Cabrobó: Aborrecido com “politicagem” do governo federal, Dr.Auricélio promete mobilizar população para barrar transposição das águas do São Francisco

5

auricelio_640x480Aborrecido com o tratamento dispensado pelo governo federal a Cabrobó (PE), no Sertão do São Francisco, que garante ter conotações políticas, o prefeito Dr.Auricélio Torres (PSB) pretender promover uma verdadeira cruzada para garantir os direitos do município. E quer também mobilizar a mídia e a população de municípios circunvizinhos para reforçar sua luta.

A principal reivindicação do gestor diz respeito à Transposição do Rio São Francisco. Segundo Dr. Auricélio, a obra foi alardeada como uma grande geradora de emprego e renda à região. Mas com a previsão de ser concluída em 2015, a transposição – avalia o prefeito – não estaria deixando uma “contrapartida econômica” que beneficie Cabrobó.

Evitando citar diretamente seu antecessor, Eudes Caldas (PTB), o atual prefeito considera inadmissível o fato de que “algumas pessoas” terem apenas se preocupado em garantir o ISS ao município, com a construção da transposição, sem levar em conta essa contrapartida, que garantia uma estabilidade na economia do município após a obra.

“É injusto que Cabrobó não fique com nada, porque o município teve dispêndios, para se adaptar às demandas nas áreas de saúde, educação, com tantas pessoas que afluíram ao município para trabalharem na obra(…)Quando o ISS for subtraído da nossa receita, primeiro o administrador vai ficar em maus lençóis por conta da Lei de Responsabilidade Fiscal, que já estamos infringindo. Tanto por conta da transposição, como pelos programas trazidos pelos governos federal e estadual para o município, porque precisamos ter a contrapartida em material humano, e isso gera despesas”.

Protesto

O foco das críticas também alcança o atual ministro da Integração, Francisco Teixeira, que “não estaria fazendo nenhum esforço” para tirar o projeto de irrigação Maria Preta. Outros ex-ministros da pasta também não escapam da metralhadora giratória de Dr.Auricélio. Segundo o prefeito, Ciro Gomes teria prometido “mundos e fundos” muito mais, pelo que vê hoje, para quebrar as forças contrárias à transposição em Cabrobó – a exemplo dos índios trukás da Ilha da Assunção.

Outro ex-ministro, Geddel Vieira Lima, garantiu construir adutoras que distassem até 15 km do município. “Até hoje vivemos a realidade humilhante dos carros-pipas”, lamenta Dr.Auricélio.

O único que ainda fez um gesto, conforme o prefeito, foi Fernando Bezerra Coelho. Enquanto comandou o Ministério da Integração, Dr.Auricélio revela que FBC contemplou o município com um convênio de R$ 2,7 milhões destinado à construção de uma orla fluvial, do centro cultural indígena, do acesso ao pátio do Centro Tecnológico do Arroz e de estradas vicinais da Ilha da Assunção. Novamente Dr.Auricélio volta a cobrar do ex-prefeito Eudes Caldas, que administrava o município à época desse convênio. “A primeira parcela do convênio foi liberada em maio de 2012, mas não sei por quê meu antecessor não providenciou o projeto executivo (do convênio)”, alfineta.

Diante dos fatos, o prefeito promete se engajar num grande movimento, juntamente com os demais segmentos da sociedade civil do município e de populações circunvizinhas. A ideia é, se preciso for, até fechar as rodovias para impedir o funcionamento da transposição. “Sem uma contrapartida, não haverá água. Acho inadmissível que uma obra vá doar água para o Rio Grande do Norte, por exemplo, e nossa população fique à míngua”, finalizou.

5 COMENTÁRIOS

  1. Os prejuízos deixados ao município de Cabrobó, pelo estrago ambiental nas áreas que passa o canal, é incalculável, e a devastação do solo, da fauna e da flora da nossa castigada caatinga. Sabemos que houve estudo prévio para elaboração do projeto, houve equipes de professores, de ambientalistas, más quem vai reflorestar o que foi devastado, quem vai repovoar o que foi degradado, a responsabilidade deve ser de alguém, o município não pode ficar com esse grande déficit para o resto dos tempos. Precisamos fazer um movimento e cobrar do Governo federal uma reparação justa para o município de Cabrobó, precisamos em primeiro lugar da revitalização das áreas devastados e de recuperação do meio-ambiente e de uma área de preservação ambiental a fim de conservar a fauna e a flora para nossas futuras gerações.

  2. Pura politicagem também prefeito! Ao invés de mobilizar (usar ) a população para fechar rodovias e impedir a água de jorrar pelo canal ( transformando isso em dividendos eleitoreiros), mobilize a si próprio e a sua equipe para elaboração de projetos e apresentá-los onde for de direito. Afinal o sr foi eleito para isso.

  3. Estamos com vc dr Auricelio, Cabrobó nao pode servir para contemplar outros municipios, ate de outros estados com a água e o nosso não fique com nada, só com prejuizos. Estamos vendo seu empenho com nossa gente, sua belíssima administração.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

4 + três =