Brincadeiras de antigamente inspiram calendário

por Carlos Britto // 19 de dezembro de 2008 às 13:02

A saudade da velha infância presente no poema “O Resgate dos Brinquedos”, de Artur Valdevino, foi fonte de inspiração para a edição 2009 da série de calendários da Clas Comunicação & Marketing e Gráfica Franciscana. Com o tema “Brincávamos assim”, o anuário, que já está sendo distribuído entre clientes, fornecedores e amigos das duas empresas, retrata crianças em brincadeiras que já não fazem mais parte do dia-a-dia do século 21, como o pião, bambolê, baladeira (estilingue) e jogos como bola de gude e amarelinha.
“Tudo vem sendo esquecido pela modernidade. Nossos filhos não se divertem como fazíamos na infância, quando brincávamos mais em grupo e com objetos simples, como cordas, um pedaço de pano para a cabra-cega e o giz, que servia para desenhar a amarelinha. O calendário é um convite à reflexão dos valores da sociedade atual, que se relaciona mais com máquinas do que com pessoas”, argumenta o jornalista e diretor da Clas, Carlos Laerte, também autor das fotos que ilustram as páginas do anuário.
Sobre um fundo colorido e embalada por poemas e cantigas populares, cada fotografia é retratada em preto-e-branco, com o destaque da cor apenas no brinquedo ou brincadeira em questão. “Esse jogo de cores reforça ainda mais a idéia do que ficou para trás, mas que está presente na memória de quem viveu essas experiências”, acrescenta Roberto Gil diretor da Gráfica Franciscana.
O produtor cultural Cássio Lucena, que assinou o texto de apresentação do calendário, relembrou o poema “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu: “Oh que saudades que tenho da aurora da minha vida…” Citando outras brincadeiras, como Mandrake (estátua), Passa-anel, Salada Mista e Garrafão, Cássio arremata: “Este calendário retoma a doçura desses saborosos tempos…”
“Brincávamos assim” é o sexto calendário da série produzida pela Clas Comunicação & Marketing e pela Gráfica Franciscana. Já foram expostos os Cartões-Postais de Petrolina e Juazeiro em 2004, imagens do Vale do São Francisco em 2005, Flores da Caatinga em 2006, a Arte que Vem do Vale em 2007 e Fé e Folguedo em 2008.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.