eleitoral para um outro município na hipótese de Raquel Lyra (PSDB), que venceu as eleições, recebesse menos votos que Marília Arraes (Solidariedade) na região. O que acabou por acontecer.

Se vocês acharem que estamos fazendo o melhor para Cumaru, então, nesta eleição, vote junto comigo. Vote em Raquel Lyra 45. Mas, se você achar que este trabalho não é o que você esperava, vote na outra candidata”, dizia o primeiro texto ainda na campanha.

O resultado final foi de 5.460 votos para Marília Arraes e 5.436 votos para a tucana, que vai virar governadora. Uma diferença de apenas 24 votos.

Em uma carta autenticada em cartório, e que tornou pública, Girlene avisou que deixará o cargo: “Alguns dias atrás, meu esposo e eu escrevemos uma carta em um momento delicado da nossa vida política. Queríamos, através dela, não impor nada a ninguém, mas avaliar se o que estávamos fazendo estava realmente valendo a pena ou não. Viemos agora, por meio desta, cumprir de fato o que estava escrito na outra carta (escrita no dia 14 de outubro). Eu abdico do mandato de vice-prefeita. Continuaremos em Cumaru, trabalhando, como amigos do povo, como sempre estivemos”.

Raquel Lyra perdeu em Cumaru, mas teve aumento expressivo entre os dois turnos das eleições. No primeiro turno ela foi apenas a terceira colocada, ficando com Marília 3.940 votos; Danilo Cabral (PSB), 2.599; e Raquel, 1.721 votos.

Lançado pelo opositor

O presidente da Câmara de Vereadores de Cabrobó, vereador Rony Russo, disse que recebeu com surpresa a fala do prefeito do seu município, Galego de Nanai, que o colocou como o candidato das oposições para enfrentá-lo nas próximas eleições. “Confesso que foi inesperado. Ninguém do meu grupo ou meus amigos vai dizer que eu ando antecipando esse processo. É prematuro tratar disso agora, mas quem me conhece sabe que não fujo da raia. Na hora da convocação eu estarei sempre pronto”, afirmou.

O adeus a Osvaldo

Foi sepultado ontem, terça-feira (1) em Serrita (PE), Sertão Central, o ex-prefeito Osvaldo Sampaio. Ele faleceu na noite do último domingo (30/10) na cidade do Crato (CE). Osvaldo tinha 90 anos e foi prefeito de Serrita por dois mandatos. O primeiro exercido de 1983 a 1988, e o segundo entre 1993 e 1996. Ele era neto do Coronel Romão Filgueira Sampaio, fundador do município.

Sebá, vice de Raquel

O deputado federal Sebastião Oliveira (Avante) revelou que foi convidado por Raquel Lyra (PSDB) para compor sua chapa como vice, mas não aceitou. Ele ainda demonstra mágoa com a governadora eleita. “É só você assistir ao debate da Globo, porque em todos os outros debates ela fala no meu nome, toda vez me agredindo. Sabe o que é curioso? Ela me procurou muito para eu ser o vice dela, mas eu conheço bem Raquel. Como eu conheço bem Raquel, eu não voto em Raquel. Quem conhece bem Raquel, não vota em Raquel. Como eu a conheço bem, nem votei e nem quis me aliar a ela”, desabafou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.